As garotas da cidade grande

1.11.2012 -

Nada contra quem em metrópoles ou grandes centros urbanos não habita. Tudo a favor das moças que foram acostumadas a viver em meio à pressa, ao caos, aos relacionamentos superficiais e mudanças constantes. A princípio, pode parecer sutil a diferença entre mulheres habituadas a viver em cidades interioranas ou do litoral para aquelas que, desde o berço - mesmo já na barriga da mamãe - foram urbanizadas sem caminho de volta. Mas é na prática e na vivência, que em pequenos detalhes dá para notar o quanto tantas essas possibilidades apenas dão vida aos dias, e não o contrário.

Vão atrás. Se aqui não está dando certo, tenta-se ali. Ficar parada, qual o sentido? Não existe, não compreendem. Quem se acostuma às constantes buzinas do trânsito enlouquecido e a andar quase correndo pelas ruas da cidade acha um tédio tempo para descanso. Geralmente, quando com horas vagas, acha-se o que fazer. Desde pintura à óleo, curso de idioma, ou caminhada no parque. Ida ao shopping, deslocamento fácil até o centro, e táxi - que passam a ser uma boa opção quase sempre, ainda mais quando com o tempo começa-se a conhecer o caminho das ruas - um bom amigo. Mil e uma opções de alimentação, lojas sem fim, gente de tudo quanto é canto: menina que cresce em meio à tamanha diversidade, acaba achando barbada ser do mundo. Taí uma das gritantes diferenças.

É comum que chamem quem vive longe das regiões metropolitanas de "bicho-do-mato", ou "da roça", mas também não é por aí. Deve dar um sustinho vir morar num lugar quase dez vezes maior de onde sempre se viveu. Compreensível. Com o tempo, é possível que se habituem ao movimento constante, aos costumes cosmopolitanos, e até quase enganem quem é natural da fortaleza de concreto. Aprendem com facilidade o desapego quando nada mais funciona, a ir de uma ponta a outra sozinhas e a não mais serem conhecidas assim que o pé pisar na calçada.

O tino rápido. A percepção instantânea. Amizades poucas, mas que valham a pena. Morar perto de tudo, dar um jeito para ir de um lugar a outro. Habituar-se aos gritos e vozes misturadas, fumaças de poluição e cigarro, carros e mais carros em congestionamentos: acostuma. Bom convívio frente a quem for, mesmo que com o resguardo necessário, paz e harmonia somente para o final de semana: tá quase nos genes daquelas que vêm ao mundo nas maternidades lotadas dos bairros todos juntinhos que formam as regiões metropolitanas. Demora um pouquinho, mas com o tempo, big city girl vira quem quiser. Se aprende.

8 Comentários:

  1. Sou uma mistura de duas meninas, mas a da cidade grande está ganhando da moça "bicho-do-mato".
    Ainda sou apaixonada com meu interior de Minas, vou sempre visitar meus pais... mas o ritmo da capital já faz parte da minha rotina.
    Mesmo sendo tão preguiçosa como sou, o tédio do interior me cansa.
    Ótima escrita guria do sul!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Suspirei, me vi em cada frase, me imaginei em todos os cantos descritos. Gosto muito de ser cosmopolita.

    ResponderExcluir
  3. Um pedaço da minha vida descrito nesse texto.
    Muito bom o texto!
    Bjo'

    ResponderExcluir
  4. O que eu mais gosto é de sair na rua ou ir em algum lugar e não encontrar nenhum conhecido.

    ResponderExcluir
  5. Ahhh a "cidade grande"...eu faço parte desse "time de big city girl"...realmente a gente não nasce, sai correndo do útero....há momentos em que é invejável a vida no campo, mas sendo sincera, adooooro a cidade grande, entre defeitos e privilégios, escolho as grandes metrópoles ;)
    ótimo tema
    Gostei mto :}

    ResponderExcluir
  6. Big city girl que sou, já aguardo ansiosa pela mudança pra uma cidadezinha onde se encontra conhecidos a cada quarteirão rodado. Gosto muito da tranquilidade que isso trás. O ritmo da capital faz cansar também.

    ResponderExcluir
  7. Camila, eu adorei mesmooooo.
    Quero teu livro ;)

    ResponderExcluir
  8. Não troco a cidade por nada. Dias na praia já me deixam com saudade da baderna, da facilidade, dos lugares próximos e do leque de opções que temos, ainda mais morando na capital. Beijões

    ResponderExcluir