A periguete

1.06.2012 -

Ela vai tentar roubar as suas amigas, cativar o cara que você está ficando e toda e qualquer pessoa que cruzar tanto o seu caminho, quanto o dela. Você com certeza não fez a besteira de criar laço algum com um tipo barato desses, porém, da maneira que menos esperava, a vadia está na sua vida: a piriguete.
Não tem nada a ver com reputação, e falso moralismo. Mas sim, personalidade. Todos já erramos, já passamos da conta em algum momento, cometemos cagadas homéricas. A verdade é que, rotulada, ou não, vai bem além disso.

Não é sua amiga. No máximo, a aproximação que vocês tem é sair com amigas em comum. E olha que você evita o contato, eu sei. Faz de tudo para não expor a sua vida, não falar em demasia, e se manter longe. Ela parece simplesmente adorar estar perto, para provocar. A voz alta, mais um de seus trunfos para chamar atenção. Dá gritinhos estridentes e insuportáveis, abraços falsos e efusivos, e nem liga pro que o mundo pensa dela. Aliás, a única coisa que faz de correto na vida. Estudar? O sonho dessa rapariga é ser madame. Socialite. High society, rotina vazia e um homem rico ao lado. Amor, é para perdedores. Faz questão de salientar que está apenas pelo sexo casual, e só. Para conseguir o que almeja, passa por cima do que pintar pelo caminho. Poucos sabem que, quando não atinge sua meta, não acerta seu alvo, chora assim que bate a porta do carro, alto e péssimo som. 


Se debulha em lágrimas, e compressa o coração apertadinho, jurando que vai cair na sacanagem, e que a vida vai ser ainda melhor. Que a solução pro desamor que a deixou por uma moça célebre e conhecedora do mundo, culta, se encontra no fundo da garrafa de vodka que descerá na noite seguinte, amanhã. Todinha. A mesma habilidade que possui para enganar, seduzir, manter cinco caras em equilíbrio e na espreita, não é a mesma para conquistar sentimentos estáveis, duráveis. E claro, ela incompreende a sua felicidade quando apaixonada, e sua tristeza, de coração partido, tudo porque a superficialidade já veio embutida na vagabunda: é de nascença.

Como cantam, e reconheçamos: a piriguete não sente frio. Pode estar quase nevando, que lá está ela, de roupa curtinha e ju-ran-do que, tá tudo bem, tudo legal, e o frio? É psicológico. Melhor fingir que entende, a ouvir uma explicação cabulosa e esfarrapada sobre o look da garota. Roupas coladas, make pesado, e histeria, seus fiéis escudeiros. Sutileza, um desconhecimento. Exagera nos acessórios, extrapola o bom senso das combinações. É brega sem notar, pensa (será que pensa mesmo?) que arrasa, quando na realidade, chama atenção justo pelo contrário: pela desarmonia que sua figura caricata constrói. E piora, a cada dia.

Status, para ela, é luxo. Dinheiro na carteira, para a criatura, é lei. Inteligência, cultura e um bom papo, dispensáveis. Para a piriga, o corpo é a chave de tudo. Ou, bem, na verdade, a fechadura. Acha chique bancar a má. Influência das novelas que assiste uma a uma, sem perder um só capítulo. Se a nova modinha entre as meninas de balada é beijar outras meninas na boca, lá está ela. Fuma por charme, não por gosto. Nem tragar o faz com sapiência daqueles que sorvem do cigarro tudo o que podem. Sem prazer algum, se para ser hype é preciso fazer uso de drogas, lá vai ela. A personalidade? No ralo, com todo o vômito de restos de comida, bebida e batom que exala, periodicamente. O que importa é sair e beber, e beijar quantos puder, quem vier. Mesmo sem grana, arranca a de quem estiver por perto. Bom mesmo é manter distância.

9 Comentários:

  1. Incrível como essas tais SEMPRE surgem na nossa vida. Daonde surgiram a gente nem lembra, mas as consequência são quase sempre trágicas. O texto tá ótimo Camila, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. ui ui ui....das piriguetes tem que manter distância mesmo! O pior são aqueles que "se pagam de cultas, finas e inteligentes" mas quando colocada frente à assuntos cultos fica calada, ou pior, passa vexame
    Fechando com chave de ouro esta semana! Muito Bom...Continua escrevendo por este caminho amiga, ta fluindo hiper bem ;)
    :n

    ResponderExcluir
  3. sempre vai ter "umazinha" assim. Adorei o texto..bjo

    ResponderExcluir
  4. é.. piriguete é dificil mas elas seeeempre vão estar porperto!
    bem longe

    www.raphaelacoelho@blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    O Refúgio das Palavras começa 2012 com grandes novidades e vim lhe convidar para conferir.

    http://iasmincruz.blogspot.com/2012/01/novidades.html

    Tenha um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  6. eu amei seu blog, sinceramente eu não tenho paciência pra ler, mas seus textos conseguiram me prender muito! parabéns *-*
    www.bygarotas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Esse post veio arrebentando, assim como a sequência que o precede.

    Não é blog de menininha falando de amores não correspondidos e maquiagens que são tendência, é blog de mulher que pensa! (Sem deixar de lado toda a feminilidade)

    ResponderExcluir
  8. "E piora, a cada dia."
    Sempre temos o infortúnio de encontrar com uma criatura dessas a cada esquina da vida, Deus me livre! Adoro esse texto, me faz lembrar que uma criatura dessas, por mais que viva tentando mostrar plena felicidade, tá no ralo.

    ResponderExcluir
  9. Incrível como elas brotam em casa esquina, em cada festa, em cada corredor. E o pior? Além da reprodução em larga e acelerada escala, estão cada vez mais jovens, mais crianças, mais infantis.

    Acham bonito se depreciar dessa maneira e de mil mais que inventam a cada hora, crêem que isso é sentido da vida. E o mais irritante? Elas não mudam com o passar dos anos, não aprendem com as mancadas. Apenas seguem afundando ainda mais em si mesmas.

    ResponderExcluir