Um rumo em meio ao caminho

5.22.2013 -

Matheusinho é um dos onze amores que pega flores no caminho pra aula e traz pra "prof." Camila 

É um pouco assustadora essa capacidade da vida de mudar os caminhos ainda no meio, quando a gente acha que já está no topo das certezas pro futuro. E na metade desses roteiros, se descobrir já em outra rota. Há alguns meses, pensava eu estar certa do que queria: viajar. Sair um pouco da pequena cidade grande que é Porto Alegre e ver o mundo. Incerta quanto à faculdade há alguns semestres, achei que esse tempo seria bom pra arejar a cabeça e, quem sabe, me redescobrir. Vi agências, programas, destinos. Tranquei a faculdade. Decidi ir pra Holanda, onde daria pra falar e aprimorar inglês, aprender um pouco de dutch - holandês - e viajar pela Europa de trem nas minhas folgas, já que o programa de au pair parecia o ideal pra mim (morar com família local, cuidar das crianças como uma irmã mais velhas durante algumas horas do dia e estudar no restante). Fechei com a World Study, vim a conhecer a HBN e também cheguei a me inscrever. Fiz aulas de inglês, testes, minha mãe comprou livros, e me faltaria começar um estágio com crianças para comprovar a experiência, uma das exigências da viagem.

   Foi no primeiro dia de experiência com a Educação Infantil da Escola Mãe Admirável que no fim do túnel uma luz começou a pulsar bem forte. Eu, que nunca havia cogitado trabalhar com pedagogia, me vi encantada pela rotina da professora, pelos questionamentos dos pequenos, pela dinâmica agradável e ao mesmo tempo desafiadora que é estar cercada de doze anjinhos sapecas de 4 e 5 anos de idade que me chamam de prof. Camila e dão beijo e abraço assim que chegam na aula. Quando na época de escolher pra que prestaria vestibular, meu encantamento por crianças passou longe das decisões que tomei - um semestre de Direito na FMP, quase metade do curso de Jornalismo na Pucrs e a aprovação para Moda pelo Enem, lá no Paraná. Achava um pouco cafona, preciso admitir. Na jurisprudência não me encontrei, no jornalismo também não. Pensava em Psicologia, Letras, e nunca num curso que me possibilitasse a arte do ensino, o amor que é educar e fazer parte da construção de quem ainda está nesse processo.

   Com o passar dos dias, me encantei. Além de me apegar às crianças, me vi absorvida pelos trabalhinhos em E.V.A, pelas colas e lantejoulas, pelas músicas infantis sempre que precisamos formar fila pra sair com os alunos pela escola. Não tenho medo de mudar de ideia, deixar pra trás uma possibilidade pra ir atrás de um sonho. Poucas coisas são tão gratificantes quanto chegar em casa exausta, mas feliz, tranquila. Algumas pessoas não irão compreender e me acharão uma doida, afinal, ficar um ano viajando pelo continente europeu é tentador, eu sei. Outras irão julgar. Eu espero só que, de coração, quem vê as minhas fotos e das crianças consiga não entender, mas sentir: a minha felicidade. Mais importante que ir sem rumo, é se encontrar.



6 Comentários:

  1. Eu faço ciências contábeis, não gosto de parar às coisas que comecei, quero ir até o fim. Mas com ctz farei pedagogia, não tem nada na vida que às crianças não nós mostra de uma forma diferente esse mundo é mágico demais. Espero que dessa vez vc realmente se encontre e se encante todos os dias com às descobertas que eles te daram.

    ResponderExcluir
  2. As crianças sempre têm muito a nos ensinar, flor. E espero que este rumo a faça muito feliz. Um beijo e todas as boas vibrações pra ti!

    ResponderExcluir
  3. Que lindo , Camila! Eu curso Letras e eu amo muito tudo que esse curso proporciona,mas amo mais ainda a parte editorial.Assumo que por encanto e um pouco de medo de dar aulas, ainda não tive a experiência de fazer um estágio. Fazer Letras não é tanto para trabalhar com crianças,tem essa possibilidade sim. Mas deve ser uma delícia lidar com essas mentes de criança! Conheço outras pessoas que cursam Letras e estão fazendo estágio em colégios de educação infantil e estão amando!

    O importante é ser feliz! haha

    beijos!

    ResponderExcluir
  4. Camila tu é doida!!!
    hahahahaha

    Eu tava lendo esse post e quase choro!
    Meu, num tem sensação mais gratificante do que essa. Acho que agora deu pra você entender um pouco sobre o que é ser professor, pelo o lado bom de tudo isso.
    Sou estudante de pedagogia e adoro meu curso!

    Boa Sorte!

    E espero sinceramente que você seja feliz!


    Cheeeeeeeeiro!

    ResponderExcluir
  5. Sim, vc é doida!
    Só doidas se deixam absorver pelas músicas e pelos trabalhinhos da Edc. Infantil!rs

    Passei 3 longos e lindos anos dentro de um Jardim de infância, e sim, é muito gratificante!
    Cansa, até me estressava... mas é amor, é carinho, é aprendizado, é ternura e é trabalho!

    Amei muito seu textos, me fez lembrar de uma época mt boa na minha vida e me impulsionou muito na carreira que pretendo seguir, a Psicologia!

    Siga sempre sorrindo, Camila!
    Vc tem estrela menina!
    Mil beijos!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir