Síndrome de bração

1.25.2012 -

Não adianta, e cura, até agora não encontrei. Capturadas algumas imagens de mim mesma, e aquela ansiedade comum para depois de passadas para o computador, poder admirar a fotografia de momentos bons. Ou não. Que bração é esse aí, que antes de sair de casa eu não tinha sinal algum de existência? Deve ser a gordurinha localizada, que escolheu se impregnar justo numa das partes mais delicadas do corpo feminino. Meio bonecão do posto, um tanto de herança italiana, e se pudesse lipar uma parte do corpo: o braço, sem dúvida alguma. Fininho, engana uns bons quilos a menos. Mas a deprê é mesmo quando de dieta, nos enganamos um pouco quando a vista é diretamente do espelho. E nas fotos da noite passada está lá, imenso e presente bração.

Quando dá para cortar de cantinho, não considero afronta ou ilusão nenhuma da vida real. Querer parecer melhorzinha numa recordação que daqui anos olharemos e nos permitiremos o luxo de pensar "como éramos bonitas!" está no direito de cada mulher. Deveria. Pode a barriga estar no lugar, as pernas sem celulite aparente, o peito em evidência, o sorriso na medida certinha, mas estraga a festa esse naco aonde o tecido adiposo escolhe se proliferar. Conversando com amigas, é fácil perceber que não só de genética sobrevive o tal problema: altas, magrelas, gostosonas, baixinhas, de raças distintas e cores de cabelos diversas - todas, sofredoras de se achar um exu balofo após conferir as fotos de algum momento que deveriam ter ficado lindas, só que não. Mesmo abaixo da linha da magreza e se alimentando apenas de orgânicos, cereais e algum chocolatinho, lá estão. Parte maldita de algumas de nós que insiste em não desaparecer por completo, por mais pesada a malhação.

E a inveja daquelas que conseguem manter o corpo todo em equilíbrio, sem neura alguma ou detalhezinho que abomine? Difícil não ter, complicado ocultar - a gente fica apenas se questionando "como pode? que será que ela faz?", e tentando na maior insistência sair bem e não braçuda nas fotografias que estiverem por vir. Os homens, aqueles que falam uma linguagem complexa demais para nós, ladies, e tem costumes ainda mais peculiares a nosso ver, é do que mais se felicitam: ver o braço crescer. Fermentar. Malham, malham, e muitos mesmo após meses de academia não encorpam bíceps, tríceps e demais músculos para nos atingirem. Repassava fácil essa minha insatisfação corpórea. Interessados, neste guichê, por favor!

8 Comentários:

  1. Como sempre, vc descrevendo tudo o que a gente passa!
    Ter bração é horrível gente, chateia e o pior... E nós, na maioria das vezes, só nos damos conta desse "entojo" nas fotografias de ótimos momentos, que se tornam tensos por causa de encomodo que parace ser sem fim!
    Fora que, provavelmente vc se esqueceu, a PIOR parte, em minha opinião, é quando os 'nossos queridos' resolvem apertar... QUE ÒDIO MORTAL!
    Aperta tudo, menos o braço!
    Aff, desabafei aqui!rs
    Beijo Camila, como sempre... Com ótimos textos =)

    ResponderExcluir
  2. Abaixo os braços de merendeiras, ô coisa complicada! Por mais que terceiros falem insistentemente "não tem bração aí", tem. Sempre tem. Os fotógrafos sempre parecem buscar o pior ângulo pras braçudas. Haja corte de fotos, hahaha. Amei o tema!

    ResponderExcluir
  3. Minha mãe, que mesmo com o tempo mega corrido, dá uma passadinha aqui e lê teus textos - pra depois, comentar comigo - tem herança alemã e de fato, tem bração.
    E como a fruta não caí longe do pé, eis que eu, também tenho. E é um horror! Ver aquelas fotos em que tudo parecia lindo e no seu devido lugar e se deparar com aquele bração, é extremamente chato.
    Te entendemos Camila!

    ResponderExcluir
  4. Haha, adorei a inovação. Um texto que, com certeza, a gente não espera ler, mas ADORA *-*

    ResponderExcluir
  5. Eu e meu bração. Tenho uma amiga que tem uma mania bonitinha de ficar o apertando pq é fofinho e sabe, eu não me incomodo, acho que me incomodo mais com as pelanquinhas de barriga e a coxa que mais parece gelatina rs

    ResponderExcluir
  6. ahahahah bom texto!!
    e que raiva que dá sair com o braço gordo na foto, parece que só tem braço na foto mais nada!!
    não sei se é paranoia nossa ou sei lá, mas que é terrível, é sim..

    ResponderExcluir
  7. Ficou ótimo o texto! ameeiii
    dá raiva mesmo (principalmente) quando estamos mega produzidas, cabelo, maquiagem e roupa perfeita e o "bração de polenteira" lá, chamando a atenção de todo o conjunto.
    ótimo mesmo, keep writting ;)
    beijo

    ResponderExcluir
  8. Me promete que, se te procurarem pra que tu repasse um pouco do 'bração', passa meus dados também? hahaha Genética né, a mãe sofre da mesma coisa!! Adorei a idéia de escrever sobre isso, super diferente

    ResponderExcluir