Doa-se intensidade (nesse guichê)

6.10.2012 -

Primeiro, que dói mesmo - em mim, quem convive, quem é diferente, naqueles que não sentem a fundo e no mesmo pique elétrico. Segundo, que por aqui anda transbordando (e que preencha essa minha sobra a vida daqueles regrados, céticos, frívolos ou racionais que precisam de uma pitada de emoção pra colorir os traços do dia-a-dia.

Choro sempre, desde uma inexistência de motivos que me façam sentir um vazio ilusório, até com propaganda de dia das mães. É sentar, e pensar, pra então sentir e se ver emocionada ou porque o momento é lindo e meus olhos enchem d'água, ou as ligações mentais me fazem ver o lado nem tão bonito assim, e dão o start num pranto que soluça, para, volta e sofrega de novo. Travesseiro úmido, roupa também, rosto inchado e uma dor de cabeça do cão que só passa se remediada. Ou seja: choro muito, penso pouco, sinto como se tudo transbordasse. É assim, sem farsas nem travas - eu permito mesmo parecer frágil de vez em quando, pena que por esses dias tem me acometido com frequência.

Uma ofensa banalizar a minha tristeza. Recorrente, sim, mas nem por isso também menos dolorosa (ou valorosa, enfim). É tudo tão quente que no calor do momento às vezes a dor, a grosseria, ou a indiferença recebem em troco um choro quase infantil. A vida anda difícil, e o povo sabe. Eu só queria um abraço pra desacelerar essa loucura que é a mente maquinando a mil pelo Brasil, o coração tum tum tum tum - quase virando do avesso - a água salgado que cai dos olhos, e cai e pinga por tudo (e não me faz mais menina e menos mulher, como alguns dizem e muitos outros pensam: faz de mim humaníssima. pessoa em estado puro, à flor da pele que fica quase rosa, tanto que se lava).

Sinto muito, mas eu choro. Porque se intensa é assim mesmo: só quem é também reconhece de longe a importância de cada momento como se fosse o último. O ódio de hoje à noite, que adormece febrio para na manhã seguinte acordar cheinho do mesmo amor de antes. Viver de momentos. Segmentar a vida em horas ruins, tardes maravilhosas, noites inesquecíveis (outras nem tanto). Seria bom se esse negócio de guardar mágoa, rancor ou prologar as pazes feitas fosse esquecidos dos mecanismos da mente de todos. Passassem então a sobreviver no now or never, no love ou leave pra sentir como é querer muito e querer agora, pra daqui a pouco se aquietar, numa autonálise das cabreiras ou embravecer com ação fora do roteiro que invade a tela da vida da gente.

Poderia ser tão mais simples se aceitassem a troca de um pouco de razão por um punhado cintilante daquilo que pulsa as veias e intensifica os dias, dá vazão ao sentimento e faz dos atos nobreza, de um abraço apertado o final da choradeira toda, de elogios, um refúgio contra crises e pormenores que a gente aumenta de dimensão, dos relacionamentos, preciosidade: o amor é mesmo o objetivo da vida. Da forma que for, do jeito que existir, entre quem florescer. Doa-se um pouco dessa intensidade, porque antes de querer enfeitar a vida, é preciso sobreviver. Ou endurecer.

19 Comentários:

  1. Como não comentar? COMO me diz? Camila sabes que sou tua fã incontestável guria. O texto ficou simplesmente impecável, fez muito mais sentido pra mim ainda por causa do momento que vivo. Enfim, não para Camila, seu talento é notável. E sempre que venho por aqui meu coraçãozinho se senti confortado por encontrar várias vezes nos seus textos um amparo. E pensar: Existe quem pensa da mesma forma que eu, que viva ( ou não ) os mesmos problemas. É ótimo encontrar aqui palavras tuas que me fazem companhia na dor. Ou refletir sobre algo. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. "Porque se intensa é assim mesmo: só quem é também reconhece de longe a importância de cada momento como se fosse o último."

    Camila, me senti desabafando com uma amiga!
    Me encaixo no hall das "intensas" e que doam isso!
    Pq só entende quem é!
    Vc, como sempre: divina, doce e direta... Tratou dos detalhes com aquela delicadeza e intensidade... e estou aqui a refletir e me sentir exposta no texto!
    Belo! Amei!
    Mil beijos guria!

    ResponderExcluir
  3. Em época de TPM e depois de mais uma noite naquelas que antes de dormir, a cabeça para e o choro inicia sem motivo (ou não) ou por motivos bobos que ficaram gigantes, muito bom ler esse texto!

    Parabéns mais uma vez Camila! Pelos textos e a coragem de expor tanto a sua personalidade e sentimentos.. go on girl

    ResponderExcluir
  4. Sempre gosto dos seus textos. E com isso não seria diferente.Entendo toda essa necessidade de ser intensa e de receber em troca na mesma dose. Sou assim. Talvez seja coisa de ariana. Não sei. Mas, confesso, que depois de tanto esperar que não me julgassem por me doar por inteiro e que não fizessem descaso com essa gana por tudo em doses maiores que meio copo de vodka, eu simplesmente apaziguei a "fera" dentro de mim. Vivo mais em paz comigo mesma.

    ResponderExcluir
  5. "Doa-se um pouco dessa intensidade, porque antes de querer enfeitar a vida, é preciso sobreviver. Ou endurecer."


    Muito eu! Adoro seus textos :)

    ResponderExcluir
  6. ''Sinto muito, mas eu choro. Porque se intensa é assim mesmo: só quem é também reconhece de longe a importância de cada momento como se fosse o último.''

    Ai amiga, why so iguais? Sei lá, já te disse... um tem que ficar rica, feliz, magra, etc. Que a maré boa vai pra outra tb!
    hahahaha

    LOVE!

    ResponderExcluir
  7. ''Sinto muito, mas eu choro. Porque se intensa é assim mesmo: só quem é também reconhece de longe a importância de cada momento como se fosse o último.''

    AMEI !!!!

    Tudo o que sinto no momento . . . .

    ResponderExcluir
  8. bem vinda ao clube das choronas, Camila.

    ResponderExcluir
  9. fantástico como sempre, guria :D

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Nossa, eu achava que era a única a ser assim, juro! Eu sou muito chorona, por qualquer besteirinha irrelevante eu to lá me magoando, chorando, dramatizando.

    Parabéns por ter me descrevido em cada parte desse texto, continue assim que nós leitoras só iremos te admirar mais e mais! Beijinhos. =)

    ResponderExcluir
  12. E é isso... Chorar faz muito bem, mas acho que às vezes a gente chora por tantas besteiras. Eu não gosto de sofrer por quem simplesmente despreza os meus sentimentos, finge que não me conhece ou simplesmente me ignora.

    Tudo tem um porque nessa vida e se algo "acabou" e ainda não foi esclarecido é porque ainda não acabou, sempre digo isso pra mim em momentos tensos da minha vida.

    O que eu escrevi não tem nada a ver com o texto, mas sei lá, deu vontade de escrever depois que eu li o teu texto. :-)

    Lindo texto, Camila.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  13. "Ou seja: choro muito, penso pouco, sinto como se tudo transbordasse. É assim, sem farsas nem travas - eu permito mesmo parecer frágil de vez em quando, pena que por esses dias tem me acometido com frequência."
    Olha a senhorita aí, mais uma vez, me descrevendo.
    Sou chorona assumida. Choro por tudo, tudo mesmo!
    Adorei o texto, parabéns guria!

    ResponderExcluir
  14. Camila querida!
    Preciso falar? Vi Ana em cada letrinha aí em cima escrita! Cada uma!
    É um oceano de sentimentalismo que corre nas veias, uma emoção a flor da pele, que anda chorando até com comercial de margarina!
    Intensidade aguçada, pronta pra transbordar e Voilá, salve-se quem puder! hehe

    Ficou divino este texto!
    Me vi nele todinho!

    Sumi por uns dias, mas é culpa da dona arquitetura que anda tomando meu tempo. rs
    Uns beijos macios!

    ResponderExcluir
  15. Sou apaixonada por tudo que você escreve, me identifico em cada linha!

    ResponderExcluir
  16. Me identifico tb a cada linha escrita. Parece que cada paragrafo me mostra mais aquilo que eu sinto, que eu sou... é perfeito se sentir assim. Parabéns Camila, arrasou ; )

    ResponderExcluir
  17. A coisa que mais me agrada ao ler teus textos é me sentir como se tu tivesses visto lá dentro de mim, o fundo, que as vezes eu mesma recuso a ver por medo do que acharei. Adorei!

    ResponderExcluir
  18. Linda, sei beeeem como é. Minha vida é tão corrida que nem tempo pra ser intensa sobra, então quando me bate os momentos deprês, vem com tudo. É foda sim, essa gente que não entende que não é coisa de menina e tampouco frescura e sim a nossa dorzinha que por mais miúda, nos ataca com força total. Doa-se intensidade aqui também. beijoca

    ResponderExcluir
  19. Parabéns Camila! Ótimo texto :)

    ResponderExcluir