Bem de algumas brigas ocasionais

11.17.2011 -

Sendo muito sincera: desconfio de casal que não briga. Em que ela é conivente com tudo, e ele acaba aceitando os piores desaforos possíveis. Sim, temos que ter uma paciência praticamente santa quando em um relacionamento. É preciso que se converse no lugar de gritar, e que se argumente, ao invés de apenas fazer cara feia e usar da rispidez para atingir o outro. Porém, quando escuto de um par qualquer à minha frente que diz se amar e nunca discordou, ficou de mal por alguns minutos e teve o gostinho das pazes logo então.

Claro que também não sou a favor de que dois pombinhos que sentem amor um pelo outro vivam em guerra, aproveitando juntos os poucos momentos de paz. Brigar dá aquela dor de cabeça latejante depois do choro escandaloso, muitas vezes deixa ferir nosso ego as palavras venenosas do outro, proferidas em momento de raiva súbita, e desgasta, a longo prazo, todo e qualquer relacionamento. É cansativo. Deve-se evitar quando a mulher está de TPM, e o time do cara perdeu. São os tais momentos em que a gente faz uma forcinha, e pensa nos momentos bons já passados juntos, e releva porque no final das costas tem valido muito a pena. Algumas discussões, de tão relevadoras, acabam até mesmo vindo para o bem. Nos fazem adaptar a própria personalidade à do outro, aos poucos, e conhecer nos instantes de fúria, quem é mesmo o rapaz carinhoso que se transforma quando cutucado sem querer - ou a mocinha dengosa que, de repente, se torna fera ferida.

No geral, contudo, conflitos a dois são normais. Falamos que nunca mais ocorrerão, prometemos que daqui em diante controlar os impulsos destrutores é mais importante que a dieta em prol do verão, e rumamos para a reconquista logo depois da reconciliação. E quem não briga, como funciona? Vai guardando para si tudo aquilo que detesta e não diz, acumulando um desgosto por fazer mais a vontade de quem ama que a própria, e denegrindo, aos poucos, a imagem imaculada que tenta salvar lá do início da relação, quando tudo se resumia em dias core-de-rosa, descobertas encantadoras e aquela sensação de novo que o cheiro, o toque e a singularidade de cada um nos dá. Não lutam por suas opiniões, deixam de discutir seus ideiais e aceitam tudo como quem não merece nada além. Até que um belo dia o motivo é grande, o bateboca é intenso e, numa explosão repentina: fim. Acabou-se o amor que aos poucos já andava se extinguindo e nenhum dos dois olhou atentamente.

Defendo então, de maneira inédita, o meio termo. Que se brigue de vez em quando, faça as pazes quase sempre, e desbrave o território do par com parcimônia, mas tendo em mente que o que importa é que se chegue ao comum acordo de vez felicidade tanto no próprio rosto, quanto no de quem a gente mais prefere no mundo. Que o mundo pareça o pior lugar para se estar, quando ocasionalmente os conflitos ebulirem o sistema nervoso, que a gente sinta a sensação de perda momentânea apenas para sermos homéricos e salvadores assim que deixemos enterrada no passado próximo o caos de momentos antes. Que a gente tenha ciência que o gosto amargo de agir com consciência própria e voracidade - de vez em quando - se torna sutil e suave, a longo prazo. Porque quem ama, é afeto inteiro. E quer a parte completa do outro também. Ainda que isso carregue consigo um tanto de atitudes que desaprovamos, ideias distintas ou manias insustentáveis. A amar ainda mais (apesar de, ainda que, mesmo assim), vai por mim: a gente aprende.

14 Comentários:

  1. concordo que uma briguinha de vez em quando faz sim um bem danado.se tem amor de verdade não é uma briga besta que vai fazer com que ele diminua. uma vez até disse pro meu namorado 'amor, a gente não briga, o que tem de errado com a gente?' ele estranhou mas dois dias depois brigamos, veio o arrependimento e os mimos e tudo ficou ainda melhor.continue sempre linda escrevendo a história da minha vida haha, sou uma grande fã, sabe disso.beijão;*

    ResponderExcluir
  2. Eu precisava ler isso. Valeu, gaúcha. Fico te devendo mais essa.

    ResponderExcluir
  3. Mais uma vez arrasando em seus textos! E dando um banho de realidade... desconfio de pessoas boazinhas demais assim como desconfio de casais que não brigam, nao existe essa tal 'perfeição' insana... Se não discuti, não se sabe a opinião do outro, termina sem conhecer o outro!

    ResponderExcluir
  4. Camila e seus textos super reais..auheaoiuh
    Eu acho que quando a gente ama, briga. Briga porque se importa, porque quer mais, porque a palavra do ser amado vale mil vezes mais do que a de qualquer outra pessoa (seja a palavra pra elogiar ou criticar). Briga porque vale a penar crescer junto e fazer as pazes depois.
    Sou sua fã, cada vez mais. Beijão!

    ResponderExcluir
  5. É, por mais que leve muuuuito tempo, a gente SEMPRE aprende!
    A solução para um casal que está brigado é uma dose dupla de humildade! Porque se um deles for orgulhoso, torna-se muito desgastante para quem está sempre disposto a recomeçar e perdoar!
    Muito bem escrito!
    adorei!
    Continua porque adoro seus textos, ainda mais o que falam de atitudes que tomamos dentro de um relacionamento! :D

    ResponderExcluir
  6. Eu concordo. Brigas são necessárias para todo e qualquer relacionamento. Nada melhor do que falar umas besteiras, e segundos depois encher os olhos de lágrimas pedindo perdão. Geralmente, é depois do barraco que percebemos o quão a pessoa ao nosso lado nos é cara, e só de imaginar a vida sem ela, tudo perde sentido. Porém, também acho que brigas frequentes só fazem desgastar o relacionamento. Por isso o equilíbrio é essencial, como tudo na vida. hehe! Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Se houver equilíbrio, acho sim que uma briga ocasional ajuda num relacionamento. Quando tudo é muito certinho, ambos concordam e aceitam coisas sob quaisquer condições, passa uma imagem meio falsa, de felicidade forçada..

    ResponderExcluir
  8. seu blog é muito interessante.visitem http://atitude-critica.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Casal que não briga, não discute é desconfiável mesmo. Em todo relacionamento tem que haver aquela troca de idéias e com isso sempre surge pensamentos contrários, todos nós somos diferentes e não dá pra sempre dizer SIM e abaixar a cabeça toda as vezes que surgir alguém que discorde do que você diz. Brigar é uma forma também de você conhecer outro, as fraquezas e os defeitos. Não existe relacionamento perfeito, existe aquele "perfeito" dentro das imperfeições e você deve amar aquele que está ao seu lado mesmo com todas as diferenças e defeitos. Claro ressaltando aqui, desde que seja uma briga saudável, brigar demais também desgasta mas se nós mulheres soubermos usar as brigas à nosso favor podemos tornar o relacionamento bem melhor com isso, podemos "moldar" o nosso homem a nosso jeito. É isso.

    ResponderExcluir
  10. Você com esse seu dom de escrever e descrever tão perfeitamente o que se passa comigo, me deixa aliviada ler como um conselho esse texto. Venho passando exatamente por isso. Parabéns por mais um texto maravilhoso!

    ResponderExcluir
  11. Até porque se um concorda com o outro sempre, é sinal de que há algum problema sendo jogado para debaixo do tapete! rs


    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Concordo plenamente!
    Também me irrito quando vejo um casal onde tudo é tão perfeito. Briguinhas (na maioria das vezes por motivos bobos) fazem bem sim, até porque, acho que deve ser enjoativo viver num conto de fadas eterno.

    Mais uma vez, parabéns Camila!
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Texto perfeito para o dia de hoje...
    Parabéns Camila...

    ResponderExcluir