Quem não quiser mais, que deixe: em paz

5.28.2012 -

Uma amiga, quando se sente insegura dentro do próprio relacionamento costuma fazer uma mesma pergunta pra mim, sempre que o barco balança: e se ele não quiser mais saber de mim? Aí, colega, eis que a vida vai continuar, trato de dizer. Segundas-feiras continuarão sendo massantes, por mais que a gente não saia da cama. Pragas de mãe continuarão a ser nossa mais temida assombração, assim como o "eu te avisei" que vem sempre depois e as contas logo que um novo mês se inicia. Os ciclos do amor vão continuar, e convenhamos: se o cara desistiu assim tão fácil no menor sinal de turbulência, talvez fosse um babaca, certo? E se caiu fora mesmo de vez, que cedo se vá.

Livres de sermos deixamos a sós não estamos nenhum de nós, que respeitam um amor ainda em formação ou zelam pelo compromisso firmado. Ele pode se apaixonar na fila do pão hoje mesmo e querer fugir pra Boston, pode mesmo. Assim como você tem alguma mínima chance de esbarrar sem querer no amor da sua vida, na razão da sua existência, ou numa tórrida paixão que a deixe cega, mas enfim, iluda. Meu pai pode deixar minha mãe, sem eira nem beira, nem motivo plausível? Lógico que pode. Angelina Jolie pode seduzir o marido de outra bela atriz e desejar mais do que nunca começar de novo, assim como Brad tem o direito de querer um descanso, uma paz, solteirice ou se apaixonar sem querer, na inconsequência de cometer duas vezes o mesmo "erro". Dizemos sim, usamos alianças douradas, andamos de mãos dadas, mas a loucura humana de alguns segundos é tão sensitiva que foge de explicações plausíveis.

Digo sempre que, sim, ele pode te deixar. Nada impede de uma ligação que toque não somente o telefone mais a mais temível das frases como "andei pensando, e é melhor cada um seguir a sua vida". Nadinha. Ou mensagem. Encontro que começa com "precisamos conversar" e acaba com cada um indo no lado oposto, coração em frangalhos, a dúvida de não saber o que é realmente certo, algumas ou muitas lágrimas pelo aborto indesejado daquilo pra que se tinha tantos planos, uma poupança de sentimento e amor, amor e tanto. Estar preparada é a melhor opção, aconselho. O medo bate na porta de vez em quando apenas pra que a gente não se esqueça da condição vulnerável de todos nós.

Muitos planos na cabeça, felicidade profissional, alguns amigos pra se contar e a família por perto como bálsamo e dosagens de equilíbrio; bom senso e uma racionalização que a gente deixa voar sempre que os pés pedem deixar o chão nessas de se ter o peito preenchido, praticamente tatuado por quem a gente acha que é da gente. Não é. Faz bem de vez em quando esses sustos do amor pra não cair na rotina nem considerar garantido aquilo que pulsa e oscila conforme o momento. Quem não quiser saber mais que nos deixe em paz, oras!


19 Comentários:

  1. O título diz tudo, já. Se não quer, deixa logo o caminho livre e em paz. Adorei! Escreve muito, sempre. Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruna, saudades tuas aqui! Que bom que curtiu o texto. Coisa fácil de ser lida, mas complicadíssima de ser compreendida. Difícil, né? Um beijo pra ti!

      Excluir
  2. É de costume entrar aqui todos os dias e ler seus textos. Cada um mais lindo do que o outro, sempre. Nunca chequei a comentar nenhum deles, mas hoje, justo hoje, me vi em cada linha descrita ai.
    Acabei de terminar meu relacionamento (ontem) e estou aqui praticamente sem chão.
    É difícil de encarar os fatos, por mais simples que sejam todas essas "teorias" do tipo: bola pra frente, ele não te merece, ou algo do tipo.
    No final, ninguém nunca está realmente preparado.

    "Muitos planos na cabeça, felicidade profissional, alguns amigos pra se contar e a família por perto como bálsamo e dosagens de equilíbrio." <- É disso que preciso.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade: a gente tenta se preparar, mas como? Falar essas coisas pra si mesmo pode ajudar, mas não promete milagre e complica, eu sei (bem). Relacionamentos são complicados, as pessoas andas confusas num mundo acelerado, promíscuo, desconcertador. Mas guria: força pra ti. Se precisar desabafar, de um colo, de um pedacinho de chão, aqui estamos. Obrigada pelo carinho, beijocas e um abração!

      Excluir
  3. Caramba, Camila.. escreveu esse texto pra mim?! kkk
    Obrigada por dizer tudo o que sinto. Passo por situação complicada no meu relacionamento, está num quase término e, apesar de gostar muito (mas, muito mesmo) dele, caso venha a ter fim, a vida continua. Enfim, mais uma vez, obrigada por fazer um belíssimo texto e fazer com que eu me encontre, neste caso, no texto todo. Parabéns, e que continue assim! *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida continuar sem a gente saber exatamente como acho que é a parte mais dolorosa, sabe. Fica tão difícil. Sei lá, acho que caso meu relacionamento termine, eu teria que me mudar pra longe pra conseguir viver bem por um tempo. O primeiro corte é sempre o mais difícil, não é o que dizem? Sorte pra ti, felicidade no caminho e obrigada, lindona! Beijocas!

      Excluir
  4. Tanta gente se identificando e eu, apenas mais uma nesse meio. É difícil realmente esse término, mas o teu texto diz somente a verdade. Ninguém nos pertence, por mais que nos enganemos com tais pensamentos. És um talento nato, flor, não me canso de dizer. Parabéns mais uma vez!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O amor é um exercício de todo dia, o eu te amo precisa ser diário, se não, já viu... E nunca da boca pra fora, lógico. Mas sabe, que a dor passe, porque uma hora ela decide que é hora de ir. E o sol volte a reinar! hehehe obrigada pelo carinho, um beijão!

      Excluir
  5. Nossa...tapa na cara desse sociedade machista! Muito bom! adorei...ainda mais eu que sofri 4 meses com encheção de saco depois de dar um basta! Se não quer, deixe em paz, respeite!
    Muito bom, Muito bom!
    keep writting ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, bom ver uma menina forte e que não se entrega às dores dos finais por aqui hahahaha Mih, te admiro. Acho que eu não conseguiria ser tão completa numa situação dessas. Obrigada pelo comentário, e que te deixem em paz, pô! Beijocas

      Excluir
  6. É difícil quando um relacionamento chega nessa fase, o de não saber se quer, ou de não querer mas não falar e ficar ali cozinhando a pessoa.
    Mas a vida é assim, com começos, meios e fins, uma hora tem que acabar. Se um dos dois não quer, que acabe logo né flor. Melhor assim.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, guria. Mas aceitar é outra coisa, é complicado, é doloroso. Difícil. Não julgo quem tem esse medo porque ele existe um pouco em mim também, sim. Bem, a preparação precisa existir desde sempre, com muito amor próprio, claro. Beijos, Ariana!

      Excluir
  7. Mandou muito bem, como sempreee! Adorei o texto e concordo demais. Claro que na teoria tudo funciona mais fácil, mas acho que o principal é a gente sempre se colocar em primeiríssimo lugar e estar preparada para as surpresas da vida. Afinal, ninguém nos pertence. Beijos Caa, boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caterine, minha queridona. Sim, concordo e assino embaixo. Mas a gente vai esquecendo disso ao longo do relacionamento, né? Começamos a pensar por dois, sentir em dobro e a cegueira domina. Foda. Mas né, com treino, acho que fica mais fácil encarar - vai saber... Boa semana, beijos e mais beijos!

      Excluir
  8. Adoreeei! Ficou muito bom mesmo. Como a menina disse ali, se na prática fosse tão fácil como na teoria né.. Mas saber a teoria já é um grande avanço! Beiijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ter a teoria em mente nos ajuda na cola quando uma prova dessas os chega, não acham, meninas? Aiaiai, é complicado, mas a gente sobrevive. Beijocas, Bruna!

      Excluir
  9. Gostei. E é isso: se não deu certo é melhor abandonarmos esse barco antes que ele afunde e leve todos os nossos desejos de felicidade. Não vejo graça em encarar um relacionamento que só nos faz sofrer! A gente tá no mundo é pra aprender com os erros e os sofrimentos, mas tem gente que adoro viver coisas que não acrescentam nada na vida...

    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, Adriel, quando a gente ama demais acaba esquecendo um pouquinho disso, né? Acho que melhorias nos relacionamentos são sempre essenciais. Primordiais. Precisam caminhar pra frente, sempre. Se não estão, se um está feliz, ou acabou a paixão, aí sim é que complica - e raramente uma conversa resolve. Mas, acontece. Paciência, né?
      Obrigada pelo comentário, e um beijo!

      Excluir
  10. Realmente que deixe em paz, chega de gente que abandona e quando nos vê livre, bela e solta quer de volta. E sim, a vida segue, depois que a gente aprende e passa por esses ciclos tudo fica mais fácil. Adorei esse Camila, beijão.

    ResponderExcluir