20 e alguns

12.09.2013 -

Tem umas brigas, é claro. O caranguejo às vezes belisca o carneiro, que urra e nem pensa, para apenas quando quase o devora com palavras mortíferas. É o embate do sentimentalismo materno versus a  pressa do verbo existir ao pé da letra. Esses dias, porém, depois de abrir o coração sensível em época pré-menstrual e chorar de cantinho, ouvi minha mãe dizer que a gente - no caso, eu e vocês, também jovens - tem mais é que aproveitar essa fase transitória que é os 20 e poucos anos. O tal período onde é possível e plausível errar, costurar memórias e conseguir rir disso tudo com a sabedoria no colo, no futuro. E que não vale de nada se apressar para estabilizar essa preciosidade tão frágil e que ao mesmo tempo, pode durar cem anos, que vem a se chamar vida. 

(Chorar não adianta, vai voltar que horas? Eu avisava, isso adianta? Compra lá cola bastão pra mim, por favor. Quem é o cara novo? Só o nome, fala só o nome, vai. Ainda pago tuas contas, olha tudo que já fizemos por ti, não tô afim de sair de casa hoje. Acho que tu amadureceu, por que não vai pra terapia também? Esse final de ano vai ser foda. Pelas lembranças, né. Morar sozinha com amigas é uma experiência que acho boa pra ti mais pra frente, por que não volta pra autoescola? Tu com certeza consegue alguém melhor. Tem dinheiro no bar. Tu pagou a porra do plano de saúde?)

A emergência constante, esse defeito ansioso e burro de fábrica que corre uma maratona por dia pelas veias e palpita o centro do corpo em dias ruins quase se alegrou por alguns segundos. Até que a racionalidade gritou mais alto e, inteligente, conseguiu perceber que era exatamente o contrário: há que se ir, mas com destreza e mapa em mãos, deslizando pelas beiradas, até afunilar no que interessa; há que se ter despretensão. Como uma capturadora de bons momentos em ascenção e gari daqueles que não merecem o mínimo espaço no HD interno, a meta é conseguir aproveitar sem culpas de estimação e muletas desnecessárias. Só que com camisinha. E sem virar alcoólatra, por favor, minha filha.

0 Comentários:

Postar um comentário