Lá não vem a noiva

1.20.2012 -

Sou direta: não penso em casar. O matrimônio me faz, cada dia mais, cair em descrença. Procuro por casais felizes que tem durado anos e anos. Acho quase nenhum. Talvez dois, no máximo. Num aumento extraordinário entre o egoísmo, o hedonismo e a promiscuidade, como fazer durar pra sempre? Pra que gastar rios de dinheiro numa festa pré-programada para ocorrer numa data que deveria ser significativa, mas que só vai ter todos falando mal depois de se encherem de comida e beberem até não poder mais? Ao invés de cada vez mais sonhar em entrar com véu, grinalda e vestido imaculadamente brancos, penso se nossos relacionamentos não tem se tornado cada vez mais cíclicos e múltiplos, fazendo recomeçar sempre a cada fim o amor no lugar de jurar eternamente estar com uma só pessoa na saúde, na doença, na riqueza e na pobreza, até o fim dos dias. E, talvez infelizmente, acho que sim: o eterno enquanto dure é a bossa da vez, a bola cantada, o hit dos corações apaixonados cantado com hora certa para acabar. Creio em amor, é óbvio - não me permito, contudo, que a sociedade o faça acabar, obrigando que a gente o dê um nome, uma cara, uma etiqueta, quando tudo que vale a pena é fazer resistir o estigma apaixonado de quando realmente se é.

Lógico que acho lindo um casal ficar praticamente uma vida unidos. Compartilharem segredos inconfessáveis, vivências únicas e ao longo do tempo construírem uma história que marque suas vidas para sempre com um relacionamento baseado em amor e respeito que seja feito para durar. Mas gente, anda difícil. É cada cara que trai e a mulher só descobre dez anos depois, pois esse fazia tudo perfeitinho e não dava ponto sem nó (ela nunca nem havia chegado a desconfiar). Cara que começa a comer de boca aberta, dar uns "tapinhas" ba mulher quando enfurece, ou, simplesmente se acomoda. O mesmo pode ocorrer com moças que deixam de se cuidar por achar que está "garantido", ou que se tornam a mãe do cônjuge. Tão simples: tira-se a aliança (símbolo do casório) e alguns acham que a solteirisse volta imediatamente. Mesmo cegamente acreditando naquele que dormirá ao lado todo santo dia, fica difícil. Chega uma hora em que a novidade acaba, e se não for forte mesmo, leva junto com a vontade de um dos dois (nunca é unanime o veredicto) de cair fora toda a admiração, as horas gastas juntas, as frases já ditas e os silêncios que falavam por si só: acabou. Ou sentimento que termina por falta de paciência, desgastes pelas eventuais brigas, tédio no que deveria não cansar nunca: amor. Se é por esse motivo que casais se unem, usam aliança e se chamam de esposa e marido, traição não deveria ser cogitada, e a relação que os dois tem, ser considerada preciosa - que não se deixe terminar nunca aquele clima de início, que as descobertas quanto ao outro não acabem assim de repente, e só nos surpreendam ainda mais. Mas isso hoje em dia parece vencer o prazo de validade, e pessoas continuam juntas por plena comodidade. Pelos filhos, pela grana, pelo que vão pensar, mas menos, muito menos pelo já tão defasado sentimento que um dia enlaçou os dois. Acho triste, e sinceramente, não sei se é isso que desejo para mim.

Não que não vá me relacionar mais. Longe disso. Claro que acho um amor a cerimônia alheia, cairia pra trás se ganhasse um anel da Tiffany's ou recebesse um pedido daqueles irrecusáveis, como no vídeo de um show do Marcelo Jeneci. Mas para me convencer a rotular a exclusividade que tem alguém na minha história, será complicado. O casamento é uma instituição falida, e por mais que tenha crescido em números nos últimos anos no país, não me incentiva em nada - as separações continuam muitas também, o que apenas felicita advogados, amantes e parentes chatos da família que não se sentem os únicos derrotados na vida. Uma pena não ser como nos mostram os filmes e telenovelas, aquela paixão ininterrupta onde ninguém enfeia com o tempo e o tesão está sempre alerta. Só que não é. Meu realismo pode soar pessimista, também já sonhei com tudo isso. Porém, quanto mais nos damos conta do quanto é louca a vida da gente, fica difícil prever qualquer futuro. Espero que a vida me junte a alguém legal e que, mais preocupado com o status de ter ou não uma "mulher", fique feliz em ter ao lado quem queira muito mais que brincar de casinha, viver. Se acabar me convencendo do contrário, de que é possível ser duradouro ao longo dos anos e sem enjoo, quem sabe me renda às tais "bodas". Condições: fora da igreja (porque o amor é a única religião em que acredito), sem festa para um zilhão de convidados e muita luxúria, porque eu prefiro viajar pra longe. Se for em Vegas, melhor ainda. Ele pergunta se eu quero, a gente diz sim rápido e sem pensar muito em frente a um Elvis cover e depois corre pra algum cassino, pra se divertir. Quem conseguir me despistar, às vezes - sim - me ganha. Vai que um dia coloco eu aqui fotos vestida de noiva e toda emocionada, cheia de cafonice e frufru? Ninguém sabe. Muito menos eu. Ainda bem.

10 Comentários:

  1. Achei muito legal a foto da Elizabeth Taylor *-* Se não me engano ela casou oito vezes né?! Bem, eu me vejo casando toda bonitinha, numa festa enorme, o difícil mesmo é imaginar ou pensar na pessoa que esteja me esperando no altar. Bem difícil mesmo, pelo menos pra mim, mas, sei lá, acho que não é hora pra eu estar pensando nisso... Ah, chorei com o vídeo! Muito lindo mesmo!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Camila!
    Não me recordo exatamente quando e nem como descobri o seu blog, mas assim que descobri, já me chamou a atenção apenas pelo nome e pelo título. Além de ser o mesmo do meu, a frase "Calma, Camila" é a que eu me repito constantemente!
    A partir daí, me identifiquei bastante com todos os textos, assim como diversas outras meninas. Mas nunca tive muita vontade de comentar, até mesmo pq ia cair na repetição dos comentários como "perfeito/lindo/dissetudo!". Mas hoje, a minha identificação com esse texto foi absurda e eu não aguentei os dedinhos! É reconfortante demais encontrar, atualmente, alguém que também tenha um pouco de sanidade mental.
    Tenho repetido essa questão lógica e óbvia do matrimônio inúmeras vezes e todas as vezes sou interpretada erroneamente. Acabam me chamando de "sem coração" ou outras coisas do gênero, reforçando cada vez mais a ideia de que eu tinha sozinha essa perspectiva de realidade.

    Feliz por te encontrar, querida! Um grande beijo, Camila.

    ResponderExcluir
  3. Ah, eu concordo em partes sabe?!
    Mas o casamento pode durar pouquissimo tempo e ter sido feliz, por alguma razão ou motivo eles vão preferir ser felizes separados. Imagine se vc se entregar sempre achando q vai dar errado? Tbm não precisa ser uma festa para entrar na história... mas se isso faz bem a noiva, então que seja! Mas parabéns pelo blog , sempre acompanho ! :a

    ResponderExcluir
  4. Ainda pensa assim, mesmo estando namorando?

    ResponderExcluir
  5. Concordo em boa parte.Muitos casamentos não duram ,é um crime fazer tantas juras e depois não seguir nenhuma delas! Muitas casam despreparados,pensam que casando podem começar uma vida a dois felizes para sempre.Mas essa vida a dois tem que começar desde cedo,o amor é um laço muito maior que apenas uma aliança no dedo!
    Pretendo me casar,mas algo super simples também.Sem vestidos extravagantes,sem festa com parentes que eu nem sei quem são haha
    Quando o amor tem morada sempre no coração um do outro,isso já é um grande casamento!

    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  6. Camila! Que lindas as suas palavras...
    Eu sou ao contrário, acho o casamento tão lindo que não quero um, mas muitos! Não pense nisso como uma desvalorização do amor, muito pelo contrário, gosto tanto do amor que quero viver muitos deles...

    Abraços,

    Julia

    http://lepetitcannelle.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Concordo contigo, sabe. O casamento dos meus pais é lindo, estão juntos há 25 anos. Mas mesmo assim, não consigo colocar fé nessa instituição. Como tu disse: acredito cada vez mais no amor, no casamento, não.

    ResponderExcluir
  8. Esse é um tema muito complicado. E acho a tua opinião muito sã, realista. Se eu disser que não quero casar de branco, vestidão com o lindo esperando no altar, minto. Mas isso não é prioridade pra mim. Sou muito mais de cerimônia simples, ou até mesmo ir 'juntando', sem comemoração com terceiros. O mais importante é o amor. Mil vezes mais pegar o dinheiro, ir viajar e curtir dias ao lado do querido, do que um momento, um dia de pompa e exageros. Acho o casamento uma coisa linda. Mas realmente, é mais uma das coisas que está avacalhando muito. O amor, acredito eu, tem ficado em segundo plano. É muito frisson em volta do evento, do que o pessoal vai achar, tudo isso passando por cima do que realmente importa. O cuidado para que dure, o carinho para com o outro.. A felicidade! Amei o texto Camila, só pra variar, rs.

    ResponderExcluir
  9. Eu acredito no casamento e acho lindo, quando hoje nesse mundo que se apresenta tão louco e descompromissado, alguém decide dizer sim para um outro alguém no altar perante Deus e os homens. Acredito,acredito, acredito no casamento que tem amor como base, mas se as pessoas casam por convenção, status ou qqr outra coisa que não o amor e às vezes já pensando 'se não der certo, separamos', é triste.Dói ouvir, mas daí eles vão ter que lidar com a vida, paciência.
    Acho tão ridículo essas cerimônias gigantescas cheias de convidados que receberam convite por educação, aquele monte de gente que só quer comer e falar mal depois...aargh!Embora eu não me imagine casando nesses moldes de hoje, onde a cerimônia é mais pra dar satisfação à sociedade do que qualquer outra coisa, eu acredito.Não sei se vai acontecer pra mim, mas acredito.Ainda, acredito.

    ResponderExcluir
  10. Como concordo com vce viu! Em muitas coisas!
    Hoje, as coisas andam complicadas. Muita gente não se casa por amor! Muita gente nem sabe o que é amor!
    É tanto egoísmo, que quando acham que está na hora de se casar (ja tem carro, casa, um iate, viajou o mundo todo, é presidente de uma multinacional, fala 10 linguas, já pegou as maiores modelos... etc) , o ego da pessoa é tão grande,mas tão grande, que não cabe outra vida a não ser a dele dentro de casa.

    Já fui tao desacreditada em casamento, mas hoje
    meu casamento está marcado, e eu nunca estive tão certa de uma coisa!

    Posso ser nova, mas maturidade não tem a ver com idade, e sempre acreditei no amor e na capacidade deste sentimento de mover nossas vidas!
    É por isso que direi um SIM bem verdadeiro num altar, acima de tudo direi SIM À minha família que está começando!

    Que o amor, faça maravilhas na vida de todos!
    E que as pessoas permitam isso!

    Um beijão!

    ResponderExcluir