All over

1.22.2013 -


Minha maior lembrança é de um dia, no roteiro entre me pegar em casa para levar até a sua, o ouvir dizer: “Tu não desiste fácil das coisas”. Pensei comigo: não, não deixo de lado aquilo que acredito, é verdade. Por charme, retruquei: “Tu achas?” E ouvi de volta: “Sim, e eu admiro isso”. O problema é quando a gente luta sozinha. Crê demais num amor que se tornou lateral em termos de esperança há meses. Se desdobra em mais de uma versão personalizada para que o barco, já furado, não afunde de vez. Era isso que estava acontecendo. Marinheira aprendiz, deixei de ver com clareza o quão guerreira eu estava sendo pra gladiar por um relacionamento que para mim, era uma das únicas certezas do momento. Do outro lado, volta e meia confusões mentais e crises existenciais eram cobertas por dúvidas quanto a seguir ou não remando na tortuosa maré que é sair de cada crise. Depois de meses de brigas homéricas onde a cada discussão ia-se do céu ao inferno em questão de minutos, acabou. Dispensei a mim mesma antes que afoga-se fundo demais. Nadei até onde pude. O cansaço da alma, além de me deixa ofegante, trouxe fraturas emocionais que levarão tempo e pedirão firme dedicação para que se curem totalmente.

Faz três dias que durmo cerca de quatro horas por noite. Sinto nojo de comida, me alimento o mínimo possível. Vago feito zumbi pelas ruas – só que dessa vez, com o coração flagelado. Como é isso de perder o grande amor assim, sem nojo nem raiva e muito menos despedida decente? E aí é preciso luto, quarentena, distância e sobreviver bem assim (capenga) pra que se passe por isso e seja eu uma pessoa mais forte no futuro. Muito dizem que o primeiro amor a gente ama mais mas que, os que vêm depois, amamos melhor. Enquanto dói, no hoje, ando pelas ruas quase que por obrigação, com os olhos marejados,  óculos escuros, tonta. Gente se aproxima preocupada com meus nervos debilitados - oferecem copos d'água, companhia, um ombro que ainda não é amigo mas sim, solidário. Frequentemente aceito. Sozinha, emburreço e sofro dobrado, a distração passa longe.

Não dava mais, ele disse. Não quero te odiar daqui dois meses, não aguento mais brigar, vou te amar pra sempre, eu vou ser pra sempre teu. Quem acaba bem ouvindo coisas do tipo? Como se coloca um ponto final em cima de um coraçãzinho? Rosé, quase apagado - mas um coraçãzinho. Existe alguém que ame, ame de verdade, e prefira a distância e não pire ao imaginar a vida do outro sem estar presente? Hoje dói, dói e tudo que quero é ficar deitada, olhando pro teto, catatônica por ainda me negar a aceitar que não tem volta. Que somos novos demais para imaginar filhos e falar sobre futuro. Decidido? “Nunca vou saber”. Vai sim, querido. Um dia, sim. Talvez quando eu volte a desfilar a mesma irreverência atualizada de quando nos conhecemos. Desbocada, levemente alcoolizada e sem sentimento algum num coração de pedra que ele conseguiu transformar em algodão doce. E comeu inteirinho ao longo desses meses finais, deixando pra mim migalhas do que ainda existia da paixão bonita que a gente construiu. Faz só três dias mas o medo reina onde eu cultivava campos de esperança - as minhas, as dele, as do futuro. Agora, mais do que nunca, preciso ser a minha própria crença, matéria prima para o aprimoramento individual. A gente esquece mas sempre escolhe o que pode ser.


16 Comentários:

  1. Que lindo, Camila! Tenho vivido cada palavra sua há alguns poucos meses. Dia desses me acometeu a urgência de abandonar a dor da perda e simplesmente deixar ir. Será mesmo que o tempo leva? Acho que não. Um beijo, linda :*

    ResponderExcluir
  2. Tínhamos o coração de "pedra", até que um par de olhos e um sorriso nos encantou e fez com que tudo parecesse melhor e assim, derreteu aquele pobre coração.
    Mas, como nem tudo são flores e parece que nós, temos alguma carga e temos que pagar assim, acabamos por sofrer.
    Já passei por isso, guria e posso te dizer que dói, dói muito. Mas passa e tu podes ter certeza de que voltarás a ser forte!

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto exatamento o que eu estou vivendo a 6 meses.
    Eu sei o quanto dói o quanto nos tornamos fragéis e por mais que tentem nos consolar a dor é absurda parece que não tem fim, não conseguimos controlar as lágrimas, mas passa, pra mim ainda não passou completamente mas estou melhor. beijos

    ResponderExcluir
  4. Camila, esse texto caiu como luva para mim! Tu ta passando por isso a 3 dias? eu estou a 4. Sempre que preciso de palavras sinceras recorro a teu blog e parece que ele foi feito pra mim, isso é curioso, mas é muito bom nesse momento de reflexão e solidão escutar boas palavras. Obrigada, espero que melhores, alias, melhoraremos! Um beijo

    ResponderExcluir
  5. Camila, teu texto está lindo! Já passei por isso, dói bastante, mas passa. Sempre passa! Beijão e te cuida!

    ResponderExcluir
  6. Bom, pelo o que eu passei nos últimos sete meses posso te dizer que sei exatamente o que esta sentindo, que imagino a intensidade da dor, das dúvidas, dos medos e receios.
    Mas tudo passa, é o clichê mais verdadeiro.
    Procure ficar perto das pessoas que gosta, amigas, família, ler, escrever. Ocupar a mente. Porque o coração vai demorar um bom tempo.
    Te desejo toda força do mundo e qualquer coisa me chama no face.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Camila, querida!

    Sei o quanto tu está sofrendo, já passei por isso. Chorei o luto, mas um dia acordei, como disseram antes, com o sentimento de apenas deixar passar. Claro que dói, porque não é fácil abandonar tudo simplesmente. Mas com o tempo, vai passando. O melhor que tu tens a fazer agora é evitar ao máximo pensar nisso, sair com tuas amigas (não me refiro a festas, mas uma noite em casa, vendo filme - não de romance, claro!; comendo sorvete e brigadeiro, jogando conversa fora)

    Espero, de coração, que tu fique bem logo, e te desejo muita força.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. E mesmo com algo tão delicado assim, com essa dor que deve ser tão chatinha, você consegue escrever de modo tão lindo!
    Espero que passe, e que de tudo a gente pode tirar uma lição né?Que você saiba aproveitar o momento para filtrar coisas boas,pensar no futuro, deixar a dor ir embora aos pouquinhos pra ficar tudo bem!

    Grande beijo, e força!

    ResponderExcluir
  9. Camila, fazia tempos que não entrava aqui para ler teus textoss. Hoje consegui um tempinho, e posso dizer que apesar de triste, tua maneira de escrever continua bela. Sinto muito pelo que aconteceu, e desejo de coração melhoras. Daqui um tempo, talvez, tudo isso faça sentido. Força! Beijoss!!

    PS: não consegui comentar com o loggin do face :( erro só comigo??

    ResponderExcluir
  10. Não acredito. :(
    Olha, todo mundo vai te falar que "vai passar", mas sei que no fundo todo mundo sabe a intensidade da dor que te assola, desde três dias atrás.
    Vai doer muito ainda. Você vai chorar muito ainda. E vai desejar o coração de pedra de volta mais que o ar que respira.
    Vai doer. Você vai se lembrar e vai sentir saudade de quando ainda era bom, de quando não havia brigas.

    Mas, depois você ressurge, mais madura e vivida. Não sei quando acontecerá, mas sei que tua força te ajudará.

    Amor é complicado. E remar um barco em meio a tempestades sozinho, não é tarefa fácil. Você é forte e vai superar mais essa.

    Eu sei que você sabe o tamanho do meu carinho por você, então, se precisar de um 'ombro-amigo-mineiro', só gritar. ;)

    Se cuida com carinho.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Difícil. A pouca idade, a maré brava. Eu sinto muito, mas conselhos são dispensáveis nessas horas. Ainda assim, os parabéns pela maestria em fazer leitores entrarem em luto pelo amor. Você escreve diferente, ainda não achei o adjetivo que eu preciso para definir, você cria necessidade de ler.

    ResponderExcluir
  12. mto bonito o texto flor!!! no meu tbm tem um texto hoje, sobre a CALMA!!!
    se quiser dar uma olhada???

    www.nerdicesdeluxo.blogspot.com.br

    beijoss!!!! estou seguindo!!!

    ResponderExcluir
  13. Lindona, os fins chegam, infelizmente. Apesar disso, não sou tão definitiva assim e acredito que o tempo e o sentimento possam dar seu jeitinho.
    Já sofri assim várias vezes, já me despedacei, não quis mais viver, chorei chorei, doeu demais. E dói mesmo. Porque ser corajoso e sair com o peito pra amar é complicado. Porque a divergência do nosso querer com o querer do outro sabe machucar. Eu sempre te desejei sorte, e hoje te desejo força. É difícil, passa, mas requer tempo e doses cavalares de amor próprio e a cia de quem nos quer bem. Passa pelo teu luto, tu é forte, tu é linda, tu é tudo de bom. Se precisar de alguma coisa, me chama, chama mesmo. Beijão e fica bem
    ps: o texto tá lindo, incrível de um jeito que só tu sabe escrever :)

    ResponderExcluir
  14. Que triste, Camila! :'(
    Força, força, força!

    ResponderExcluir