E viva Cléo Pires, Kim Kardashian e Juliana Paes!

1.05.2012 -

A culpa não foi minha, juro. Com o passar dos anos foi apenas preciso que meu padrão de beleza se tornasse "caminhoneiro". Explico. Nunca fui magérrima. Aliás, minha vocação para ser esqueleto sempre foi zero. Ainda é. Nula para quem realmente nasceu com o quadril largo, a estatura graúda e uma puberdade que veio precocemente. Então, para não ver desmoronar minha auto-estima teenager e começar uma reviravolta bonita, vi que podia ser magra, sim, mas também sensual. E com vigor.

Entre saúde e ossos, fico facilmente com a primeira opção. Gosto de comer de tudo um pouco, mas também sinto prazer ao sentir a endorfina sendo liberada, e claro, ao entrar no jeans 38 que hoje conquistei. Podem pensar "ah, mas ela é magra e tá reclamando". Sim, emagreci consideravelmente nos últimos anos. Mas de forma balanceada: desde a alimentação aos exercícios. Contudo, como desde adolescente admirei corpões como de Scarlett Johanson, Jennifer Lopez e Marilyn Monroe (por que não, né? De magrela a diva tinha é nada), continuo no mesmo time.

Acho um charme a cintura fininha em contraste aos pernões de Kim Kardashian. Luxo maior, as coxas bem definidas de Sabrina Sato e suas "panicats" (falem mal, mas duvido que se tivessem a oportunidade de ter um físico daqueles recusariam). Além do bocão, é bonito ver a quase ampulheta viva que é Kat Dennigs. O que falar de Beyoncé, que além de uma força feminina na música, possui sensualidade e exuberância sem vestir manequim minúsculo. Sem falar de brasileiríssimas igualmente lindas, como Cléo Pires e seu corpo de brasileira típica, a boazuda Juliana Paes, e Paola Oliveira com aquela barriga chapada que a cada carnaval só nos causa ainda mais inveja. Para mim, todas maravilhosas. Melhor de tudo: num equilíbrio entre o que é sadio e o que é realmente bonito.

Claro que todos os tipos físicos são de uma beleza única. Isso é incontestável. Devemos nos achar bonitas da maneira que der, vestindo o que de melhor nos valorizar, e com consciência de que há sempre algo a mais se melhorar. Esses foi os exemplos que encontrei. No lugar de tentar mil e uma dietas mirabolantes ou passar fome, vi que dava para me sentir bem comigo mesma, sexy e de um jeito são: apreciando o corpão que deus me deu (ou a genética fez), sem neuras, nem ideologias doentias ou padrões pré estabelecidos. Vi que é melhor um braço um pouquinho avantajado do que vagar por aí pálida ou desnutrida. Até porque, homem que gosta de uma boa mulher é o mesmo cara que aprecia carne, mal sabe o que é celulite e aprecia sem moderação. O resto, pra mim, ou é cachorro ou ainda não cresceu.

10 Comentários:

  1. Meu Deus....a cada dia você escreve sobre temas mais e mais desafiadores e criativos!
    Adorei o tema! precisamos aprender a nos cuidar para nós mesmas, ficar de bem consigo mesma, se vestir para si própria...são essas coisas que devem importar. Não adianta ser magérrima e infeliz por privar-se de comer coisas que gostaria ou de não ter curvas mais acentuadas.
    Como diria meu bom e velho pai (meio grosseiro, mas é verdade) "Homem que é homem gosta de carne, e não de 'sopa de ossos'..."
    Muito bom o texto! keep writing *-*

    ResponderExcluir
  2. super adorei o novo visual do blog :k, apenas estava lendo os posts pelo reader, mas hj, vim aqui! adorei mais ainda esse texto novo, suas palavras, teus modos de expressar tudo isso que nos rodeia!
    parabens camila :n , da sempre sempre fã @catielep

    ResponderExcluir
  3. Uau Camila!Isso foi demais:
    "Até porque, homem que gosta de uma boa mulher é o mesmo cara que aprecia carne, mal sabe o que é celulite e aprecia sem moderação. O resto, pra mim, ou é cachorro ou ainda não cresceu."

    ResponderExcluir
  4. Lindas mesmo as mulheres que você citou! As brasileiras principalmente.
    e EU QUE SONHO um dia conseguir chegar a ter as pernas parecidas com a de alguma ;~

    ResponderExcluir
  5. Gurias, obrigada pelo enorme carinho. É incrível como isso apenas fortalece minhas ideias para escrever. E Jéssica, somos duas. Mas lutando por isso, quem sabe um dia, né? Sonhar é bom! Hahahaha Beijo em cada uma!

    ResponderExcluir
  6. Meu caso é o de ser magricela mesmo sem escolha :( Comer sem regras/cuidados para manter peso (geralmente comemorando os quilos adquiridos); nunca passei dos 50kg, em 19 anos. Enfim, é o caso de estrutura mesmo e n de ser fã das magrelas(like me) das passarelas. No meu caso, aceitei já - quase totalmente, sabe como é, hm..enfim, enjoy yourself and that's it . :a

    ResponderExcluir
  7. ADOREI ADOREI! HAHAHAHA também me sinto muito bem com minha cinturinha fininha e meu quadril um tanto quanto largo (presente da mamãe, sua linda), mas isso hoje, porque antes já passei por aquela fase ''odeio meu corpo''. Como você falou ali ''todos os tipos físicos são de uma beleza única'', acho que isso é o essencial saber! :)

    ResponderExcluir
  8. Camila, e esse tema do balacubaco, ein? Hahahaha. Causador de muitas polêmicas, afinal quem não quer um corpo esguio, ou com curvas consideráveis e barriga chapada? Admiro muito quem consegue se amar e se aceitar do jeito que é. Confesso que luto por isso, e venho tentando melhorar o que não me agrada, mas muito mais por mim mesma do que por qualquer ditadura da magreza. Aliás, isso é muito errôneo de se dizer. Não tem ninguém apontando armas nos ouvidos das gurias e dizendo "Você tem que ser magérrima". Acho que a aceitação vem com o tempo. Mas amei o texto, e que belos exemplos de mulheres você deu! (:

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. "Até porque, homem que gosta de uma boa mulher é o mesmo cara que aprecia carne, mal sabe o que é celulite e aprecia sem moderação. O resto, pra mim, ou é cachorro ou ainda não cresceu." PAIER, camila. Nossa, você disse simplesmente TUDO, Camila. Não há como não concordar com você. Amei, amei, do começo ao fim. Parabéns, ótimo texto. Beijo

    ResponderExcluir