Plebeia

12.28.2011 -

Sou branca, mas não de neve; e sim, de lua. De me esbaldar na noite, e não ter forças para levantar e pegar o próximo sol da manhã. Não sei se apareço em espelhos que me indicam como a mais bela, mas há milhares de bruxas à minha caça, soltas atrás de mim. No lugar de sete anões, me enviaram dois pestinhas, aos quais caridosamente chamo de irmãos. Trocaram a casinha pequena que devia me servir como esconderijo por estes três andares espaçosos. Sem saber quem é você, espero que me espie à espreita, a conversar com os passarinhos na sacada. Ainda assim, morderia cada uma das maçãs envenenadas existentes apenas para beijar você em todas as vezes, desperta.

Vezenquando sou bela, porém adormecida não me encontro. Viro é a fera, a qualquer instante (ferida, ou não). Minhas três fadas, são as possíveis madrinhas do meu futuro casamento: minhas melhores amigas. A maldição que sofri, é provável que ainda não tenha se quebrado: o azar é inúmero, e o príncipe ainda não esfaqueou o coração da vilã travestida em dragão. Aliás, ainda nem ao menos sei se o moço já chegou. Tampouco, se capaz seria de se armar contra o tédio, a desconfiança, e a promiscuidade. Esperaria cem anos em sono profundo se possível, se quando acordasse com seus lábios nos meus, tudo estivesse exatamente igual e o saldo somasse um grande amor.

Meu maior sonho não é ir do mar, à terra, e nem ao menos, possuir um par de pernas. Confesso então, que viajar os céus para longe me parece uma das mais atraentes idéias. Vender minha única imortalidade possível, a escrita, por algum desvario inconsequente, não me parece plausível. Enquanto isso, alguns princípios já cairam por terra, e muitas verdades foram reconstruídas, em prol de grandes amores que não deram pé. Graças a Deus tenho mãe, porém sou escrava da moda. Sou prendada na cozinha, e uma mula quanto à limpeza. Ganho regalos de uma avó coruja, que me parece muito mais fada do que qualquer madrinha. Aqui em casa não há ratos, mas meu cachorro me socorre em alguns momentos de solidão. Não constrói todo um vestido, mas é capaz de me fazer abrir um sorriso, ao chegar em casa. Converto os bailes, em pubs e festas, bares e jantares. E tão mais esquecidos que eu, os protótipos de realeza deixam o sapatinho salto doze lá, esquecido. De cristal, ou não.

Sou ciumenta, mas não demonstro, assim como também não tenho asas e nem pó de pirlimpimpim  no vestido curto. Nunca tive um amor impossibilitado por guerras e em lado oposto, mesmo que minha personalidade forte entrasse em conflito e algumas cabeçadas tenham sido dadas, se preciso. Estou só no galho da mais alta árvore, esperando ainda Tarzan chegar. Janto sozinha em palácios enormes, enquanto Alladin não derrota Jafar e vem me buscar.

Cabelos enormes, e o que me resta então é ser filme inédito e uma história já manjada. Alguém que suba pela minha trança embutida e não se importe de comigo ficar numa mesma torre, distante da civilização moderna e todo esse caos urbano. E que me devolva a alegria roubada dos dias anteriores, junto com o pote no fim do  arco-íris. Por enquanto, sou só uma plebéia que não se incomoda em fazer uso do transporte coletivo, ou de caminhar a pé quando necessário. Arrumar a casa, o quarto e em dias de unha já descascada, lava a louça. O dia em que a carruagem chegar, que seja pequena.

9 Comentários:

  1. Que bacana esse texto !!!
    É uma perfeita ilustração de nós meninas do século XXI.
    Adorei

    ResponderExcluir
  2. Que texto perfeito!!!

    Feliz 2012!!
    bjo,bjo!!

    ResponderExcluir
  3. Quase um conto de fadas. Talvez até seja. Quer conto melhor que esse? Amei *-*

    ResponderExcluir
  4. Guria tá mandando muito beeem trazendo esses textos antigos de volta, um mais amado do que o outro. E quanto ao novo visual do blog, o que dizer? De muito bom gosto, em todos os aspectos. Parabéns mais uma vez :)))

    ResponderExcluir
  5. Que delícia de leitura Camila, amei cada linha. É um verdadeiro conto da vida real. Arrasou, bjos e feliz 2012 :d

    P.S.: Me vi no texto, sou uma plebeia que anda de coletivo tbm :)

    ResponderExcluir
  6. No lugar de sete anões, me enviaram dois pestinhas, aos quais caridosamente chamo de irmãos.

    Essa parte é a melhor, hahaha!

    ResponderExcluir
  7. Que coisa mais querida para se ler nesse fim de ano, amei amei amei! :)

    ResponderExcluir
  8. Ah, esse conto de fadas da sua vida, que gracildes hahahaha, adorei!

    ResponderExcluir
  9. Leio, releio e me apaixono todas as vezes!!

    ResponderExcluir