Relationshit

11.25.2011 -

Se auto enganar é arte de moça. Junto ao bordado, à limpeza e aos dotes culinários, vem com aqueles valores arcaicos repassados pela vovózinha, sem ter espaço no dia a dia louco do século XXI. Ele vai mudar com o tempo, ou quem sabe, eu apenas tenha que compreender que é o jeito dele e fim de papo. Me traiu uma vez, duvido que faça a segunda. Vou dar só mais essa chance, não consigo viver sem o homem dos meus sonhos (melhor com, pior sem), e assim, está exercitado o caminho espacial pra ver o relacionamento se tornar, aos poucos, uma bela merda.

Além da vontade de chacoalhar essas meninas que se enganam em amores tóxicos com gente instável, relações de poder onde não possuem o menor espaço seja para opinar, ou tentar qualquer inovação, eu sinto muita pena. Tendemos a achar que os problemas que enfrentamos a dois são os piores do mundo, até que: escuta-se amigas próximas. E não entende como aquela colega aceita ser chamada de exu pelo cara que ama. Ou, como pode aguentar calada a cabeleireira apanhar de vez em quando, porque pro marido - a quem ela não denuncia, nem revida, nem nada disso - um tapinha não dói e sadomasoquismo está em alta como fetiche masculino. Tem aquela amiga que namora, mas mal faz sexo. E pior: acha normalíssimo. Assim como aquela outra que finge estar tudo bem e tudo lindo, quando no fundo (e a gente que é mulher, sempre sente) está é bem conturbada e triste porque, mesmo depois de meses, nada de o rapaz falar em compromisso, apresentar pra família, ou essas pequeninas paranóias que os padrões plantam na mente feminina - e que a gente sempre cai.

Sou parte dessas gentes que é revolucionária na vida, e também com quem compartilha a vida. Sempre a favor de um melhor entendimento,  tentar adequar as manias, irretocar o já maravilhoso para que não se perca nunca o brilho interessante de quando se começa a descobrir o outro; ser uma eterna insatisfeita tem algum lado bom, querer sempre mais do que existe de melhor não me agrega culpa nenhuma, muito pelo contrário: é um perfeccionismo para o bem geral, não apenas egoísmo disfarçado. Me revolto com essa aceitação, pois comigo não teria vez: feito fagulha no feno, de repente incendiaria. Minha alergia a meios-termos seria fatídica para esses relacionamentos, aceitar o que me aflige, idem.

E a gente é mulher e, justamente por isso, se engana pensando que só porque é feminina tem charme de Miss e é capaz de mudar o mundo. Mundo esse, que quando visto pelas lentes de apaixonada, se torna praticamente um só: ele. Notícia ruim: não mudamos ninguém. A parte boa: nos relacionamos apenas com quem bem entendemos. Ou seja, ou conversamos e pequenas mudanças possíveis em prol de bons sentimentos são realmente efetivadas, ou, com o fator do sábio tempo, veremos aos poucos ruir as bases não tão sólidas construídas em cima de algo que foi se tornando frágil, e deixou-se de notar. O embrulho do estômago, a fadiga constante, a instatisfação crescente: sintomas presenciais, sinais de que o que era flor, tem se tornando então, apenas adubo.

13 Comentários:

  1. Parece que leu meus pensamentos. Tenho pensado muito nisso. Ótimo texto, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. eu fui acusada de ser ridicula porque terminei uma relação de muitos anos por não sentir mais nada...

    ResponderExcluir
  3. Adoro como você expõe sua opinião sem camuflagens, estava com tempo zero de vir aqui mas quando venho é sempre uma surpresa, te admiro muito, e vou aproveitar o tempinho do final de semana pra ler tudo o que "perdi" e reler outros textos apaixonantes que você escreveu. Beijo guria, não desanime nunca!

    ResponderExcluir
  4. Texto excelente, como de praxe. :) Concordo plenamente que exigir o que é bom pra si não é instinto de superioridade ou frescura, é apenas nossa sensibilidade feminina querendo ser valorizada. Vejo amigas que acham que podem converter o cara e tals, mas mudanças não acontecem enquanto não estiverem dispostos a fazê-la, dessa forma a relação fica na maior embromação e tento alertá-las e a mim sempre. Que essa vontade de querer o melhor seja impulsionante, e não se acomode a falsas ideologias! ;*

    ResponderExcluir
  5. perfeito! Quando diz que não mudamos ninguém, realmente concordo! não posso mudar meu namorado se ele mesmo não tiver interesse em mudar para seu próprio bem e para o bem do relacionamento!
    Não devemos aceitar a situação se ela nos machuca! por experiência própria, segui seus conselhos quando me respondeu aqui pelo blog, e hoje posso dizer q por meio da conversa, do diálogo de mente aberta, me entendo muito melhor com o queridíssimo e assim, vemos coisas que queremos "mudar" dentro do nosso relacionamento!
    Excelentíssimo texto! amei mesmo, valeu a espera ;)

    ResponderExcluir
  6. Olá, faz nao que não passo aqui. Fim de semestre é complicado, mas enfim.
    Lendo seu texto dá para ver que continua afiada com a escrita e que nada mudou. Sobre os sentimentos é bom ver que é segura sobre eles. Nada do que uma boa conversa.
    Um beijão!

    ResponderExcluir
  7. Texto maravilhoso...cada vez mais a mente feminina acaba se esquecendo de se valorizar...algumas é claro se dão o devido valor e deixam de lado as coisas e caras antigos e começam uma vida nova...
    adorei!!
    http://biiamuller.blogspot.com/
    beijinhos,B

    ResponderExcluir
  8. É verdade minha querida, nós não podemos mentir para nós mesmos...
    se não dá dando certo, termina, vai sofrer,vai... mas vai passar...
    Pior do que continuar sofrendo com uma coisa que não te faz feliz.

    Tava com saudade daquii flor :**

    ResponderExcluir
  9. Isso mesmo ninguém muda ninguém! Odeio ver casais se autosabotando para que fique tudo bem , esquecendo de fazer um ao outro feliz ao invés de se submeter a outra pessoa sempre!

    Meio termos são chatos demais! haha

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Mulheres: se colequem em primeiro lugar, busquem sempre O MELHOR para si e não se contentem com o mediano, somos lindas demias para o meia boca, quer sejam namoros, ammizades, rolinho, tico tico no fubá... Chega de ficar se anulando e perdendo tempo. Mais um na mão que dois voando? Nada disso, mais vale é ser feliz e ter sempre um sorriso no rosto a compartilhar. Não vamos nos permitir essas realções doentias que nada acrescentam!
    Camila Paier, sua linda!Ótimo texto!E como leitora agradeço muito ao carinho com o blog e por sempre postar, mesmo em meio a tantas afazeres (eu mesmo, como leitora estou há muitos textos sem vir aqui ler e comemtar.). Parabéns, é muito bom alertar as meninas.Mesmo que tenham que esperar e ficar sozinha, já já vai valer a pena!Nós em primeiro lugar, sempre!

    ResponderExcluir
  11. O auto-flagelo de se manter em um relacionamento fadado ao fracasso, que nos cansa e irrita é uma coisa triste de se ver. Não tá bom? Vamos conversar, se puder melhorar, bem. Se não, amém. Só da certo quando ambas as partes tentam. Belo texto, coooomo sempre dona Camila *-*

    ResponderExcluir
  12. Achei o título genial e também sinto pena dessas moças. Somos nós quem escolhemos, melhor ficar ao lado de quem cuida e quer bem, ou sozinha, do que com quem não valoriza, maltrata. Infelizmente nem todas tem essa visão e ficam cegas por esse amor podre e destrutivo que sentem. Beijões

    ResponderExcluir