Da burrice à depressão

3.22.2012 -

Ok, vocês acabaram. Muita dos sonhos que foram planejados em conjunto tiveram que ser refeitos, as rotas de ida e volta parecem sempre poluídas de lembranças lindas (mas que na verdade nem eram tanto) daquilo que parecia ser o amor perfeito, e mesmo com tantas brigas, o baque foi grande: a recuperação demorará, avisa a força de vontade. O sorvete, o chocolate, e um nó no estômago dão agora o sabor incrédulo de quem ficou também com a sensação de derrota. O cobertor quentinho troca de lugar com quem deveria compartilhá-lo, as ruas quando vazias lembram um filme dramático onde a felicidade passa longe e escutar músicas dramáticas com letras tórridas para se afunilar ainda mais a faca no peito tornou-se hobby. Como sobreviver com tanta tristeza no peito?

Ver a morte de um amor é complicado. Nunca encontrar algo que se torne sólido para constituir sentimento, mas ainda. Sobreviver sob o empunho de uma bandeira onde a felicidade primeiro é solitária para depois ser dupla também não é fácil. Porém, noto que algumas pessoas caem numa depressão burra onde fica cada vez mais tumultuoso sair: esquecem as amigas, perseguem o ex, recusam convites diurnos, fazem as escolhas erradas e se embananam cada vez mais num comportamento estranho e distante porque acham que o mundo foi (ou continua sendo) cruel quando deveria dar um abraço. Fica fácil invejar a amiga com um relacionamento que antes julgava bem mais ou menos, sair por aí pegando qualquer coisa, para no domingo ficar o dia inteiro de pijama, refletindo sobre a vida enquanto a agonia do choro é uma constante a cada fim de final de semana.


Chega a dar revolta assistir a tal autodepredação. A tanta desculpa pro que nem ao menos deveria existir. Pro desmerecimento de si mesma só para caber no que qualquer outra pessoa queira: assim, de graça, sem recibo nem nota, muito menos garantia. Pra cair na mesma história um zilhão de vezes e ouvir das amigas todos aqueles conselhos repetidos que não pratica vez alguma. Ciclo vicioso de um alto que dura segundos enquanto o baixo, baixíssimo, se arrasta dias a dentro. Dá um pouco de pena, mas chega uma hora em que ou se aprende um pouco sobre como sobreviver em meio à selvageria humana, ou a decepção é cada vez mais profunda. Digo da falta de esperteza quando há outras alternativas, existe família e dias ensolarados, piscina e amigas, passeios diurnos e um pensamento que foque só naquilo que vale a pena. 

Porque é de mulheres inteligentes e bem-sucedidas que conseguem destaque e no resto dos fatores importantes se dão bem que eu falo. Porém, quando se trata de relacionamento, quando o afeto traz consigo intimidade, o é coeficiente zero, o grau é mínimo em se tratando de inteligência emocional, valorização e um pouco de bom senso. E se perguntam sempre e cada vez mais por que elas, por que agora, por que tudo. Quando, na prática, precisam vivenciar a resposta ao invés de questionar repetidamente. Abrir a mente e fazer entrar uma boa quantia de amor próprio e respeito a si mesma, com certeza não faz mal a ninguém.

9 Comentários:

  1. Teu post vai bem em cima da ferida de quem sofre o baque de um fim de relacionamento, sempre sem medo de falar o que pensa né Camila? E isso é algo que eu admiro muito nos teus posts, a tua sinceridade, tenho certeza que quem lê vai sentir uma pontinha de dor, mas como fazer se é a pura verdade? E não tem coisa melhor nesse momento do que você citou, sim existe sempre outras alternativas vai da força de vontade de cada uma, levantar e voltar a caminhar como antes. :)
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. ai ai...
    Pois é Camila, dizendo tudo que a gente precisa ouvir mais uma vez...

    ResponderExcluir
  3. É incrivel como é exatamente assim, principalmente a autodepredação! As pessoas esquecem o mundo ao seu redor e o que podem fazer que lhe gere tanta alegria quanto o que sentia antes. Vai demorar? DEMORA e muito para passar tudo. E a vontade de fazer tudo aquilo denovo demora mais ainda para voltar! É dificil, mas o tempo é rei. Camila teus posts como sempre PERFEITOS! Concordo plenamente com ele, e que continues escrevendo assim! ;D Beijocas

    ResponderExcluir
  4. Fim de relacionamentos são sempre difíceis, queira você esquecer tudo o que passou e conhecer pessoas novas, ou não. Mas realmente é preciso ter em mente que quando todo aquele drama começa a ter consequências prejudiciais á você, é hora de se lembrar do amor próprio. Escrevi uma crônica sobre isso há um tempinho atrás lá no blog também!

    ResponderExcluir
  5. É, não é nem um pouco fácil ver um amor chegar ao fim, ou melhor, o amor do outro chegar ao fim e o nosso permanecer ali, um fantasma.
    No início a gente acha que não vai sobreviver, não entende, julga, fica em depressão profunda. Uns dias assim são necessários pras ideias chegarem no lugar, depois de alguém sacudir a cabeça e bagunçar tudo lá dentro.
    Mas, se os dias se estendem algo está errado né?
    É aí, que a gente precisa resgatar o amor próprio, dar as mãos a ele e juntos subirem os degraus dessa etapa da vida, que acontece sempre e nas melhores famílias, como dizem!
    É difícil, como tudo na vida! Mas assistir a dois amores morrerem (o dele e o nosso -próprio), é autodepredação como você mesma disse e ninguém precisa passar por isso simultaneamente.
    Vamos lá meninas lindas e inteligentes!
    Resgatar a auto estima e vontade de viver mais e mais! Isso só atrai boas energias e pode ter certeza, o cara certo aparecerá mais cedo ou mais tarde pra ser melhor que tudo na vida!

    Beijoca grande Camila!
    E obrigada por tanto carinho sempre!

    ResponderExcluir
  6. Há quase dois anos eu achei que fosse morrer. Morrer de amor, morrer de dor, por conta de um destino mto parecido com esse q vc narrou aí...
    Um dia eu estava trabalhando com zero vontade, acho q até abri uma pagina qualquer da internet, procurando uma passagem pra qualquer lugar, um destino sabe... e minha estagiaria (q fazia jornalismo), vendo meu desespero, me mandou um texto seu. Eu li, chorei, e chorei e sofri... e venho lendo desde então (é a primeira vez q eu comento). Eu preciso dizer, e hj me pego pensando mto em como explicar isso pras pessoas sem cliches: PASSA.
    Eu já senti raiva da alegria das minhas amigas, de seus noivados (sim, depois dos 25 o povo casa) e até de voce Camila, qdo o resumo do post era mto otimista... a dor existe até hj, a dor do q poderia ter sido e não foi....a energia potencial q eu desprendi...pra nada.
    Mas hoje eu sou dois anos mais velha, mais madura, mais inteligente e entendi q eu tinha q sofrer tudo, mas não pra sempre.
    E que ninguém se engane achando: "dessa agua não beberei mais". Eu conheci um cara legal, eu estou apaixonada e com um medo ainda maior do q qdo eu tinha 20. Porque eu sei que doi perder, eu sei que no "fundo do poço não tem mola" as vezes, mas vale a pena, eu sou alguem mto melhor hj.

    Obrigada!

    ResponderExcluir
  7. Uau, agora fiquei sem palavras. Para variar, concordo com tu-do. Beijos

    ResponderExcluir
  8. Nossa que blog perfeito, traz inspiração pra qualquer pessoa, mt lindo mesmo, amei, seguindo :D http://meeninamulheer.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir