Uma consumidora compulsiva

10.21.2011 -

Tudo bem, eu admito. Compro. E gasto demais enquanto compro. Vou contar desde o início como essa sina toda começou: um belo dia, começa-se a estagiar. Sim, você fará uma faculdade e, já que quer se mostrar independente e crescida para os pais, além de ter o próprio dinheiro e mais autonomia no ir e vir da porta de casa sem dar satisfações ou pedir grana emprestada, você começa a trabalhar. Algumas horas por dia, aprendizado na área em que futuramente atuará, e no final do primeiro mês, seu primordial e primário salário. Mesmo que a quantia seja pequena, que pro Eike Batista e suas ações represente algo próximo de dois centavos ou uma coceirinha de segundos, você já imagina uma vida de possibilidades onde a carteira pode ser aberta com felicidade toda vez que se faça desejável: poderá comer fora quando e onde bem entender, comprar todas as roupas e sapatos possíveis do univeros, o que antes precisava de choro e drama aos genitores (pior ainda se você tem irmãos, pois a regra do "o que dou a um, devo dar a todos" já se encontra no biotipo de quem escolhe ter filhos), sair para quantas festas sobrar fôlego, disposição e vontade, enfim: o mundo parece seu. Mas não é.

E sabe por que não? Pois existe um pequeno tropeço, uma pequena armadilha em que todas nós, mulheres, estamos muito mais tentadas a cair que os sensatos rapazes. Tem nome, e parte-se em três palavras que compõe o anjo e demônio dos dias nossos: cartão de crédito. Faz-se um, e parcela-se, o que faz com que sentir o preço das aquisições acabe ficando para todo mês, no letal dia escolhido para que a fatura chegue, se arrastando aos meses seguintes em que as compras foram sendo divididas. Os preços passados pelo objeto divididos então entre limite, jurus e boa parte do seu precioso salário. Cheguei a ter seis cartões (nem todos de crédito, porém, que me fizeram ter contas e mais contas, mensalmente). Farmácia, lojas de conveniência, grandes magazines: só por ganhar um mísero capital, a gente se julga capaz de pagar por tudo. E ganho pouco mais de um salário mínimo. Porém, existe a tal a sensação da compra. Que é inenarrável. Quero ver entender, quem não se acostuma a ter tudo que antes não podia nas mãos, a pegar aquele vestido que ficou per-fei-to, levar até o caixa, assistir com olhinhos brilhando ao processo de decodificar o produto e ver a compra ser aceita - tudo para sair da loja sacolejando a beleza para despir à noite. Impossível. Os econômicos não entendem; por vezes, julgam. Aquele perfume de coisa nova é totalmente essencial, assim como as duas sapatilhas levadas para casa numa só semana, e os três casaquinhos de cashmere em promoção, tão bonitinhos e de bom caimento (ainda que já seja primavera, precisamos pensar a longo prazo, oras).

Quando brigo ou me frustro, ao invés de atacar a geladeira, eu congelo a razão e vasculho minhas faturas on-line - que agora são de apenas dois cartões de crédito, mas que incomodam ainda assim - para ver se posso curar um pouquinho do que me entristece me sentindo ainda melhor. Vale supermercado, ida ao salão de belezas, aceito até mesmo brindes ou amostras grátis. Mas a possibilidade de se embelezar a vida com algo novo, a diferença de se sentir mais mulher, mais criativa e com um armário que dê opções para noite, dia, sapatos, bolsas e jóias e artefatos que nos deixem com tal sensação de poder que, mesmo que o mundo caia, que levemos um fora, que a família nos esqueça, o mundo pareça um lugar habitável. Se conhecesse Becky Bloom, talvez nos tornássemos além de boas amigas de compras, confidentes de compradoras compulsivas. Tentando melhorar tendo ao lado quem compreenda o delírio que o cheiro de peça nova devasta sob nós, clientes ávidos e endividados a longo prazo.

13 Comentários:

  1. Comecei a trabalhar a uns 2 meses, e como é bom receber e sair pra gastar, não pedir dinheiro pros pais (*--*), ir pra todo lugar que me der vontade. Realmente, não a sensação melhor que essa.. Não fiz cartão de credito AINDA por falta de tempo.. e como já fiz conta sem ele, vou ter que esperar mais um tempo pra fazer! hahaha.
    Muito bom texto, adoro o blog! :D

    ;*

    ResponderExcluir
  2. cartao de credito com limite é a melhor terapia!!! rsrsrs

    ResponderExcluir
  3. O que posso dizer? :P hahahahahaha

    ResponderExcluir
  4. ei, entendo perfeitamente essas vontades de comprar.
    Hoje mesmo não resisti e lá vai parcelamentos e o "choro" na hora que a conta vem.
    Mas fazer o que né? Não vivo sem. ;)

    ResponderExcluir
  5. putz.
    eu comecei e enlouqueci.
    ñ entrei no spc, pq ficava pagando o triste valor mínimo.
    aos poucos fui me livrando.
    então, chegou o dia em que quebrei os cartões d crédito.
    isso faz, sei lá, uns três anos.

    hj tenho apenas um. e já cheguei a uma fatura misérável maior q meu salário.
    felizmente, ñ sei pq, acho q me contentando com minhas roupinhas velhinhas, a fatura veio pouco mais d cem reais este mês. e quero DISCIPLINAAAAAA. o espírito da boa samaritana calçado com velhos chinelinhos.
    meu deus.

    é terrível.
    e eu só queria comprar...

    ResponderExcluir
  6. Acho que quase todo mundo que começa a trabalhar passa por isso. Mas com o tempo a gente vai aprendendo a controlar a grana e a nós mesmos.

    beijos, coração.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Olá! Adorei seu blog, muito criativo! Também tenho um blog e gostaria que vc desse uma olhada. O endereço é: http://www.criticaretro.blogspot.com/ Passe por lá! Lê ^_^

    ResponderExcluir
  9. Vi esses dias a foto desse post e achei o máximo. A frase é perfeita né? Não sou uma consumidora compulsiva, costumo ser bem controlada. Mas não da pra negar: o mundo fica melhor quando fazemos uma comprinha. Meu cartão de crédito vence mês que vem, e metade do meu salário vai só para pagar alguns livros que comprei. Inclusive um dos livros é 'Os delírios de consumo de Becky Bloom'. Tomara que eu não vire uma consumidora compulsiva, hahaha! Beijão lindona, bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  10. Aaaa como eu ando aguardando meu primeiro emprego/salário pra poder me deleitar com as compras..

    ResponderExcluir
  11. ahahahah coooomo me identifiquei com isso e lembrei do meu primeiro emprego!
    Eu pensava exatamente assim! Coisa boa poder comprar o que se quer, a hora q se quer, gastar o rico e precioso dinheirinho, por mais que pouco, mas da maneira que quisermos sem precisar dar nenhuma explicação.
    É uma sensação inexplicável. E como faz bem!
    Claro, nada que seja extremo é bom, mas de vez em quando acho válido.

    Beijão e muuuuita inspiração pra ti!

    ResponderExcluir
  12. hahahhahahha ameiii ahhh e esse filme define nós mulheres seguindoooo
    me siga tbm
    http://dicasdadacy.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Je-sus MUITO EU! Teve um mês que até o dinheiro da passagem para ir trabalhar eu torrei hahahaha tive que pedir emprestado pra minha mãe depois!

    ResponderExcluir