Cara de braba

5.14.2012 -

Sentei decidida na maca macia. Mole de tanto sono e calor e cansaço. Disse: me tira essa cara de braba se der, por favor. Até quando falo normalmente as pessoas se assustam como se eu estivesse dando sermão. As sobrancelhas, vocês sabem: moldam o rosto, expressa aquilo que dizemos e que não contamos enquanto o protagonismo é da fala, dão sensualidade em algumas ocasiões e também brabeza, quando tão marcadas. O meu caso. Com o ar mais leve, pelos menores e a menos, a alma livre de um semblante de brabeza constante, cara cerrada até mesmo quando o sorriso é interno. Que sina.

Faz mais de dois antes estava emburrada numa dessas festas chatas onde a gente encontra sempre algum insuportável bêbado da faculdade que te aluga a noite inteira, mesmo com os exatos cortões e idas ao banheiro, sumidas no mar de gente. Sentei e fiquei de bode, porque a música era horrível, as pessoas, nada atraentes, papos chatos, lugar péssimo - arrependida: eu, com certeza, poderia estar dormindo. Até que chega sempre outro chato que merece ser chutado, mas com uma frase que me marcou por tempo suficiente que dizia "tu seria a mais bonita daqui se não fosse tão braba". É? É. Mole? Que nada. Continuei na minha pose blasé, vestido preto, sapato vermelho, um copo na mão, bolsa na outra. Você é sempre assim, tão séria? Quando tô na companhia de gente decente, não. Eu, na verdade, só queria sumir dali o mais rápido possível. Enquanto isso o cara que eu (graças a deus) nunca mais vi, o chato da faculdade e o resto daquelas pessoas estranhamente desmotivadoras achavam que eu fazia pose de insuportável, por puro masoquismo ou sabe-se lá o que. Só que não, gente.

Com o tempo, venho me acostumando a escutar frases do gênero. Que pareço xingar quando apenas argumento, tamanha a veemência que gesticulo. Meu gênio forte e olhar observador fazem intrépida, ao invés de sisuda. Daí surgem as variações daquilo que quem mal conhece, juga como arrogância, imperativa, petulante e demais sinônimos que adjetivem minha feição que nem sempre tem a ver com o real estado de espírito interno. Nem mesmo meu silêncio é bem tolerado. Dias ruins se tornam maus entendidos só porque os monossílabos são minha proteção frente a chatices que acumulem ainda mais nuvem cinza sob a minha cabecinha confusa de ovelha negra dessa humanidade. Tudo porque eu tenho cara de braba. E sou mesmo quando o motivo vale a pena, a luta é boa, ou minhas convicções se conservam intactas. Algumas vezes também, verdade, por puro impulso - mas logo o carneirinho teimoso que deu cabeçadas e quebrou a prataria volta a ser facilmente domado, o poço de carinho, afago e um pouco de arrependimento de pouco antes.

Esses tempos, a hostess de uma festa badalada olhou bem para minha identidade (essa sim, seríssima) e disse bem pausadamente, como só as pessoas que tem certeza do que estão fazendo falam que tenho cara de gato. Felina, o animal mesmo. Desses que miam baixinho e são auto-suficientes, de uma independência quem sabe estampada na mania arisca de aparecer apenas quando bem entendem, pra um carinho ou outro, um oi uma vez ao dia, coisas do tipo. Um persa que nem sempre está mas parece exibir o mau humor constante na cara achatada de quem só quer comer do bom e do melhor para depois descansar no solzinho saudável cheio de vitamina D do meio-dia. Se tiver as sete vidas incluídas no pacote, até aceito. Numa dessas vai ver que muda a forma como o resto do planeta me encara e acabo vendo a tudo e todos diferente. Quem sabe.

15 Comentários:

  1. Calma, Camila. O texto tá ótimo, você expressa muito bem com palavras o que pensa/sente, mas, será que dá pra usar palavras menos complicadas? Ficaria ótimo se esse texto fizesse parte de um livro, mas isso é um blog e você é a Camila, não Machado de Assis, pq foi nele em que pensei ao ler seu texto cheio de palavras difíceis.
    Tem facebook?
    Bjss
    http://laialisafa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. É simplesmente jeito de ser rsrs. Embora há dias que de fato, fechar a cara e ser monossilábica, faz-se necessário para não sair por aí dizendo algumas verdades para certas pessoas. Hoje estou assim, e todos falam "deve ser porque é segunda-feira" e eu internamente respondo "não, idiota, é porque não quero gastar saliva mesmo com coisas bestas e desinteressantes" hihihi....confesso estou na TPM e a cara de braba se faz presente SIM rsrsrs

    ResponderExcluir
  3. Me identifiquei muito com o texto, Ca! Adoreei, mesmo. Vez ou outra escuto alguém dizendo que o que me falta na altura tranborda na cara de brava. E não adianta tentar mudar essa impressão, eu confesso que sou um tanto quanto bravinha mesmo /: hahaha

    ResponderExcluir
  4. Caroline Schwanck14 de maio de 2012 19:04

    Guria, to me assustando contigo! Haha Não é possível tantas coisas em comum. Ja sabe, sou tua fã, de longa data e fiel. Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Eu sou assim de cara fechada e de poucas palavras, e por isso muitas pessoas "não vão com a minha cara" mas nem me importo, sou assim e pronto e acho que não ta fácil eu mudar não! rs
    Belo texto!

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Laiali Safa,

    Guria, que elogio grandioso ser comparada a Machado de Assis! hehehe adorei, muito obrigada. Tenho adorado seus comentário :) Tenho Facebook sim, aqui, ó: https://www.facebook.com/calmilaporcamilapaier
    Um beijão!

    ResponderExcluir
  7. Wélida,

    Ah, eu tenho constantemente essa feição, até mesmo quando estou feliz. Acredita? Como disse, as sobrancelhas são fator essencial. Mas tem dias que daí, quando fico braba MESMO, o resto do povo que se cuide! hehehehe beijo, guria!

    ResponderExcluir
  8. Dani Oliveira,

    Somos brabinhas até mesmo quando estamos com sono, quietas, ou com vontade de ficar sozinhas, né? hahahaha bom ver que não sou só eu! Obrigada pelo carinho de sempre, beijoca!

    ResponderExcluir
  9. Caroline Schwanck,

    Além de gaúchas, loiras, tão parecidas, mesmo? hahahaha a gente vai achando gente como a gente nesse mundão. Eu tenho achado ótimo! Agradeço o carinho de sempre, viu? :)
    Beijocas!

    ResponderExcluir
  10. Ariana,

    Ih, o que tem de gente que me odeia mas não se deu ao menos ao trabalho de tentar me conhecer... Somos duas! Complicado. Mas que bom que, quem gosta, não nos larga. Beijo, guria!

    ResponderExcluir
  11. Vim aqui matar a saudade de ler seu blog.. e me identifiquei demais, como sempre! rs
    Semana passada depois de ouvir um “você tem cara de brava“ pela terceira vez em uma só noite, joguei um “e não é por acaso“ he
    Quando fico tempo assim ser ler seus textos esqueço como são bons!
    =) beijo!

    ResponderExcluir
  12. Pois é, cheguei a conclusão que somos parecidas! Haha, sério, to mundo fala que minha cara é séria e brava, pelo menos você ganhou um só apelido ;3 Beijos Ca.

    ResponderExcluir
  13. Confesso: não confio em gente simpática demais; por isso, também preservo meu sorriso. Os melhores, na minha opinião, só devem ser dados a quem merece. Bjs

    ResponderExcluir
  14. Sim, confesso. Também sou incompreendida nesse sentido, muitas pessoas me julgam séria e estressada, mas tudo isso é fruto de ter uma personalidade muito forte. Ótimo texto!

    ResponderExcluir
  15. Já disse que acho engraçado quando me identifico com teus textos? Confesso que dei algumas risadas ao perceber que me pareço sim com as linhas descritas. "Cara de brava" me caracteriza perfeitamente... é curioso quando me perguntam se estou com raiva, quando simplesmente estou apenas refletindo sobre algo!
    Muito bom o texto guria! Beijão

    ResponderExcluir