Gatomania

7.13.2012 -

Primeiro, conversei com mais gente para ver se a louca era eu. Tá sentindo no ar essa modinha dos gatos? Alou, tá vendo também gente chamar esse bicho independente de FILHO? Ah, deus. Me falta saco pra aguentar essas crias que possuem felinos mas, pelo visto, tratam, treinam, mimam, alimentam, fotografam, VESTEM e passeiam (sim, pessoal, sim), com seus gatinhos. Só fica mais difícil ainda ouvir sem raiva o clubinho do "detesto gatos" que, quando você questiona "MAS POR QUE?" não sabe nunca o que responder. Saco saco saco.

Vejam vocês: não, não sou uma pessoa fria, sem coração e que detesta animaizinhos. Não, e não. Tenho e já tive tudo quanto é bicho possível. Aliás, tenho dois GA-TOS também, sabiam? Sim, tenho no meu coração, pois já morei com os dois, que hoje vivem com a minha avó - fazem muito bem pra ela, já velhinha e um tanto quanto solitária nessa vida já cheia de sabedoria. Um deles, ficou comigo por muito tempo e já está na capa da gaita, como dizemos aqui no Sul. Visito ela, e visito eles de vez em quando. Como eram "meus", continuam sendo: na estimação e no carinho, mesmo que agora, esporádico. Então, não leiam esse texto com ódio de mim. Até porque, minha raiva fica cercada na turminha do exagero e do mimimi tão mas tão "fofis" que daí, nasce.

Sim, adotem seus quadrúpedes de pelo macio e olhos gateados, pequeninos e tão frágeis ou mesmo adultos charmosérrimos, acrobatas. Sempre preferi gatos a cães, por exemplo. E justamente por poder deixar um animal livre pela minha casa, quieto na sua independência (porque essa É uma característica dos gatos), ronronando de barriga pra cima enquanto eu assisto televisão e está frio e fazendo companhia - mas só de vez em quando. Porque é da natureza da espécie o comportamento individual, poxa.

Tentem entender: sim, gostem dos seus gatos (e muito), se afaguem neles de vez em quando, brinquem quando eles desejarem. A intenção não é julgar ninguém, por mais que pareça. Só que me irrita. Gatos não foram feitos para passear em pracinhas, parques e avenidas. Nem pra servir no espaço que uma criança deveria escutar a palavra "filho" da boca com dentes, gengiva e terminações nervosas de um ser que é humano. Gatos arranham, dormem (e muito) no sol, adoram receber comida e detestam expectadores com cara fofinha assistindo a seus momentos de privacidade. Detestam roupinhas. Correm pelos corredores, acham esconderijos inimagináveis, tudo porque não são companheiros, atenciosos e inseparáveis cachorros. Gatos são gatos e quase não curtem fotos, não. Saem da zona de melosidade quando bem entendem, não respondem logo que chamamos, pulam de mesas para sofás e das poltronas para os móveis. Porque o instinto é selvagem, embora o conforto seja viver num apartamento quentinho numa época dessas do ano.

A gatomania se alastra, eu sei, e as pesquisas comprovam: é o olhar colorido e puxadinho, a macieza do pelo, os miados agudos, as unhas que na verdade são quase garras, e pronto, dá vontade de ter um desses em casa. Assim como aquela cama confortável, uma mesa de sinuca, aquele sofá dos sonhos, uma peça de roupa qualquer. Animais precisam de amor, cuidado e carinho. Gatos, de nem tanto desse último ingrediente, ariscos e por si só que são. Me queiram queimada numa fogueira, eu deixo, mas essa é minha opinião sobre essa minoria que adota ou adquire um animal apenas para posar nas redes sociais ou achar que tem algum assunto quando uma minoria - menor ainda - não está interessada, não. 


E aliás: Petit, um dos meus gatos, é preto e hoje é sexta-feira 13. Ainda bem que está são, seguro, saudável e a salvo no 24º andar. Sem coleira, nem roupinha, nem chupeta, ou milhões de fotos para virar álbum no meu Facebook, com o título de "bebê da mãe" ou qualquer cafonice no gênero. Preservo a nossa intimidade e a alegria de quem tem dentinhos minúsculos e morde o meu dedo indicador. Amor exposto não quer dizer amor feliz, lembrai-vos.

9 Comentários:

  1. né só de gato não. cachorro também. tenho gato e não tenho album em facebook, nem roupa, nem chupeta, como tu disse ai... povo exagera...

    ResponderExcluir
  2. É verdade Camila. Isso é um saco. E vale tanto pra gato como pra cachorro. Tanta gente que faz isso só pra aparecer e não tem o mínimo de amor e zelo pelos bichos. Isso irrita. Eu gosto de gatos, já convivi com um, na casa da vó, por muito tempo. Meu único problema é a tal da alergia. Mas nem por isso eu digo que os odeio. Assim como pessoas, cada bichinho tem sua particularidade. Amem ou odeiem: guardem isso pra vocês. haha

    ResponderExcluir
  3. "Amor exposto não quer dizer amor feliz", perfeito. Detesto o meio termo, mas quando o assunto é gatos, posso dizer que sou indiferente, não é o tipo de animal que me chama muito atenção, é como se eles fossem parte da paisagem e nada mais. Acho ridículo ter animais para aparecer, e muito mais ridículo fingir que um animal é gente, animal não é gente! Tenho dois coelhos na horta aqui de casa, mas não os coloco dormindo na minha cama, não os tiro da vidinha deles, não os incomodo. Apesar de gostarmos dos animais, temos que ter desconfiometro, um cavalo odeia quando alguém passa a mão na cara dele por exemplo. Ótimo texto Camila! Beijos

    ResponderExcluir
  4. Bá, muito real! Se alastrou pelas redes sociais essa 'gatomania' e eu que sempre preferi cachorro(s) - mas nem por isso faço books ou afins do meu ou semelhantes, enfim -, obviamente acho desnecessário. Bela observação, Camila. É isso aí mesmo!

    ResponderExcluir
  5. Que tal ganhar uma viagem pra Nova York e acompanhar de pertinho a New York Fashion Week? http://donacarla.blogspot.com.br/2012/07/quer-ganhar-uma-viagem-pra-ny.html

    ResponderExcluir
  6. Concordo com cada palavra! Como disseram ali em cima, vale para cachorros também. Sempre preferi cachorros a gatos (apesar de achar os bichanos bonitos, nunca tive paciência pra cuidar de um), mas acho estúpido demais quem chama o animal de “filho”. Já tive um cachorro (que hoje está com meus pais), dois peixes e atualmente tenho um hamster e outro cachorro, mas respeito a privacidade deles. Sempre fui contra roupinhas e muitos mimimis; carinho e dedicação é importante, mas em excesso e principalmente se for pra se mostrar em redes sociais, faz muito mal.

    ResponderExcluir
  7. Prefiro cães, e não sou fã de gatos, o inverso de você. Mas numa coisa concordo: BICHO DE ESTIMAÇÃO NÃO É FILHO, e dizer isso não quer dizer que você ame menos seu animal que aquele que se intitulam "pais" do pobre ser.

    ResponderExcluir
  8. Realmente irrita.Virou modinha.Eca.

    ResponderExcluir