Eu ousei

12.26.2011 -

"Feliz dois mil e ouse". Frase clichê mais dita, até mesmo por mim quando se deu a largada desse 2011 que hoje será apenas mais uma página do calendário virada. A dica para a vida era ousar muito, afinal, já se deixava a primeira década do século XXI para trás, e transgredir é também aprender. Mudar. No final das contas, fortalecer.

Incrível a sensibilidade que nos atinge essa época de finaleira anual, e que consegue fazer um balanço entre bons, ruins, prós e contras dos tantos quase 365 que ficaram para trás. Parando bem para refletir, mês a mês, eu ousei. E como. Encontrei uma força interior que nem eu mesma saberia se existir, se as situações extremas não se fizessem presentes. As cicatrizes - algumas fechadas, outras ainda em processo de otimização - finalizam seus ciclos, uma a uma: ter esperança é tudo que a gente consegue exprimir quando o futuro ali na frente é ainda sombra ao invés de foto revelada. Colorida.

Muitas mudanças, uns tantos tropeços, mas, felicidade: depois de aprender, fica fácil decidir entre o que deveria ter sido e aquilo que, de jeito algum, poderia ser. A gente, que gosta de passar a virada anual na praia, se puder quase enterra todos os erros afim de, assim de repente, acertar. A correria é louca, esses últimos dias se tornam um caos, mas dar um abraço apertado em quem fez nossos dias melhores e um beijo verdadeiro e recíproco assim que o relógio apontar 00:00 é quase uma dádiva. Ousei ao largar o conforto em troca da liberdade. Na escolha de, para se machucar menos, usar do afastamento ao invés de insistir naquilo que aprofundaria ainda mais os machucados que o tempo revela.

Mais uma vez, me atrevi e vi o quanto é bom ter a própria grana, poder sentir o peso de manipular o dinheiro ganho, e o quanto é importante trabalhar pelo que se quer; sonhar, mas também ir à luta pelo que se almeja. Arrisquei também ao decidir compartilhar a minha individualidade com quem a intuição tinha certeza que valeria a pena - e que de fato, ainda tem validade prolongadíssima. Maduramente, me permiti, além de me doar, também a delícia que pode ter a reciprocidade que é o amor. Aquele verdadeiro e bom, que só nos deixa com a sensação elétrica de desejar ser cada vez melhor, sabem? O próprio.

Podem detestar 2011 em paz. Eu deixo. Tive anos em que nada acontecia e achava a vida um tédio. Hoje, realmente não sei se quem não percebia o mundo em volta - ocupada demais comigo mesma, meus livros e vontades secretas - era eu, ou era a civilização toda atrolhada do que fazer que não me percebia decentemente. Acumuladas e torrencialmente, vieram todas quase juntas nesse dois mil e onze que se termina, muitas das mudanças que tanto quis ou já aspirei em tempos nórdicos. O resumo é contente, a retrospectiva, favorável. Acho que quando a gente se ocupa tendo realmente o que fazer, tendo com fidelidade e propósito a quem amar, e buscando cada vez um lugar melhor para estar em, tudo aca conspirando a favor. Se o mundo de fato vier a acabar num dezembro praticamente próximo, espero que eu possa fechar os olhos e agradecer, como será na meia-noite do primeiro dia quem que se iniciará logo mais. A ousadia ainda é a dica mais perspicaz. Porque só continua andando quem se encontra em movimento, e eu? Quero é correr!

10 Comentários:

  1. Bom, pelo pouco que sei 2011 foi turbulento pra ti né guria.
    Acho que foi um ano inesquecível por tantos acontecimentos marcantes.
    E tu fez bem em ousar, em deixar seus medos pra trás e arriscar.
    Desde ja te desejo um feliz 2012 com muito amor e paz de espírito que é as únicas coisas que precisamos para seguir bem.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Ai, o texto tá maravilhoso, como todos os outros, e o blog sempre lindo. Mas, sem dúvida, esse foi o texto que mais me identifiquei até hoje. E em todas as linhas! Já reli umas 928392 vezes e nossa, acho que nem eu conseguiria descrever tão bem o meu ano de 2011. Disse tudo que eu queria e tentava há alguns dias, hahahaha. Beijinho!

    ResponderExcluir
  3. Ainda não fui atingida por esse sentimento de despedida de 2011, não reclamo muito menos digo que foi o melhor de todos. Mas concordo quando você diz que é preciso ousar, ter uma grana própria, sair do que é comodo pra arriscar ;)

    ResponderExcluir
  4. Minhas visitas ao seu blog são constantes. Assim como tomar banho ou escovar os dentes, meu dia só está completo quando por aqui passo. Na correria, acabo por nunca comentar em algum texto seu. Mas, ao ler este texto, senti a necessidade de parar por um minutinho e deixar a minha marquinha. Camila querida, queria antes de tudo, dizer que sou a tua fã assídua há tempos. Só para você ter uma ideia, todos os textos que você está republicando agora, eu já li e reli nas primeiras publicações. O efeito que os seus textos provocam em mim são similares ou superiores aos efeitos provocados pelos escritos de Clarice Lispector ou Caio Fernando Abreu. És um tipo de consolo, "colinho", âmparo. Ao ler este texto, me lembrei que ano passado você redigiu uma belíssima escrita intitulada "Ao ano que vem", e em um dos parágrafos, você diz\; "E principalmente, 2011, que você me faça feliz. Não me maltrate, suplico. Me surpreenda, e faça-se meu herói. Seja o que não foi 2010, e seu papel cumprido será: daqui um ano, quando estiver exercitando o pensamento e novamente dedilhando teclas e ideias, posso pensar 'não acabe dois-mil-e-onze, você não prometeu e existiu." Em síntese: estou feliz que tudo deu certo para ti e está me faltando dentes para tanto sorriso!!! Continue arrasando em 2012, você merece!! Posso afirmar que, além de te admirar, eu necessito de seus textos. Um grande abraço, Divana.

    ResponderExcluir
  5. Eu também ousei, e muito. 2011 foi um ano ótimo, em todos sentidos, e se 2012 me trouxer metade das coisas boas que 2011 me trouxe já tô felizona. Adorei o texto, mas não consigo compartilhar no meu mural :( beijos!!

    ResponderExcluir
  6. Que texto! Pra mim, que te acompanho, noto pelos textos as mudanças em você. Imagino quem convive contigo.
    Parabéns por ter ousado, afinal, isso é viver, certo?
    Esse texto me serviu de motivação para ousar mais e mais nos dias que virão.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Que 2012 seja mais uma caminhada cheia de aprendizados e com seu amor do lado sempre!
    Gostei muito do texto, e colocando os prós e os contras do meu 2011,digo lodo de cara o quanto eu cresci e amadureci!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Lindo Texto! Que em 2012 possamos ousar ainda mais de nosso potencial!
    Confesso que admiro sua ousadia em 2011...a cada texto, percebi o quato você ousava inovar e expressar o que tinha em mente sem medo...e isso, pelo menos para mim, ajudou e muito no que diz respeito a expressar sem medo o que sinto!
    Continue assim guria...ousando cada vez mais...tu vai loooonge :D
    beiiijo

    ResponderExcluir
  9. Se talvez, eu não tivesse ousado tanto, 2011 teria sido tão igual e monótono como os outros.
    E que em 2012, a gente ouse muito, muito mais!

    ResponderExcluir
  10. E que você continue ousando nos muitos próximos anos que virão! E que felicidade ler isso e relembrar o texto "Ao ano que vem", de 2010... Este ano te trouxe mesmo muitas novidades, coisas boas, um amor, independência! E li há pouco tempo sua publicação no mural do que a Alícia, tua irmã disse sobre te devolver a cama. Ah Camila, que mimo e que situação mais complicada, a pequena ainda não entende muito bem as coisas, mas desejo de coração, força pra continuar com a tua vida sempre melhorando e com muitas surpresas! E já quero agradecer, porque você e os seus escritos com certeza fizeram do meu 2011 um ano melhor, de tanto que eles me acrescentaram e continuam acrescentando! Teu dom é uma coisa de louco, linda de se ver. Meus parabéns e feliz 2012 Camila! Que o ano que vem traga o dobro de surpresas e alegrias pra você ♥

    ResponderExcluir