Calmila responde: A ilusão do canalha egoísta

10.03.2011 -


Olá Camila, tudo bem? 

Tudo ótimo, e contigo?

Bom, a principio me envolvi numa amizade perfeita com um menino da faculdade, o qual me conquistou e a cada dia mais se mostrava quão bom ele era. Amizade essa que, às vezes era de certa forma regrada por ele manter um relacionamento com uma "amiga" minha.  

Certo, primeira parada: vocês se conheceram na faculdade, ficaram amigos, e então o relacionamento ficou REGRADO por ele pelo simplório motivo de ele manter uma afetividade com uma amiga sua. Por enquanto, só amizade então.

Até que descobri que essa tal amiga não era digna da sinceridade que eu dedicava a ela, então nos afastamos. E no meio desse afastamento houve a aproximação com o menino que citei. Éramos inseparáveis, e cada dia mais nos conhecíamos e víamos como nos gostávamos. 

E tudo amizade até então? E você sem segundas, terceiras e quartas intenções? Sei, mas duvido.

Então, ele terminou com a menina que briguei, e passou a dar em cima de mim, e eu, assim como o esperado não resisti. 

Bingo!

Começamos a ficar, entretanto, às escondidas, para evitar futuros problemas e constrangimentos, se é que você me entende.  

Desculpa, mas não sei se entendo, porque nunca deixaria que cara qualquer no mundo quisesse me esconder. Se quer ficar comigo, que fique em lugares públicos, ao vivo e em cores pra que todos assistam. Acho que é assim que funciona - e deve proceder - relacionamentos saudáveis: às claras. Em quaisquer situações.

Mas antes de iniciarmos qualquer coisa ele conversou comigo, pediu que eu não me envolvesse, que eu não gostasse dele porque eu sabia que ele não valia nada. 

Nesse ponto ele foi sincero. Me admiro você ouvir isso, e insistir ainda assim no que não poderia ter bom futuro nenhum. Outra coisinha: não existe isso de "não se envolva comigo, eu não presto". Não. Ele não presta pra você, não nesse momento da vida, nem nada. Ou você acha que se ele estivesse pegando a Juju Salimeni ou a Ellen Rocha seria tudo às escondidas ou ele diria que não é para levar a sério, porque ele é um cafajeste (de meia tigela)? Pensemos um pouquinho, meninas. Ser racional faz bem de vez em quando.

E mais: ainda concordamos em ficar com outras pessoas, sem sentir ciúmes um do outro. Sendo assim, eu aceitei, afinal, conforme a gente combinou isso seria apenas conseqüência de uma atração.

Mas lógico que não era. Ledo engano do seu coraçãozinho em relação à sua mente. Outro erro. Começa assim, com você aceitando milhares de concessões que sabe não merecer, e acaba você mal, chorando na ponta da cama, limpando as lágrimas na camiseta de pijama. Triste, mas real. Pra que outras pessoas se ele está feliz com você? Hoje em dia, não aceitaria isso. Ainda mais já conhecendo e sendo amiga da peça com quem estaria envolvida. Cilada, amiga.

Tudo era ótimo ao lado dele, a gente se divertia, éramos totalmente cúmplices um do outro, e sempre colocando nossa amizade em primeiro plano. 


Que amizade? A colorida? Se autotrair é inevitável às vezes, eu sei.


Ele sempre demonstrou muito carinho, afeto, preocupação, confiança, sempre fez de tudo por mim. 

E deixou de ficar com outras? E quis ser apenas vocês dois? E se ele era tão bacana, porque você NÃO PODIA (e segundo ele, isso foi um aviso danoso) se apaixonar por ele? Incompreendo.

Até que, quando eu vi, estava apaixonada. E ele insistia em repetir que eu não podia gostar dele, porque era a última coisa que ele queria na vida é que eu sofresse, e ainda mais por ele.

Difícil que seja apenas eu que esteja notando as contradições ao longo da história. Vocês eram felizes, estavam de certa forma "juntos", mas daí, poxa: você se apaixonou, perdeu o jogo e entrou na fossa - e ele ainda ficou MAL com isso? Não existe, meu amor. Se ele tivesse realmente sentido a dor que você teve, ele faria algo. Ação. Disso, homens entendem bem, vai por mim. Ficar triste por você é pouco demais pra um sentimento que nasce involuntariamente sozinho.

Eu, completamente envolvida. Ele começou a perceber e se preocupar com o envolvimento, que tava sendo excessivo. Entretanto, continuamos ficando. 

Uma grande preocupação a dele, hein. Nota-se. Ele queria você apaixonada, mas não ele. Caso ele tenha se apaixonado também, um pouquinho que fosse, a covardia era maior que tudo. Ou seja: não valia a pena. Assim como ainda hoje não deve valer. Pessoas amadurecem, mas mais que frutas, demora.

Até que certo dia, ele contou que tinha ficado com uma menina que eu não simpatizava, e que por sinal, já tinha pedido que ele não fizesse isso, jamais. 

E isso é gostar realmente de você? Isso foi a tal grande preocupação que ele disse ter tido? Estou sendo irônica, e você, aí dentro amiga, sabe que não. Ele é um canalha, porque nem pra cafajeste ele tem classe. E dos mais incoerentes. Basta fugir.

Como boa ariana que sou, através de impulsos, disse que não queria mais ficar com ele, e terminei o que a gente tinha, mesmo que me corroendo por dentro. 

Pela primeira vez até aqui, fez certo. E acha que fez errado. Como pode? Antes cortar a raiz desse mal que ver florescer ainda mais tristeza e incomprenssão aí dentro, guria. 
"Terminei o que a gente tinha" - E o que era mesmo? Eu não vi nada de comprometimento e concreto em tal relacionamento, perdão.

Mas logo em seguida, bateu o arrependimento e a sensação de que ficar sem ele seria pior do que tudo. Ele perguntou se era aquilo mesmo que eu queria, e eu disse que sim. 

Parabéns pelo lado racional, que pulou na frente, e por você ter sido forte, uma vez que fosse.

Depois, ele falou que eu estava terminando pelo pior motivo, porque ele ficou com essa menina porque estava bêbado, e que ele podia estar com a mulher que fosse, na festa que fosse, que no final ele sempre queria só eu, e que eu era mais do que uma ficante, uma namorada, eu era a única parceira que ele tinha, que tava com ele pra tudo. 

Paremos um poquinho: você, a rainha do mundo dele. Você, concretamente não reprensentando absolutamente NADA pra ele. As duas coisas não fecham, não combinam e nem harmonizam. Concorda? Terminar O QUE? O que é que vocês tinham? Eu não vi nada aí a não ser de "pegação-de-vez-em-quando-e-ele-enrolando-você-que-fingia-estar-bem-com-tudo-isso". Ponto. E ah, serve pra vida: bebida não é desculpa. Fazemos bêbabos o que muitas vezes gostaríamos de fazer sóbrios e nos falta coragem. A dica.

Mas isso não mudou nada, e ficou certo de que estávamos separados. Porém, no dia seguinte, depois de uma festa em que agi somente por impulsividade, ele me ligou, e perguntou o que eu realmente queria. Por orgulho, não tive coragem de falar que eu queria e quero ele.


Sendo honesta e sincera com você (talvez não muito delicada também): graças a Deus, ou à sua racionalidade, ou à sua intuição, ou à você mesmo que teve um insight, você não falou isso. Você quer agora, que o calor do sentimento ainda esquenta as veias e o peito. Daqui um tempo, afastada, poderá ver o quanto não valia a pena se afundar em algo que, cada vez mais, seria problemático.

Então ele pediu que eu pensasse o que me faria sofrer menos: continuar ficando com ele, mas sabendo que ele não consegue namorar no momento ou a gente terminar definitivamente. 

Termina. Termina, guria, que isso de "temporariamente" não existe. Pessoa certa no momento certo, eu acredito. Você vai se poupar de muito sofrimento que, pelo visto, ele ainda poderá (e sabe disso) causar.

Agora, não sei o que eu faço. Eu sei o que eu quero: ele. Mas não sei se consigo ter ele pela metade, e acho que ficar sem ele seria pior do que assim. Sendo assim, mediante todos os textos que você escreve e eu me identifico plenamente, sei que irá me ajudar, e acima de tudo com sabedoria. Sou sua fã, mesmo sem te conhecer. Um beijo querida!

Pois então, amada. Ao longo do texto, dei várias dicas de como procederia. Não existe isso de "não consigo namorar". Pode apostar que, quando aparecer a garota ideal, ele não vai nem titubear em se comprometer com a melhor mulher no Universo. Homens são práticos, pra nossa felicidade (caso saibamos disso e não fiquemos com paranóias e fantasias por trás de qualquer coisa dita ou feita) ou infelicidade, já que somos tão idealistas e sonhadoras (e iludidas). Enfim, caia fora, o quanto antes. Quando um cara quer, nada o impede - e eu até mesmo já escrevi sobre isso. Boa sorte, guria!



Quer mandar sua pergunta também? Escreva direitinho e envie pra camilapaier@gmail.com, que então é só aguardar uma resposta bacana aqui no blog!

4 Comentários:

  1. Já me aconteceu sabe, voltei a ficar com um ex namorado que não queria voltar a namorar, porque fiz muita 'bobagem' enquanto estávamos separados, no final (atualmente) estamos juntos, de tanto eu insistir. Não sei se no caso dela vale a pena, já que ele demonstra não querer assumí-la. Já vi casos do rapaz enrolar a moça anos com essa de não quero namorar, e começar a namorar 2 semanas depois com outra. Sacuda esse comodismo da parte dele, mostre seu valor.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente, já passei por isso. É aquele sentimento burro de que se tu ficar ao lado do cara nesse tempo "não posso namorar agora", quando ele estiver novamente no mercado ele namorará contigo. É estúpido até de explicar, mas enfim, o que a outra Amanda falou é completamente certo. Isso de não querer namorar é papo furado, é porque ele, perdão, não te ama ou não gosta de ti o suficiente pra ter um relacionamento sério, com comprometimento. CAI FORA!

    ResponderExcluir
  3. Eu adorei esse "Calmila responde" de hj. Não por ter garotas que se identificam com essas histórias, mas sim por vc tentar fazer a pessoa cair na real com esse tipo de sentimento. Parece que a pessoa fica cega. ALOOOOOOOOOOOOOOW! Se ele quer não tem essa onda de "não consigo namorar". ¬¬

    ResponderExcluir
  4. Cabe a nós mulheres ter sempre muita racionalidade,as vezes colocamos o lado emocional a frente e acabamos perdidas!
    Nesse caso então não há "amor" que resista,aliás amor é aquele correspondido e que faz bem. Esse passa,pois não vale a pena uma pessoa assim!

    Beijos!

    ResponderExcluir