Da Mei: procura-se.

10.31.2011 -


onde será que enterraram os restos mortais do romantismo? ando tão cansada de bancar a mulherzinha moderna, super-heroína, aquela sem interesse em compromissos, em relacionamentos sérios,  que estou pronta pra incorporar a paleontóloga e escavar onde for para resgatá-lo. é de admirar-se a falta de sensibilidade que acomete algumas pessoas da “minha geração". 


(re)inventamos o verbo "ficar" e somos nós que ficamos na mão quando o desejo de oficializar quaisquer namorico aparece. quero de volta notar o rubor nas bochechas da pessoa que me encontra; reconhecer um brilho diferente no olhar do outro quando estes com os meus se cruzam. sem pieguices, que também não sou dessas, mas meu eu-afetuosa está cansado de ser massacrado pela secura das relações que me cercam. quero andar de mãos dadas em algum parque nas tardes de domingo. sentir novamente um nervoso antes de ter meus lábios tocados por alguém especial pela primeira vez. a folia da micareta não faz sentido no mundo. eu quero alguém que me dê flores, mesmo sendo amigo. alguém que me escute, e não queira apenas fazer sexo. poder recitar poesias de amor sem parecer clichê. nada de clarice, nem caio, nada profundo, conturbado, nem moderno e contemporâneo. eu quero  o sofrimento do werther, de goethe, que se mata em nome de uma paixão inconcebível. ou da isolda, de wagner, que ao encontrar seu tristão morto, sucumbe à morte por tristeza, pois não suportaria a vida sem o seu verdadeiro amor.


há dias que simplesmente acordamos assim, querendo amar, querendo morrer. ter o que sentir na carne, na alma, na vida offline. eu hoje quero um amor a moda antiga e não apenas alterar meu “status” de relacionamento das redes sociais das quais participo. se amanhã ainda estarei assim, não sei. sei que neste momento quero o mesmo amor de camões: aquele que ardia sem se ver, doía sem doer, nunca contentava-se de contente, ganhava ao se perder.

8 Comentários:

  1. E que falta faz esse amor ó... É tão estranho ser romântica, sensível em meio a tantos frios, modernos, seres que só ficam, só curtem...
    beijos.

    ResponderExcluir
  2. Realmente concordo que o tal romantismo perdeu-se.Mas acho que foi por que o amor dói,dói quando não é correspondido e a gente se cansa de ficar amando e se entregando pra quem nem se importa ou deseja outra.O romântismo teve sua época de experimentos e todos nós já sabemos do que se trata,do mesmo modo que temos o medo de amar e não ser amado os outros também tem,daí cada um começa a tomar cuidado e a essência do amor se perde.
    Adorei o texto (:

    ResponderExcluir
  3. Amei demais o texto e me identifiquei demais. Nossa, tu escreve muito bem Mei, parabéns :D

    ResponderExcluir
  4. Eita! É desse tipo de amor que o mundo sente falta...

    Lindo texto, parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Nossa, Meiri, vc escreveu exatamente o que penso sobre os relacionamentos atuais. Nem pros jogos de sedução eu tenho paciência.
    Belo texto com ótimos exemplos literários.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Where are you????
    Céus, cadê ein?
    Gostei mesmo desse texto teu 'Mei'!
    Tá faltando mesmo...
    Parabéns!

    ResponderExcluir