Pós raiva do mundo

4.02.2012 -


Eu andava com um ódio no coração. É sério. Minha missão pras daqui em diante é eliminar toda essa escória sentimental e ter uma vida de mais amor e felicidade. Com essas circunstâncias da vida veio uma deprê de leve e uma amargura que antes eu não carregava no olhar - e que, agora, eu só rezo pra que saia logo e vá pra longe. Chega uma hora que, sei lá, gente. A gente vive servindo de dona de bonitos conselhos por aí, mas não age conforme o andar do pensamento. Foi bem mais difícil do que preciso parar de ver o mundo como inimigo pra, só então, conseguir processar a ideia de que, é melhor conviver em paz que atacar injustamente quem nem sabe de tamanha revolta. Ainda bem que uma hora passa. De herança, crescimento. Amadurecimento na marra.

Junto com essa mágoa, chegou tristeza e raiva, veio muito ciúme, apareceu uma carência que não existia em mim, sem falar na dependência humana, algo que desconhecia. Centenas de problemas agrupados que, num fechar de olhos, incorporaram monstro e bola de neve, caos e desordem: invadem o cenário e roubam as melhores falas, se infiltram em personagens já construídos; também machucam. Um carinho e me prendia; uma palavra amiga, e eu aberta; era só se enroscar que feito aqueles bonecos agarradinhos, não soltava mais, não. Uma chatice, eu. Depois de ouvir boas verdades inesperadas, tudo se torna uma gorda contribuição pra se renascer dentro de uma mesma existência. Agora, acho que acordei pra poder ser feliz. Daí, com a maturidade, a gente descobre que nem tudo tem substituição. E que cada pessoa, situação e lugar são únicos na nossa história. E vê que a burrice maior é focar tanto no ruim que a visão se fecha pro que pode nos surpreender.

Não tenho pressa, porque esse hábito só beneficia quando envolve adrenalina. E aos poucos, assim, volta a rir gostoso porque o choro ocasional foi o exercício dos últimos meses. Volta o sono leve, mira paisagem bonita, cuida direitinho até que cicatrize, faz do silêncio um grande aliado. É preciso ser confortável sozinha e se perdoar de qualquer pequeno empecilho pra conseguir reviver a intensidade outrora. Abrir a mente, fechar para balanço, sentir essas preciosidades que compõe quase um dia inteiro na ponta dos dedos: porque é só então que o drama encontra uma saída pelos ouvidos ao invés de fervilhar os nervos. É apenas dessa maneira assim um pouco intrínseca, fazendo uso de um pouco de solidão oportuna que dá pra reorganizar praticamente uma vida. Pra só então, depois de serena, calma e novamente completa em folha, agir. Re-viver.

17 Comentários:

  1. Ai Camila, que bom ler tudo isso viu.
    Bom ver que está se livrando desse peso na sua vida, que a leveza voltará pro seu olhar tão bonito!
    A maturidade vem em diversos frascos, e depois de você ter bebido deste, tenho certeza que será uma pessoa bem melhor que já é, sua linda!
    Torço sempre pra sua imensa alegria, e fico imensamente feliz de te ver bem, pronta pra re-viver, sem ódio num coração tão grande desse.

    Grande beijo.

    ResponderExcluir
  2. De palavra amiga, só vem o que a gente precisa sempre. Eu te compreendo, e te lendo, assim, reflito pra tentar olhar o mundo de forma mais doce, pra chegar felicidade aqui também. Fico contente em notar que daí, tens se livrado dessa raivinha que pesa, e deixa a gente cega, às vezes só pra ser mais feliz. Um beijo!

    ResponderExcluir
  3. Já tive minha fase de ódio do mundo, mas percebi que não vale a pena e ultimamente só tenho aproveitado o que me faz bem.

    ResponderExcluir
  4. Ai gente, me identifico tanto com esses textos... Mais um belíssimo :D

    ResponderExcluir
  5. Entendo muito bem como se sente Camila. O bom é que pós toda essa raiva, surge uma felicidade, um sentimento bom, para nos alegrar novamente.

    ResponderExcluir
  6. Bem verdade, bem isso que quero seguir.
    Muito bom, Camila!
    ;*

    ResponderExcluir
  7. Eu reconheço um pedaço de mim nesse texto. Muitooo bom *--*

    ResponderExcluir
  8. Mais um pra coleção dos lindos, adorei!!! Beijo grande Camila =*

    ResponderExcluir
  9. Vi um pouco de mim perdida entre suas palavras, belo texto, as vezes a melhor coisa e deixar os sentimentos ruins irem embora e guardar as coisas boas. Um grande beijo.

    shakespearementiu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. É tão bom que eu não poderia sair sem seguir. Bjs

    ResponderExcluir
  11. Andei um tempo assim, com raiva do mundo, com raiva de todos,em troca, recebi o mesmo do mundo, o mesmo das pessoas... Vivia amarga, triste e sozinha... Totalmente diferente da Julia que sempre fui. No entanto, parei e entendi que nada impota se vc estiver com consigo mesmo e que o mundo só muda quando vc assume diante da vida uma postura mais otimista e feliz.:)


    Aproveitando a visita, será que você pode me ajudar a divulgar meu site? É um site de marketing digital... Vou agradece muito. Pode ser colocando na barra de sites favoritos mesmo!!

    http://marketingdigitalpro.com.br/

    Bjuss ótima semana!!

    ResponderExcluir
  12. Bem isso Camila, que texto bonito. Eu tenho essas fases de ódio, mas daí passam mesmo. E percebi que a vida se encaminha do jeito como enxergamos e lidamos com as coisas, então, tento lidar da melhor forma possível. Beijão sua linda

    ResponderExcluir
  13. Olha eu aí.
    Chega mais, paz-calma-serenidade.
    Chega e fica.

    ResponderExcluir
  14. Texto muito bonito, parabéns!


    ohhacheinaminhabolsa.com

    ResponderExcluir
  15. Lindo texto .. Super me identifiquei! :))

    Parabéns!!

    ResponderExcluir