O coitadismo

12.29.2011 -

Comecei a pensar em todas as pessoas que me dão ojeriza, só de ficar perto. Relembrei alguns parentes que não suporto, gente a que sou obrigada a conviver e em meio aos tipos humanos que me dão alergia só de ter que compartilhar o mesmo ar ou um olhar, eis que o lugar comum (ou característica): o coitadismo.

Os "coitados" tem meu ódio praticamente eterno com facilidade. Dou mínima importância caso eles sintam o quanto atravancam a minha vida feliz ou me fazem sentir nojo quando deveria estar distribuindo sorrisos pelo mundo. Sempre tem aqueles segundos em que paro, constato a presença, e pergunto: por que, Deus, tão perto de mim que mal sinto pena de mim mesma? Me nego a esse sentimento. Acho deplorável a desconfortável situação de pensar que o outro tem mais problemas, merece mais atenção, um pouco do nosso dinheiro, nossas mãos braços e os dois ombros se preciso. Não é assim não, meus caros: estamos vivos, e acho que como consequência, devemos acreditar, acima de tudo, em nós mesmos.

Contudo, os sofredores do coitadismo se acham seres especiais e que, não necessitam de mudanças: musos do próprio filme deprê, protagonistas da própria história que não deu certo, querem é estar no centro e que o resto das pessoas se fragilizem com a suas dores. Ao invés de procurar viver em melhores condições, reclamam. No lugar de ir atrás, buscar melhoria tanto interna, como externa, ou fazer da luz única que cada um de nós possui um clarão de insights, um brainstorm de possibilidades, escolhem continuar andando a passo lento, de cara frouxa e miando pelos cantos ao invés de falar decentemente.

Geralmente, compartilham entre si uma dificuldade em conviver com outras pessoas. Somadas a uma auto-estima quase inexistente, e personalidade fraquíssima. Quando a gente para e observa a trajetória dos pseudo-coitados, até fica fácil compreender o porque dessas ações friamente calculadas e que só me causa repugnância, no lugar de dó. São criaturas que, mal sabendo administrar a própria vida, num passado nem tão recente ou próximo, usaram de meios escuros, maldades premeditadas e muita imaturidade e hoje sentem tanto remorso que, querem que o resto do universo por eles tenha compaixão. Coisa quem, me nego. Os mais ingênuos caem, aqueles que não observam com atenção necessária o comportamento que é apenas fachada de mentes não tão boazinhas como aparentam, também. Eu me nego. Fico longe, falo pouco, tento nem tocar - vai que é contagioso.

Minha admiração é pelos que continuam felizes em meio à tempestade, esboçam emoções e opiniões, gostam de estarem em movimento, sabem o que querem dessa vida e, ao invés de fazer beiçinho e falar baixinho ou em segredo com aqueles que neles confiam, correm atrás, vão à luta, e mesmo em meio às desventuras de algumas batalhas, não desistem nunca. Mesmo quando a grana aperta, o carro emperra, a vida dificulta e as pessoas se mostram cruéis. Esses sim, heróis de destaque nas minhas aspirações. Peito estufado, medalha em torno do pescoço: sem choro nem vela, reais campeões.

7 Comentários:

  1. "Eu me nego. Fico longe, falo pouco, tento nem tocar - vai que é contagioso."
    Compartilho da mesma opinião guria. Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  2. Santo Cristo! Você colocou em palavras concretas o que estava na minha mente!
    Temos que ser fortes pra suportar até as piores coisas...porque como diria minha mãe "quando somos fracos, aí é que somos fortes"...nada de choramingar pelos cantos, é hora de levantar a face e ir a luta, machucado, doendo, sangrando ou mancado...a gente só desiste depois do último suspiro!
    Excelentíssimo Texto, merece aplausos!

    ResponderExcluir
  3. Sempre me encontrando nas suas palavras .
    :n

    ResponderExcluir
  4. Também me irrita quem se faz de coitado!Admiro mesmo aqueles que vão a luta superando tudo, de cabeça erguida e não precisa que meio mundo saiba das tristezas do outro e parem para acariciar isso e alimentar mais o sentimento de dó!
    Gostei de mais do texto!


    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Coitadismo, então era isso que faltava no meu vocabulário e eu não me dei conta ahahaha ótimo texto!!

    ResponderExcluir
  6. Nojo, asco e verdadeira aversão ao coitadismo. Já senti que esse texto veio em algum momento de fúria, hahahaha. Tudo verdade, lição pra vida. Gosto é de gente que em vez de sentar e miar as dificuldades ao próximo, fazem por viver em melhor situação "sem choro nem vela"!

    ResponderExcluir
  7. E o pior é que convivemos com muuuuuitas pessoas assim em nossa vida. Às vezes, algumas fazem até sem perceber o quanto isso incomoda, ou mesmo porque se sentem tão sozinhas que precisam apelar para essa atitude - que nos dá asco - para chamar a atenção de alguém ao seu redor. Espero que, em breve, mais pessoas se deem conta do quanto isso é irritante e parem de agir assim.
    Camila, eu já tinha lido esse post ontem, mas me perdi no meio de outros textos teus, mais antigos, e acabei esquecendo de comentar sobre esse. É bom reler teus textos. Parece que é sempre a primeira vez que estamos lendo eles.
    Beijos e bom 2012, que tu consigas alcançar muitos outros objetivos e sejas ainda mais feliz!

    ResponderExcluir