A/C: meu bumbum

7.28.2014 -


Prezado,

Sei que passamos anos em guerra: eu odiando você a cada verão, você tendo um ódio mortal de mim por te tapar tanto e com muita lã a cada baixa das temperaturas, porém, chega; venho em missão de paz. Depois de anos tentando socar esses mais de cem centímetros de circunferência que me acompanham na região do quadril em calças um número menor, meses e meses desejando e traçando metas e treinos para obter pernas fininhas - e, com isso a diminuição do derrière, obviamente - e toda uma existência com a cobiça de possuir ancas menores que, mesmo fina feito palito, nunca terei, posso finalmente dizer: eu te amo. Alguns dirão "que bom", e eu, hoje mais cabeça, autêntica e com uma estima incondicional por mim mesma pensarei em seguida "é verdade".

Demorou, mas consigo hoje aceitar toda a vida própria que você tomou para si com o passar dos anos. Ninguém presta muita atenção se meus cabelos estão hidratados, o rosto possui make ou o sapato orna com o resto do conjunto. Você rouba olhares por onde passa, distribui audácia entre as nada avantajadas que gostariam de, atrapalha a academia de marmanjos que se dispõe a passar a manhã fazendo perna numa quarta-feira. Me sentia culpada até pouco tempo atrás, admito. Cuidava para que tarados não tirassem uma bela lascada nos passeios por ruas abarrotadas, tentava esconder o máximo possível essa sua abundância chamativa com casaquinhos e peças escuras, me sentia vulgar com a sua presença sempre tão espalhafatosa, desconcertante. Um erro, eu sei.

Demoramos para achar o tipo de vestimenta (leia-se: calcinha) ideal para tamanha desproporção, atrasamos um tempão até notar que de shorts, saias e vestidos nos sentimentos melhor ambos, foi duro e difícil aceitar que mulheres como Beyoncé, Kim Kardashian e Jennifer Lawrence possam me representar não apenas enquanto personalidades, mas na parte traseira. Reconhecer que todos aqueles quatro apoios, agachamentos, stiffs e afins em horas de malhação podem fazer doer e suar, mas são essenciais em tempos onde apaziguamos nossa estreita relação. Largar de mão a ideia de que para passar seriedade e cultura há que se camuflar abunda grande, essa vulgaridade em tanta carne e quase nenhum osso. Uma ignorância dessas ingênuas, a minha cara, perdoa, por favor.

Agora, contudo, a sua redondeza só me enche de orgulho, afinal, é ela quem dá suporte para a cintura, fina, fazer do meu tronco uma bela curva, perigosa feito essas da serra gaúcha, das estradas de Santos. Eu quase tiro selfies de lado para mostrar que a congruente dupla que formamos, eu sinto apenas uma feminilidade imensa por possuir - e gostar, com licença - do meu bumbum grande demais, um pouco saltado, com alguns furinhos sim mas tão vivo que já é um pedaço meu quase à parte, praticamente falante.

Perdoa, por favor, a negligência desses tempos ignorantes. Foi uma guerra interna e tanto perder o medo interno de parecer ridícula por adorar o que muitas abominam, por correr o risco de parecer hedonista, egoísta, vaidosa ou coisa do tipo. Mas uma paixão grande como essa não merece ficar escondida em calças retas, flares e de moletom. Tampouco usar calcinhas de algodão grandonas de vovó ou ser silenciada simplesmente por exalar uma sensualidade que não fica bem numa mocinha nova da classe média.

Te aceito assim, imperfeito e chamativo, farto e rebelde; mas acima de tudo, sui generis, ítalo-genético, meu.

Com carinho,

Camila




1 Comentários:

  1. Me identifiquei com a parte de esconder pra não chamar atenção. É um erro sim, mas não são todas as bundudas que gostam de receber ''elogios'', bem entre áspas, por onde passam. Eu sempre fui alta e desenvolvida, ou seja, sempre tive um corpo ''de mulher'' mesmo eu tendo 12, 11 anos. Eu lembro de vestir calça jeans até pra ir na esquina por medo de passar perto de bares e ter aqueles olhares nojentos em cima de mim. Horrivel.
    Camila, amei teu post, me identifiquei MUITO até mesmo na escolha da música do final, porque tenho uma amiga que diz que essa é minha música hahahaha, bundudas unidas <3
    hiperboleparticular.blogspot.com.br

    ResponderExcluir