De primeira

1.13.2012 -

Eis que um dos casais mais requisitados de bonitos da televisão brasileira sobreviveu anos em cima de um tabu, agora revelado. Fernanda Lima afirmou, com todas as letras, que teve sexo no primeiro encontro com seu - hoje então - marido, Rodrigo Hilbert. Um casamento e dois filhos depois, e tudo em ordem e em paz: frear o desejo em troca de uma falsa garantia, ou fazer o que bem entender e arcar com as consequências depois? A segunda opção me parece, um tanto quanto mais arriscada, mas muito mais libertadora. Além de autêntica.

Quanta menina que espera, espera, e quando deixa se ter a tal intimidade, é largada dias depois? Sexo "cedo demais" hoje em dia não diz nada mais nem de a personalidade de um homem, e muito menos, dos princípios de uma mulher. Deu vontade, foi lá e pronto: que saia de cabeça erguida e dignidade intocada, mulher valorizada hoje em dia é a que realmente sabe o que quer. Quem disse que é vagabunda essa só porque o papo foi ótimo, a química a mil e de repente aconteceu? Vadia hoje em dia é moça que se joga em cima demais, que não mede nunca o próprio valor e esquece os bons costumes, dando em cima de cara comprometido, falando mal depois de experiências ou beijando três, quatro, numa mesma festa. Ao menos ao meu ver, claro. É importante saber bem o que se quer antes de qualquer atitude drástica? Sim. Conhecer o cara pelo menos um pouco? Também. Mas decidir é um passo individual, e numa análise corrida entre quem se é, com quem se está e como proceder, sou muito mais a escolha corajosa de ir em frente guiada pelo próprio desejo do que parar justo quando as coisas começam a esquentar - e prometer - só porque "é o certo a se fazer".

São várias as histórias em que, num primeiro momento, casais que eram na verdade muito improváveis ou que não se deixaram levar pela pressão que a sociedade faz para que a ajamos "nos conformes" que resultam em momentos futuros de felicidade, fidelidade e também - e por que não, religião? - amor. Muito mais vale uma menina que não se preocupa demais com opinião, tabus ou comportamentos ditados como conselhos de amigas que dizem sempre "faça ele esperar para ver qual é a dele" e age conforme o que o corpo pede, uma intuição desabrocha, ao invés daquelas que voltam pra casa se corroendo de vontade, e se seguram porque é mais propício numa primeira impressão.

Se hoje em dia, o tempo consegue nos enganar, as palavras acabam por nos iludir, e atitudes, muitas vezes (ou quando faltam) nos surpreendem, como confiar tão cegamente num pensamento tão arcaico? Acontecer numa primeira vez pode evitar muito tempo gasto em vão lá mais na frente, abre espaço pra uma intimidade que muitas vezes se faz necessária, e convenhamos: é só ir com o pensamento focado no momento e na própria segurança de ser quem se é, que errado, pouca coisa pode dar. Há tanta coisa pior quanto a relacionamentos, possibilidades e o que pode ocorrer, e além do mais, aquelas que mais falam, são as que menos servem de exemplo (ou podem). Agir conforme as "invioláveis" regrinhas babacas do sistema apenas as fortalecem cada vez mais. Que o feeling diga mais que as más línguas, que a gente perceba detalhes e sinais e deixa que ocorra naturalmente, sem freio ou aceleração, o que tiver que ser.

11 Comentários:

  1. É uma coisa a ser pensada.
    A gente tem que fazer o que gosta! E o que tem vontade!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o texto, miga! E eu sou super a favor de que cada um tem que fazer o que quer, gostei da frase da Fernanda Lima que foi: "Na primeira noite que ficamos, a gente transou. Não vai me dar valor? Tenho dois filhos aqui, não tem nada a ver. Agora, poderia acontecer de no outro dia ele não me ligar". Ela arriscou e hoje tá super bem casada com ele, o cara ligar ou não no dia seguinte não depende só de ter rolado sexo ou não no primeiro encontro, vai muito além.
    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Depois desse texto, mil pensamentos correm loucos na minha cabeça. Adorei!! :D

    ResponderExcluir
  4. Muitas vezes quando eu falei sobre esse assunto, de ser a favor do sexo dessa maneira, me chamaram de louca. Se quer fazer na primeira saída, que faça e saiba arcar com as consequências. Isso não diminuirá a mulher, de forma alguma. Bom mesmo é a gente se sentir segura com nossas decisões, independente da opinião alheia.

    ResponderExcluir
  5. Polêmico. E otimo. As pessoas precisam dizer chega a este pensamento tão fechado de que o homem não valoriza uma mulher que se "entrega de primeira". Isso é tão relevante, sabe. Se eles tiveram um papo legal, uma noite incrível de olhares sinceros, e rolou a famosa química e tudo mais, pra que esperar? Século XXI, minha gente, século XXI. Homem de verdade vai é enxergar a mulher de verdade que está ao seu lado.

    ResponderExcluir
  6. :n concordo, viu? cada um faz como achar melhor! Se rolar clima e tudo mais , porque não?! Já fui muito presa no conceito de 'esperar', mas hoje tenho outros olhos! Penso que quando nos amamos e nos valorizamos, temos que nos respeitar...tudo que parte do outro com a gente, começa por nós ! Não serei melhor ou pior por fazer sexo de primeira, mas serei pior se não respeitar uma vontade minha e me prender a um dogma! A sociedade por si já é em suma muito preconceituosa, não devo ser comigo mesmo!

    ResponderExcluir
  7. Maravilhoso. Precisamos ler, ouvir isso às vezes. Sou exemplo de já ter me arrependido e culpado, mas se o cara te acha vadia ou inferior por ter feito na primeira, o recalque é dele, o retardado é ele. Temos sim muita moralidade e essa sociedade hipócrita vive tentando colocar o certo e errado na nossa cabeça, quando na verdade, o que importa é estarmos de bem com quem somos e o que fazemos. Cientes de que nossos desejos não nos definem, e sim, como lidamos com eles. Vadia mesmo é quem faz e espalha por aí ou deixa explícito, transforma um ato banal em vulgar. Beijões.

    ResponderExcluir
  8. O pior que leio hoje em dia, são meninas [tanto pela idade, como pela mentalidade] que fazem pose de 'moderninhas, liberais, sexo drogas e rock n roll'. Mas quando chega no tema de transar no primeiro encontro, são pudicas, infantis e adoram classificar como piranha que escolhe transar 'de primeira'.

    Concordo quando escreve que nada diz a respeito da personalidade e do caráter, de ambos.

    Para mim não há problema nenhum se cada um tem maturidade para lidar com isso no dia seguinte. Afinal isso é sexo, tesão, vontade. Não significa um contrato de uma vida inteira juntos e de quebra um passado lavado a bom e puro alvejante.

    O que garante se o relacionamento vai evoluir ou não, não é a transa ou a ausência dela no primeiro encontro. São as conversas, as risadas, a curiosidade.

    Muitos que têm certeza que sexo logo de cara acaba com qualquer chance do relacionamento durar, vai de encontro com o próprio discurso que diz que sexo não é tudo em relações amorosas. Então pra quê ligar se rolou ou não?!

    ResponderExcluir
  9. Tema polêmico, definitivamente. Não se pode negar que muitos homens ainda taxariam de liberal demais, ou até mesmo do tipo 'só pra ficar, não pra casar'uma mulher que faz isso. Mas esses seriam julgamentos por parte de machistas, preconceituosos. Provavelmente eu não acharia tão normal ouvir casos de tanta intimidade logo em um primeiro encontro, mas isso não diz nada sobre o futuro da relação, que depende de muito mais coisas. Não é a hora que o sexo acontece que dita se um relacionamento vai funcionar ou não, lógicamente. Todas estamos cientes de que isso envolve o amor, a diversão, o respeito e blábláblá. Portanto, acho muito válido o seu ponto de vista, Camila! E que venham mais e mais temas polêmicos, hahaha.

    ResponderExcluir
  10. Parabéns Camila, caprichou! Tema bom! E concordo, hoje em dia não existe mais essa de tabu de primeira vez, eu transei com um ex namorado de primeira e a gente ficou 2 anos e meio juntos, tempo suficiente pra provar que não tem nada a ver!
    Beijoca

    ResponderExcluir