Eu, a densa

10.17.2011 -
 
Ah, mas nossa, como você tem "personalidade forte". É, ela é uma menina de "gênio difícil". Dá medo, é isso? Quem é que me controla quando todas as visões da minha intuição impulsiva conseguem apenas mostrar a visão do centro, no olho do furacão? Eu quero destruir toda essa escória que deixa meus dias insalúbres para passar na garganta. Minha vontade é estrangular tudo que me tira o riso, me desce as lágrimas, deixa à mostra a garotinha indefesa e chorona que existe no meu universo particular - e que visitantes são restritos. Preciso parar, mas é na adrenalina que encontro o desejo da continuidade. Sei onde está o freio, mas de repente sinto o pé forçar cada vez mais o acelerador errante em que daqui a pouco voam placas, mais à frente se machucam pessoas, logo depois, eu é quem bato ou voo ou me safo, que já é difícil achar quem capte tamanha pressa.

Porque, moça, você precisa levar as coisas menos a sério. Levar a vida mais leve. Deixar que a vida a leve. Levíssima. Mas não. Coloco minha mão pesada nas tarefas ardilosas que não me tiram nem um sorriso por hora, dou um jeito de meter minha opinião ácida onde o homogêneo tedioso da calmaria alheia deveria estacionar. Culpada, estrago momentos felizes com brincadeiras impensadas. Sentenciada, permito que minha loucura incansável fure as madrugadas e tape o buraco de resolver mas não voltar ao normal após cada atrito causado.
Já quis ser mais leve, quem disse que deu? Tentei meditar antes do surto, treinei minha fala para que trancafiada no peito permanecesse, e por entre os dentres não penetrasse. A gente fala e atinge o outro feito flecha lançada: igual ao que era, não volta. Permanece talvez um pouquinho de sangue, um bocado de sentimento perfurado, o rasgo entre não imaginar o pensamento que alimenta a pessoa sobre nós, e então, agora saber as verdades que o subconsciente do outro inventa da gente.

Pensa um pouco antes de dar essas cabeçadas por aí, senhorita insensata. Quem disse que o mundo deveria ser como você, chefe que apenas acha que manda, instituiu? Quem dera entregássemos roteiros aos outros e eles que seguissem aquilo que nossa criatividade sublima. Desejávamos nós que todos sentissem a intensidade do nosso âmago, a existencialidade do nosso peito; acelerado, rítmico: aperta, aperta, aperta, alivia e espera qualquer outra contração em forma de susto preciptado, percepção atravessada, feeling antecipado para que nenhuma dúvida deixe de sanar ou nos enlouqueca uma vez ou outra. Bem quis ir pelo caminho mais fácil, só que quem construiu as pontes elevadas, os abismos perigosos, deixou também as pedras no meio da rota de fuga entre o clichê e o singular. E claro, fui eu própria.

Andar direitinho na corda bamba era necessário, mas tão apático e monótono que por osmose, me consumia. Deixei de impedir que cada ato que tenho se torne mecânico, porque sou composta de inexplicações ilógicas, no lugar de onde atitudes pré-meditadas deveriam surgir. Eu falo mesmo: guardar para mim apenas aumentaria a cota de bobagens que o diabo arquiteta pra momentos onde a mente deveria esvaziar. Eu ajo mesmo, já que nada é com intenção ruim e o que mira na bondade, em tripo vem até nós mais tarde. É simples, basta que entendam que leva tempo até que com perfeição consiga traduzir pro resto do mundo essas regras que auto me imponho, as condições que me fazem ou infantil ou pura ou genuína ou maldosa. Ser-viva.

13 Comentários:

  1. Adorei!
    Os impulsos às vezes machucam mesmo, mas se guardamos as palavras hoje, amanhã guardamos vontades, atitudes, e logo em seguida vida. Admiro muito sua maturidade em não só se conhecer mas se assumir, e ir aos poucos aprendendo a lidar com todas as qualidades que possui.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  2. Esqueci de dizer! O novo visual daqui ficou ótimo!

    ResponderExcluir
  3. "O segredo de andar sobre as águas é saber onde estão as pedras"

    Tenha uma linda e abençoada semana!!

    Bjss Ta!!
    tatapalavrasaovento.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Adorei o texto e super me identifiquei com ele, sou mega sem freio às vezes. Parabéns, tu escreves muito bem, mas tu já sabes disso certo? Um beijo!

    ResponderExcluir
  6. Como pode tanta semelhança desde os textos românticos, até os mais diretos. De personalidade?

    Não sei, mas desde que comecei a acompanhar teu blog, me identifico. Sempre.

    É ótimo isso.

    Talento e vontade a ti, pra continuar fazendo o q faz melhor.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Resumindo...autêntica! =)
    Adorei o texto e o novo visual do blog!

    ResponderExcluir
  8. Primeiríssima observação: Lindo o novo visual do blog, agora com a sua caricatura toda autêntica lá em cima!
    E sobre o texto, o que comentar, afinal? Esbanja singularidade, mas dá orgulho! Assumir que a impulsividade é grande, mas é soma do seu "eu". E dar a cara a tapa mesmo! Levar a vida na sombra e água fresca não funciona para alguns. Parabéns, Camila ;]

    ResponderExcluir
  9. Parece até mesmo que ta falando de mim, fico boba como nos parecemos em alguns muitos aspectos... (:
    As inovações por aqui não param né? Desde as muitas publicações ao design, parabéns guria, gosto de ver isso aqui sendo atualizado mais vezes ^^
    beijãão

    ResponderExcluir
  10. Gênio forte mesmo,pelo seus textos já dá para captar isso! haha
    É bom ter uma personalidade marcante, própria! No caso a personalidade difícil é mestre para trazer para si as melhores pessoas,pois são as que entendem essa sua vontade enorme de tudo,intensidade né?!

    Beijos,adorei a layout, tá lindo!

    ResponderExcluir
  11. A geniosa que escolhe meticulosamente o melhor material para a contrução das próprias estruturas? Sim, é o que parece daqui.
    O mundo deveria requisitar um lote desse protótipo tão arisco e imprevisível. É a fuga certa do lugar comum e um estímulo intermitente para os sentimentos.
    Apóio com vigor toda essa manifestação intensa de personalidade, essa batalha temperada com plenitude, brilho nos olhos e amarras num único coração.
    Quem sobrar do apocalipse da genuidade saberá valorizar o que não foi dizimado pela opinião da autora.

    Sua função é inspirar quem nasceu com uma venda nos olhos e não conhece o ar puro da independência.

    Certo, Camila?

    ResponderExcluir
  12. Autenticidade!
    Claro, às vezes quem age assim fere os outros sim, mas com o tempo a gente aprende a lidar com tudo isso da melhor forma possível.
    Falar, agir, sendo para o bem, não vejo mal nenhum. Meus pensamentos também não existem para serem guardados, e, se forem lindos, prefiro que sejam compartilhados!
    Amei o texto!

    ResponderExcluir