Estimação

12.05.2011 -

Quem é essa que chora com cena de novela, e se pega rindo, irônica e erroneamente, quando a briga é séria? A moça que não vive sobrevive sem doce após o almoço, e se uma soneca no meio da tarde tirar, muda o humor como quem vasculha o próprio armário: à procura do espírito que sirva e agrade. Experimenta. Troca. Aprova, mesmo sabendo ser pouca a duração da escolha. Não fosse por um olhar mais atento, quase não reconheceria.

A dita que no cheiro das livrarias sente o consumo coçar-lhe a mão, o cartão querendo asas na carteira. Horas gastas, obras de perto apreciadas, frustração sem sacolas e mãos que abanam, vazias. E então: sapatos. Coloridos, altos, femininos. Como num passe de mágica, a volta estonteante do desejo de comprar instantâneo, brusco. Experimenta um, quer dois. Poderia comprar quatro no cartão. Senta. Reflete, viaja, conspira. Decide: o preto não, já tem três. O rosa aperta o joanete, a praga e herança bailarina. O azul é diferente. Sai da loja de sacola esvoaçada e o mundo carregado naquela caixa de papelão: a alavanca eficaz pra qualquer auto-estima feminina. O salto, onramental ou simplesmente doze, que deixa a visão mundana amplificada, gostosa de admirar.

É a mesma donzela que chega em casa, e cozinha. Reencarna a Ana Maria Braga distinta que há meses nela se perdeu. Sal de menos, açúcar demais e: nada de paixão. Vai de biquíni pro sol escaldante lá fora, dourado, louro, efusivo; todo seu. Em plena civilização, o ritmo do dia correndo às pampas, e o corpo estacionado em direção ao princípio da existência, à estrela maior. Música nos ouvidos, olhos reclusos, quase sono. Redescobre astros e constelações no céu azulado, esquece as cortinas abertas e se manda pro banho de horas. Se desdobra para não dar show aos vizinhos, de toalha no corpo e cabeça. Finge a surdez quando chamada, troveja a voz, quando a urgência se apresenta. Dama paradoxal, quer os leões do sacrifício diário todos vivos: seus percalços são como bichanos de estimação. Zelo comum: recíproco. Alimento e carinho em troca de resguardo. Para que a cuidem quando a vida quiser a engolir, para que a protejam, vociferando os percalços do caminho, um a um. Cansada de ser várias sem agrado e aplausos exaustivos, quer ser apenas essa uma que dê certo, que ganhe o papel no fim do teste. Dentro do que é, tantas. Em cada uma delas, a mesma, na versão atualizada do que o momento pede, a hora necessita. O encontro da parte sensível, com a brava. A mistura de ser impulso com precaução, instinto e admiração. Deixar que a louca se vá, para que venha a santa, benévola. É quando o tempo esquenta que chove inteirinho aqui por dentro. 

Na fuga da ansiosa, se deparar com a compulsiva. No rito interminável de me redescobrir, é que aos poucos me fragmento. É no meu sono que começam meus sonhos; e ao vivo, que encontro determinação para realizá-los. Definir não limita, impossibilita. Aborta espontaneidades e futuras surpresas. Que é quase outono, e não há porque sacrificar os desafios do caminho: nesses que verdadeiramente nos encontramos, pelas beiradas. Os leões tem de ser cuidados e acariciados, com cuidado e parcimônia. Que é quase outono, e o abrigo é necessário: o pior frio é o que congela a alma e impede movimentos.

4 Comentários:

  1. E esse turbilhão de tudo, ein dona Camila? Você consegue mostrar um pouco de você de uma maneira encantadora nos seus textos, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde.
    Desculpe a intromissão, mas venho hoje divulgar meu projeto paralelo de resenhas literárias, sob o título de O Leitor.
    Se puder participar, agradecemos desde já.
    Obrigada pela atenção.
    Pamela

    ResponderExcluir
  3. Ahh, já tinha lido esse texto em algum lugar, acho que no Depois dos quinze. Adorei. Tua cara, ótimo! Beijoss

    ResponderExcluir