Eu prefiro gente

4.21.2012 -


Como seres vivos, quase todos nós somos apaixonados pelos animais. Comigo, não é diferente. Já tive desde tartaruga, passando por hamster, cachorro e gato como de estimação, em casa. Sempre fui uma criança que conviveu com algum outro serzinho em casa, faço vozinha de boba e cara de abobada quando velho filhotes fofinhos, e respeito cada ser como únicos, nunca tendo maltratado nem qualquer hediondeza do gênero. Porém,  é de gente que eu gosto. É do humano a minha preferência. Sim, eu prefiro gente - e infelizmente, hoje em dia isso é quase crime. Tão mais difícil gostar de quem é complicado, daquilo que é mais difícil e confuso. Contudo, assumo do que gosto e aquilo com o qual me preocupo: a felicidade de uma infância que possibilidade bons adultos.

As ONG's para se ajudar animais se espalham pela internet. Pet shops se alastram nas cidades, sejam grandes ou pequenas. Casais abdicam de possuir uma misturinha pra chamar de sua, do dom da vida, para, ser "papais" de cães - não condeno, apenas discordo. Não sinto vergonha em levantar a bandeira das crianças, de que se preocupar com o futuro de quem precisa de educação, do bem estar social e mental de uma sociedade onde, andamos de pé, falamos, sentimos um coração tamborilar no peito, amamos. Adoro animais, mas até hoje, nenhuma espécie, nicho, ou biodiversidade conseguiu me encantar mais que os primeiros passinhos de alguém que mais tarde pode vir a correr num calçadão de exercício. Difícil de existir algo mais bonito que as primeiras palavras, as paredes pintadas pela casa, a sujeira de uma roupa onde a arte se meteu um pouquinho e, pintou. Eu amo crianças, e instinto animal nenhum conseguirá (acho eu) mudar isso.

Conheço várias pessoas que se sentem muito melhor ao lado de cães, tartarugas, iguanas, raças e natureza. No entanto, preciso de abraços apertados. Da imaginação fértil de algum pequeno, ainda com uma vida toda em construção. Tem coisa mais bela que o sorriso de dentes faltando, a risada gostosa, ou a ingenuidade do ser ainda puro? Do que a alegria simples, a falta de tato para contar mentiras, a agitação contagiante de quem ainda tem pouca idade, um coração singelo que bombeia sangue para todo o resto do minúsculo corpinho, a derme frágil que precisa de cuidados, tem cheirinho bom e específico e precisa de cuidado, se não queima? Pra mim, não. É dar carinho, cuidado e amor pra que uma gente miúda se torne grande e continue a espalhar o bem por aí, ser íntegra e capaz de suportar as dores dessa vida como rocha, mirando no exemplo passando; querendo que, pro futuro, possa ser assim com outras crianças também.

São bacanas os momentos onde corre o cachorrinho para buscar a bolinha que jogamos, e volta serelepe. Ou quando comem rapidamente, correm par festejar assim que chegamos em casa, ou nos lambem no rosto. Ronronam quando acariciamos o pelo macio, soletram palavras que ensinamos, essas coisas bonitas que nos fazem adorar muito os seres que seguem seus instintos. Com certeza, também carregam em si uma magia que nos acende. Porém, é nessa minha preferência pelas pessoas, da minha crença de que são os humanitários que carregam nas mãos o poder de transformar o mundo positivamente e, com um sorriso cândido, uma mão pequenininha, aquele olhar de quem ainda tem tanto pra ver por aí, fazer nosso dia mais leve e um daqui em diante diferente.

12 Comentários:

  1. Ah que linda, haha! Não tenho amor por animais, detesto cachorros, gatos e etc.. Mas adoro crianças, fico fascinada com a pureza dessas criaturas tão pequenininhas. Muito bom o texto, como sempre. Beijos, e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  2. Também AMO gente e acredito na raça humana Camila (; isso aê. Tenhamos fé,o mundo tá cheio de gente bacana que deve ser valorizada.

    ResponderExcluir
  3. Agora sim, comentando por aqui.
    Adorei o texto. De uma fofura sem igual.
    Como esperado, gosto muito, muito de animais, mas também prefiro gente (apesar de que, de vez em quando... hahahaha). É como tu disse, não se compara. Gente, sorriso faltando dentinho é tão lindo! *-*

    Gostei demais. Parabéns
    E, como disse antes, seu vocabulário biológico tá afiado. Vou fazer mais questões... hahaha.

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. A questão não é preferir uma coisa a outra. Pessoas que se identificam mais com gente, ótimo. Eu , particularmente, gosto dos bichinhos, sou feliz com eles, não tenho paciência com bebes.E viva a diversidade...não preciso concordar/ser como todos.

    ResponderExcluir
  5. Assim como eu também não, Lucinha! hehehe viva mesmo a diversidade, beijos!

    ResponderExcluir
  6. Como sempre escrevendo o que a gente sente e pensa!
    O amor por crianças é bem maior, porque elas transmitem a docilidade, encantamento, ternura, alma pura e espontaneidade no seu agir e falar e cativa com o seu sorriso.

    ResponderExcluir
  7. Os bichinhos trazem felicidade a quem está muito triste.

    ResponderExcluir
  8. Eu sou louca com animais sabe? Fico toda boba quando aprendem as coisas. Mas meu instinto materno grita desde que nasci, daí, crianças e bebês fazem meu coração disparar!

    ResponderExcluir
  9. Assino embaixo, guria, ótimo texto. Adoro crianças :)~

    ResponderExcluir
  10. prefiro criança também... é pura, carinhosa, verdadeira... não há melhor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns Camila...por expressar tão bem sobre este nobre sentimento que é o amor pelos animais....e pela sabedoria de deixar claro que jamais substituirão os seres humanos decentes e verdadeiros...são sim uma extensão de nossa capacidade de amar...jamais um substituto para nossos amores mal resolvidos...

      Excluir
  11. Lindas e sábias palavras Camila...parabéns por expressar tão bem esta condição sobre a natureza humana e sobre a esperança e certeza de que ainda existem pessoas que merecem nossa confiança ......

    ResponderExcluir