Um tanto quanto Grinch

12.20.2011 -

Essa contagem regressiva dos dias sempre me deixa ainda mais reflexiva, um tanto menos falante, e com aquela sensação agoniante de "poderia ter sido e não foi". Podíamos ter sido mais pacientes, deveríamos ter tido mais foco, seria recomendável um aumento no autocontrole. Mas que nada: tudo acabou mesmo saindo da nossa frente, porque além de passar, a gente deseja é pelo tempo correr. Além da maratona que é comprar presentes, estar linda (e magra, em forma e sem aparentes dobrinhas, celulites e afins), comprar as roupas certas, visitar todos os parentes importantes, acatar a algum desses milhares de pedidos de doações, desejar feliz natal à todos na empresa, ser uma boa amiga secreta e fazer a listinha de gastos, a outra da viagem, e a do que desejamos pro ano futuro.

Natal me enjoa fácil. É aquela falsidade de quem não se vê há tempos e deseja um ótimo feriado, e tem a vendedora que fica tão feliz com a comissão que deseja também que a sua noite natalina seja das melhores. Temos que pensar num presente criativo para o namorado, noutro lúdico para a irmã menor - sobrinha, prima, enfim - e em lembrancinhas para a família. Ho ho ho por todo o lado, decoração que bate na cabeça num passeio pelo shopping (lotado, claro), mas que você não resiste: encontra tudo de uma vez, mesmo sob a multidão que também quer achar logo a solução dos regalos alheios. Mas deixo vocês adorarem a data em paz, sentir aquele amor fraterno que acaba dias depois, quando o tédio quente do verão invadir. Amem em paz o aniversário do tal criador: só estando longe de mim, já está ótimo. E em paz. É só que, a felicidade fingida de todos me cansa. Abrir os presentes apenas à meia-noite me deixa, além de ansiosa, compenetrada em ser advinha: aquele embrulho ali parece livro. Será que é pra mim? O outro, uma caixa de sapatos. Bem-vindo também. Também tem o choro. Aquele depois de escutar os hits de Roberto Carlos e Simone, antes de dormir. Porque vocês sabem: nessa reba do ano, o que não tiver bem pode vir de presente também. E é o que a gente mais deseja: um emprego, uma reconciliação, um namorado, um pedido de compreensão.

Ou, uma fuga. Que é o que vou fazer. Pela primeira vez, vou me recusar a usar roupa vermelha e estar com o sorriso ensaiado por entre as frases batidas naqueles encontros de família. Estarei na praia. À dois. Que bem mais valioso que um feriado híbrido de capitalista com religioso - e que esse ano, ainda cai no final de semana - é sumir do ritmo frenético onde todos fingem ser o que não são por alguns dias para estar com quem já é mesmo o nosso presente, a benção que apareceu na vida e assim tem sido. Muito melhor que roubar o natal, é ser sequestrada a favor da própria vontade: com recompensa do lado e tudo. 

9 Comentários:

  1. Eu gosto de Natal. (E estou longe de você, então não fique brava. rsrs).
    Gosto sim da decoração, da reunião da família. Mas, confesso que desde que minha avó de foi há quatro anos, o Natal não faz o mesmo sentido.
    Era ela a luz natalina, a união da família, o presente melhor.

    Ótima viagem pra você!

    ResponderExcluir
  2. Muito, mas muito eu!
    Invejinha boa da tua fuga 'haha :]

    ps: Eu quando pequena, brincava que o Grinch parecia com meu avô paterno, n só pelo "humor" mas por caretas.. kk' Até deu saudade daquele resmungão agora, tradição de todos natais da minha infância.

    Whatever, também nunca fui fã do natal não; pronto, falei.

    Enfim, aproveita essa tua fuga, Camila. Aposto que será teu mais valioso presente. (:

    ResponderExcluir
  3. Fugir do Natal? Nossa é uma ótima ideia ! hahaha
    Aqui na minha famiília nunca comemoramos o Natal com parentes distantes, não fazemos uma baita festa e as vezes nem trocamos presentes por ser Natal,mas sim por estarmos todos reunidos e é o que importa! Não corro em lojas lotadas e tenho aversão a decorações natalina e a falsidade das pessoas que ficam tão bondosas e carinhosas e o resto do ano voltam ao normal!

    Te entendo muito bem! hahaha


    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Adorei o post !!!!
    Realmente concordo com vc, aff muita falsidade, é o que mais me irrita nisso tudo, quem me dera poder fugir igual vc...
    Bjo

    ResponderExcluir
  5. Ai que invejinha de ti, eu bem que queria fugir dessa falsidade toda que se tornou o natal,fugir de família, de tudo.
    Te falei isso esses dias né, que não gosto de natal, as pessoas esqueceram o que essa data significa de verdade.

    Beijos
    ( Pronto, larguei meu orgulho de lado e vim aqui comentar) rs

    ResponderExcluir
  6. Fim de ano me deprimi porque traz a tona tudo aquilo que não foi, todas as promessas que não foram cumpridas, aquela depressão do poderia.. Mas acho válido estar perto de quem adoramos, quando o sentimento é sincero e recíproco. Seja família, namorado, ou amigos. Boa fuga! heheh, beijitos!

    ResponderExcluir
  7. Então não sou só eu que não sinto a magia do natal e vejo nessa data apenas consumismo exacerbado? Aproveite essa fuga com o querido por todas nós, que ficaremos reféns do natal costumeiro, hahaha.

    ResponderExcluir
  8. Poxa, tinha comentando antes já, mas acho que não foi, ;T! Então,Resumindo: também não gosto de natal, amo mesmo é o ano novo que me dá esperança! E boa fuga, merecida! Espero ter com quem fugir no natal de 2012 :* aproveita guria!

    ResponderExcluir
  9. É tão bom ler algo sobre o Natal diferente de tudo o que é divulgado nessa época, toda essa pintura na verdade um "reboque" nas armaguras de um ano inteiro, pra que depois de toda a festividade tudo se repita outra vez...
    Sempre com uma surpresa aqui pra mim né guria? Parabéns pelo texto, gostei de ver! :DDD

    ResponderExcluir