Ao não namorado

6.13.2012 -


Nunca tive um namorado.

Nenhum. Ninguém.

Não uni as escovas.

Não juntei tão pouco os trapos.

Não fiz bolo com a irmã caçula.

Não almocei com sogra alguma.

Não preparei jantar à luz de velas.

Não discuti por qual filme assistir.

Não precisei usar do artícios langerie.

Não quebrei pratos em meio à brigas.

Não comprei presente para o dia doze.

Não fui ao jogo de futebol com o cunhado.

Não tive um surto ao ver o celular bloqueado.

Não ganhei rosas vermelhas de um pretendente.

Não fiquei com o perfume dele na manhã seguinte.

Não tive que escolher em que restaurante seria romântico ir.

Não tive nenhum faniquito por causa de outra interessada.

Não fiz alguém de posse, nem fiz contra ele reza braba.

Não dormi sozinha só porque alguém desmarcou.

Não chorei de raiva porque ele não ligou

Não amarrei o bode em toco algum.

Não escolhi entre que alianças usar.

Não recebi serenata na beira do mar.

Não disse que sim, e me arrependi

Não jurei nada para qualquer um ouvir.

Não aceitei alguém de meu juiz.

Nunca tive nada disso.

Nem tão pouco fui solitária.

Como também não sou infeliz!

Não procuro aqui consolo.

Não quero companhia.

Não desejo ser perturbada

Nem quero viver uma falsa alegria.

Na pele eu trago um machucado.

Na verdade é uma cicatriz.

Não é de amor, pois eu mesma que fiz.

Não escolhi outro destino para essa vida.

Pois com essas experiências,

Quem sabe o que eu seria?.

Meu carma me acompanha desde sempre

Lado a lado.

E só ele sabe o que pra mim está reservado.

(Autoria de: Mei, a antiga amiga que postava aqui no blog em algumas terças-feiras. Ou pra deixar claro, o poema não é meu, mas acho que pode fazer muitas de vocês se identificar! Beijocas)


10 Comentários:

  1. Adorei, me vi inteiro no meio de cada verso.

    ResponderExcluir
  2. Que nem o Herbet ai em cima! me vi no meio de cada verso
    ''
    Não fiz bolo com a irmã caçula.

    Não almocei com sogra alguma.

    Não preparei jantar à luz de velas.

    Não discuti por qual filme assistir.

    Não precisei usar do artícios langerie.

    Não quebrei pratos em meio à brigas.

    Não comprei presente para o dia doze.

    Não fui ao jogo de futebol com o cunhado.

    Não tive um surto ao ver o celular bloqueado.''

    http://blogadoravelparanoia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Lindas palavras. Me identifiquei e muito! hahaha
    Gosto dos textos da Mei. Acho que seria legal se ela voltasse a postar por aqui. :)

    ResponderExcluir
  4. Maravilhoso texto. Amei e me identifiquei! Bjs

    ResponderExcluir
  5. Bem-escrito. Achei tolinho, mas cada um que fique aonde pertence. Nunca passei por boa parte dessas descrições e tenho alguém aqui comigo, há teeempos, e sou bem feliz com isso. Sem falar que "juiz" se tem de todo tipo, e em todo lugar. Ainda assim, repito: achei bem-escrito. : )

    ResponderExcluir
  6. O futuro a Deus pertence, mas somos nós quem o fazemos. Decidi esperar o momento certo, até que a pessoa certa veio. Valeu muito à pena! Abraços!

    ResponderExcluir
  7. É claro que a gente não precisa de ninguém pra ser feliz, mas tenho certeza que todo muno que escolheu viver sozinho sente falta de tudo o que foi descrito no texto, sei disso porque eu sinto falta.

    O texto não é tolo, ao contrário, criativo!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  8. Oi meninas! obrigada por todos os comentários. Tolinho ou não, fiz de coração aberto!

    beijos
    Meiri

    ResponderExcluir