Me escreve qualquer dia desses também

6.24.2012 -

Há pessoas que confiem nas fotografias como símbolo de  memórias salvas para a posteridade. Outras apaixonadas por vídeo e o movimento de se filmar algo em que já se colocou o olho anteriormente, desde momentos marcante a uma manhã inútil e sem data a se lembrar num desses domingos meio gelados, como hoje. Minha paixão é pelo texto. Represento os malucos por bilhetinhos, frases salvas, escritos apressados, cartinhas surpresas e coisas do tipo. É esse o meu recado pra que eu guarde além de lembranças, mais letra e papel daqueles que entopem meu coraçãozinho de um pouco do bom dessa vida.

Me escrevam qualquer dia também, eu peço. Pra que eu deixe numa caixinha dessas cheias de papel de carta, correspondência e fotos antigas. É o desejo mais profundo: larguem na minha bolsa, dentro da mala, no bolso do casaco, ou mesmo em mãos - a emoção de ouvir um "lê quando chegar em casa" quase foge de explicações verossímeis - misto de inquietação com curiosidade, e um quê de adrenalina por apenas até então imaginar o conteúdo em letra script, garrafal, emendada, tremida, lacrimejada, apressada - contudo, solidificado na assinatura de quem descreveu alguns sentimentos, rememorou histórias ou confessou aquilo que ao vivo seria impossível.

Pode ser postal, em folha de caderno, até mesma escrita por máquina tipo Olivetti ou no computador. O que conta é a disposição em fazer parte do meu baú de retalhos do que já se passou. Pelo correio, debaixo da porta, após uma crise ou em formato de dedicatória de livro (aceito, não nego). Se for tamanha a dificuldade, que se comece com um bilhete curto, pedaço de música, palavras desconexas, trechos de boa literatura. Escritas no horário de almoço, ou acompanhada de um saboroso café, na mais completa companhia de uma solidão que coloca na força da mão que imprime na celulose aquilo que merece ser dito, porque é de atitudes pequenas, detalhes ínfimos e delicadezas do tipo que o amor se suplementa.

Me escreve qualquer dia desses também, vai. Pra aumentar a minha coleção daquilo que eu mereço mostrar pra filhos, netos, imprensa, meus medos infantis e desconfianças quase sempre paranoicas, de tão infundadas. Ajuda na fuga pra um espaço onde dê pra se lembrar sem cair no clichê de salvar em pen drive e HD o que merece, antes de qualquer coisa, espaço especial na nossa nem sempre bem treinada memória, berço de uma velhice louvável. Contribui para o clarão de felicidade ao reviver, mesmo que em pensamento, aquilo que um dia brilhou de maneira tão forte e que sempre quando aberto o envelope é capaz de dar estalinhos de luz, sorrisos de reconhecimento e peito feliz sempre que os olhos passarem a grafia única e borrada, meio torta, de forma e bonita porque sentimental é aquilo que corre no sangue: da simplicidade de uma carta de amor (ou não), se alimentam sonhos, uma cidade, a fome da gente - inesquecíveis reciprocidades.


12 Comentários:

  1. Sou apaixonada pela escrita e por tudo que ela pode transmitir, o quanto nos tornamos corajosos ao escrever! Amo receber cartas, bilhetes e , principalmente, algum recado no final de um encontro ( de amigos ou amor ) escrito em um guardanapo - talvez por ter esta mania, num sei, mas amo! -. E sou apaixonada por quanto a leitura de um texto bem escrito faz bem , assim como o seu! Já disse inúmeras vezes e repito: Tu me surpreende sempre da melhor maneira, e não consigo não ser tua fã.

    ResponderExcluir
  2. Ia lendo cada palavrinha desse post, e pensando em abrir minhas caixas que tão ali no cantinho guardada só de ler aqui, já abri alguns sorrisos ao lembrar de alguns dos bilhetes. E claro, sem deixar de me abater por ter devolvido algumas cartas, que hoje vejo que poderiam me fazer abrir um sorriso.
    Me identifiquei bastante com o texto guria, parabéns viu? Ainda tenho muito o que ler por aqui, ainda tô em falta, não pense que esqueci do blog não viu? Em breve volto a ser mais frequente aqui, e fico feliz de ver tantos textos novos, abordando diferentes assuntos! Beijão e parabéns

    ResponderExcluir
  3. Nada melhor do que olhar a caixinha cheia de recordações em momentos de saudade. Também adoro cartas e bilhetinhos, sejam eles em folhas de caderno ou guardanapos de bar.
    Ah! Lembra quando tu enviou cartas com um texto e um recadinho para as leitoras? Saiba que a minha está guardadinha em meu bauzinho hahah :)

    ResponderExcluir
  4. Coisa liiiiiiinda de texto!
    Que saudade eu estava daqui!

    ResponderExcluir
  5. Sou completamente apaixonada pela escrita e tenho certeza que as palavras podem sim, mudar muitas coisas (ou tudo, quem sabe?). Tenho uma caixinha onde guardo todas essas pequenas frases ou longos textos.
    Amo receber bilhetinhos, cartinhas, versinhos ou seja lá o que for. O melhor é aquela sensação ao pegar algum tempinho - ou anos - depois, reler e sentir todas as sensações, como se fosse a primeira vista que estivesse lendo!

    ResponderExcluir
  6. Coisa linda!
    Muita verdade Camila!
    E adoro coisas escritas desde msg no facebook, passando por sms até chegar em bilhetinhos ou até mesmo cartas!
    Brinco dizendo que o bom de se receber flores, é que elas (na maioria das vezes) vem acompanhadas de bilhetes e cartas. Mas, em alguns dias vão murchar e sim, irão para o lixo(eu sempre guardo uma pétala em um livro, quem nunca?!rs).. e o que mais vai ficar? Ele o lindo bilhetinho, com palavras que ele pensou e esboçou ali diretamente para mim! Quer coisa mais linda!?
    Por isso, amei o texto! Muito amor!
    Beijo guria!

    ResponderExcluir
  7. é muito bom meesmo! tenho bilhete até em papel de bis.. volta e meia abro minha caixinha pra recordar de algumas coisas! muito bom o texto, Camila! beijão

    ResponderExcluir
  8. Ai Camila!Que texto lindo!Bilhetinhos, trechos de músicas...qualquer palavrinha rabiscada em guardanapo..Como me gusta!!!Eu sou aquele que escreve carta para os amigos em dia de aniversário, momentos marcantes, um trecho de música no caderno da amiga p dar um up...AMO!!Tão bom saber que ainda existe esse tipo de carinho.MAs é engraçado que os meus amigos e aqueles que costumam receber cartinhas não costumam escrever algo p mim!hahaha, acho que ele pensam que eu só gosto de escrever e presentear; vou avisá-lo que gosto muito mais de receber!
    Eu lembro quando você nos enviou um texto favorito e autografou!AMEI, é
    um gesto muito carinhoso- eu respondi e tudo, mas acho que n recebeu :(!Não há sms, fb ou email que chegue lá!
    Beijos!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Ah, Camila!
    Me inclui nessa turma!
    Adoro demais bilhetes, cartas, papelzinhos deixados por ai...
    Estou esperando chegar teu livro, pra poder te responder! haha
    Beijão!

    ResponderExcluir
  10. Representou muito bem nós, amantes de delicadezas escritas a mão por pessoas que amamos ou queremos bem, transpassadas em papeizinhos, que desejamos guardar para a eternidade. Parabéns.

    ResponderExcluir
  11. Entre muitos de seus textos, esse foi um dos que mais gostei. Me identifiquei de uma forma única e verdadeira ♥

    ResponderExcluir