Sumiço

11.11.2011 -

Inesperadamente, ele sumiu. Atende o telefone apenas quando bem entende, responde quase nunca, e tomar a iniciativa em ligar de volta ou a procurar, não faz. E tudo estava bem, você pensa. Era o relacionamento dos sonhos: havia liberdade pro que se quiser e vier, o sexo era ótimo, e até onde você tinha noção, a convivência entre vocês, também. O beijo encaixava, o gosto musical na maioria das vezes, e eram fãs dos mesmos filmes. Você ria tanto quando juntos, que o fazia sorrir na maior parte do tempo também. Agora é a sua solidão atentando o celular a cada cinco minutos atrás de mensagens, o seu desespero checando de hora em hora as redes sociais e a melancolia de incompreender em que parte tudo pifou que nem momentos bons ou sentimentalidades conseguiram salvar o que vocês tinham.

Ele diz estar ocupado, mas passa horas atrás de um carro novo. Coloca a culpa nos familiares, que não colaboram. Nos amigos, que o chamam para mil e uma aventuras. Na faculdade, que anda chatíssima e com inúmeros trabalhos e provas. Ou mesmo, em você - caso tenham brigado, usou uma discussão que se resolveria facilmente entre quem quer ficar junto, e não se afastar cada vez mais, como estopim para zarpar fora. Daí que o rapaz pede um tempo, e você, paciente e amorosa, dá. E diz que irá ligar quando puder; o que reacende aquele tantinho de como era antes internamente. Ficar sem respostas e reações é complicado, eu sei. Porém, frente a um sumiço inesperado de quem deixa de se preocupar se estamos vivas, nos alimentando direitinho e felizes como manda a cartilha, o jeito é se ausentar do mundo, para submergir em si mesma - mesmo que, temporariamente.

Cafona, mas o tempo resolve. Decide nos mostrar o que não víamos, cegas de amor. Faz perceber a fraqueza e a covardia de quem despertou para vida e parou de enganar tanto a si mesmo, quanto aos nossos sonhos alimentados com palavras doces, elogios enganosos e atitudes exageradamente cordiais. Homens, quando somem, é por medo: de deixar que o rumo das coisas apresse, aperte e os prenda num cinto sufocante ao nosso lado. Simplesmente porque são fracos para encarar de frente a ilusão que os próprios teceram. Por pura percepção de que tudo estava ótimo, mas imaturo demais para se tornar maravilhoso. A má notícia é que reaparecem. A boa: quando estamos lindas, felizes da vida, e geralmente, acompanhadas por quem além de não sumir, não desgruda da gente.

8 Comentários:

  1. Bravo Camila!Seus textos são um vício e nos jogam na cara algumas verdades.Concordo: os sumidos se encovam por pura covardia.Medo de perderem o controle de suas emoções.Sentem-se ameaçados.E homens que se comportam como bichos,quanto mais cedo sumirem,melhor!Há muito que não comento você e também que não escrevo,mas tuas palavras continuam me inspirando e fortificando opniões!Deus abençõe essa cabecinha que produz tantas preciosidades,flor!um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Realmente Camila .Caraca ,para de ler meus pensamentos e ter uma bola de cristal antes de iniciar seu processo criativo .Me encontro sempre nos seus textos e acho isso incrível SEMPRE !
    Muito tempo não consegui vir aqui ler e quando venho e essa surpresa das boas ,que ótimo .Precisava mesmo disso ,que querida.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Se o tempo resolve mesmo, não há com o que se preocupar, certo? hahah. Bom saber disso, e constatar a verdade, porque honestamente, ás vezes acho que nunca estarei pronta para lidar com algumas coisas. Mas conto que essa 'cafonice' se faça presente em minha vida. haha! Um beijinho.

    ResponderExcluir
  4. Acho que era o que precisava ler. Ele some, reaparece e agora? Já to bem demais pra voltar atrás. Ah, obrigada tempo!

    ResponderExcluir
  5. Nossa é exatamente o que está acontecendo comigo, perfeito esse texto

    ResponderExcluir