Só não seja um covarde

1.28.2013 -

Sexta-feira passada, pela segunda vez em dois anos de relacionamento, saí sozinha. Fui a uma balada antiga a que meu pai já foi quando tinha mais ou menos a minha idade com uma amiga. A casa antiga transpirava Madonna, Cindy Lauper, Carmen Miranda. Tinha tudo pra me ter dançando na pista por horas e horas, não fosse a falta de habilidade do ar condicionado em funcionar ativamente. Entre as pessoas que não se deslocaram até a praia e ficaram na cidade para aproveitar o final de semana, assim que entro no segundo salão do primeiro andar, um cara que muito mal me fez no passado acena - o cigarro na mão, um copo de cerveja noutra. (Incrível como a gente, que estremecia, sentia frio na barriga, hoje sente coisa nenhuma frente ao que já nos teve alguma importância. Incrível, apenas).

Quem vê hoje, nem imagina: conversamos como dois amigos. Contei sutilmente a ele, por cima, minha triste história de então. Firme no salto alto, na maquiagem e entre um gole e outro de energético e vodka, ouvi o absurdo que toda mulher acredita que um dia nunca escutará. Em meio aos dramas dessa vida, ele me contou que deixou as duas namoradas, firmes, que dizia amar e ostentava um amor de cinema nas mídias sociais por pura covardia. "Não conseguia acabar, pedia um tempo e ESPERAVA (notem bem: o cara esperava) que elas terminassem comigo". Assim, exatamente assim. Fria feito rocha, só pude dizer que ele era um dos caras mais covardes que eu já conheci. Ou na verdade, era a prova viva de que homens não possuem destreza e capacidade pra terminar relacionamentos. Homens não, perdão: frouxos.

Dei meu discurso de como seria mais fácil, poupável e digno da parte dele se, fosse direto e terminasse com algo como "perdi o tesão", "não te amo mais" ou "quero pegar outras". Tudo, qualquer verdade que assolasse e queimasse na mente das garotas por meses. Mas não o sumiço. Não o stand by de que imaginassem elas que ele andava afim de acabar e que colocassem o ponto final - tudo porque, ele não era homem suficiente pra isso. Lembro quando nosso caso, por fim, terminou. Ele tinha sido um filho da puta desses de marca maior: no dia do meu aniversário, que há uns cinco anos atrás havia caído na páscoa, arrastou outra menina - mais alta, mais nova, morena - pra confraternização de alguns amigos da qual eu era sempre convidada. Vim a saber. Acho que nunca nem ao menos discutimos. Apenas o tirei da minha vida no momento exato em que vim a saber do infortúnio. E cultivei nojo, ódio e raiva do cara por anos à fio. Nunca foi amor - nem da minha parte, muito menos da dele - porém, o carinho pelas conversas animadas que tínhamos eu havia colocado numa gaveta, onde nunca mais fosse possível lembrar de achar; esquecido.

Parei pra pensar nessa porção de cretinices que os caras fazem e a gente nem sabe lidar quando ocorre com a gente. Que pra maioria deles, "um tempo" é só o período em que a garota vai se tocar, seguir a vida e ver que merece viver e não aguardar que as coisas se ajeitem ou que um belo dia ele acorde disposto de novo a fazer com que ela seja a princesinha mais feliz num castelo de areia que nem existe mais. Que enquanto eles podem ter uma garota bacana do lado, se iludem com a vida de solteiro porque ficar tempo demais junto quando se têm vinte e poucos "é perda de tempo" (como se a experiência de estar do lado de alguém e amar fosse reduzida a nada, fosse coisa pouca - tão mais rica em aprendizado e sentido, ao menos pra mim), é preciso aproveitar com muita putaria, merdas em bando e solidão à noite, na hora de dormir, mesmo que seja no duro. Ok se existem mulheres que são difíceis demais de lidar, eu entendo que relações comecem e terminem, se desgastem ao longo dos anos e nem sempre as mudanças conseguem ser efetuadas com maturidade pelos dois lados. Mas não: a covardia eu me recuso a entender. Acho que o cara tem o direito de ser psicótico, mau humorado, preguiçoso, acomodado, qualquer coisa - a gente até entende, não disse que aguenta. Menos a covardia. Sejam qualquer coisa, caras, mas não sejam o idiota que não sabe mais como agir.

Porque mulher, qualquer uma - da vadia que vocês dão uns beijos na noite e às vezes levam pra casa à mocinha que é pra ficar do lado por anos e anos - espera atitude. Sexo feminino não tem capacidade suficiente pra suportar o hardware da indecisão; espera se acha que é sincero, dá tempo ao tempo e à si mesma se isso não vai contra o estancamento da sua própria existência. Não conheço mulher que não procure nos homens de hoje em dia por aí a coragem perante a vida como uma das características principais. E não um bando de rapazinhos que mais parecem garotos mimados com medo de perder o brinquedinho que já não é mais tão atraente assim. Nada pior do que não querer mais também não largar. Enquanto a mulher ainda tem amor, paciência e paixão, é natural que fique cega e com raiva de amigas que tentem abrir os olhos e jogar baldes de água fria tentando alertar que acabou, boa sorte. Porque depois de anos, é só um cara por quem a gente não consegue sentir mais nada, numa balada, nos pedindo desculpas por ter sido tão babaca no passado. É o mínimo que cada uma de nós espera depois de dias de merda, respondi. Satisfeita. A covardia é o veneno de qualquer futura admiração.

7 Comentários:

  1. oi florrr!!!! não consegui ler, lembra um pouco da tragédia que aconteceu na minha cidade, a da boate...
    alias, tem um texto postado no meu sobre o incidente, se quiser ver...

    beijoss!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. https://www.facebook.com/calmilaporcamilapaier

      Excluir
  2. gostei bastante do seu texto,acho q tb vale para as mulheres covardes!!

    ResponderExcluir
  3. Camila, tinha comentado o quanto amei seu post no facebook. Mas aí decidi hoje dar uma excluída do facebook, um tempo nessa vida, sem contar q ele estava me deixando louca. E quanto ao caso do Berger de sex and the city, é verdade, pelo menos ele teve a coragem de terminar por um post it. O que foi diferente no caso do meu ex, que foi a maior facilidade em me pedir em namoro, no entanto, o flagrei me traindo , resolvi não falar um monte na hra, respirar e seguir. Mas depois quis conversar e colocar um ponto final, o mesmo mudou o número do celular, me excluiu do facebook e tudo o mais. Sem contar de outros 3 ou 4 relacionamentos em que o cara simplesmente desaparecia. É realmente uma realidade bem triste.Sinto que aprendi muito. Não vou deixar de ser sincera e transparente em um relacionamento por causa desses gatos pingados. Mas que machuca, machuca. E tb deixa a auto-estima um tanto abalada. : /

    ResponderExcluir
  4. Terminar com alguém não é fácil, só não é preciso ser escroto e estragar todos os momentos bons ou anular aquilo que a gente gostava na pessoa. Mensagens de celular, conversas no msn: inúmeros idiotas já "terminaram" comigo parecendo as pessoas mais infantis da vida. Que se tenha culhão pra assumir, é o mínimo que quem se valoriza espera receber.

    ResponderExcluir
  5. Dá p ficar com raiva, n dá? Muita força, Camila! Faço ideia do quão ruim foi e está sendo!Que custava falar? Para que tanta babaquice?

    ResponderExcluir
  6. Camila, li seu texto novo, e mesmo não sendo homem, me encaixo no perfil - covarde - Fiquei com vergonha quando o li. Algumas vezes, me sinto uma garota mimada. Não consigo "desapegar". Não quero, mas também não deixo ir. E faço isso de forma involuntária. Tenho essa mania estúpida de achar que tenho direito sobre a pessoa. Não tenho coragem de dizer " o tesão acabou" " to afim de outra". Eu sacaneio, traio, e deixo a pessoa se tocar que não a quero e ir embora. Te falei isso tudo, pra que saiba, que tudo que escreve não são palavras ao vento. Sempre leio, mesmo que não comente sempre, e procuro através das suas palavras ( as vezes, é difícil nós mesmos colocarmos pra fora ) fazer uma auto análise e mudar o que for preciso.

    Obrigada. By: @pqppreciosa

    ResponderExcluir