Calmila responde: sobre decepções e tatuagens.

9.16.2011 -
 
Olá confidente, quero dizer, Camila (: rs

Olá, olá

Bom, hoje quero perguntar-lhe sobre decepção. E não é a decepção que me causam, mas a que eu causo às pessoas, às pessoas que mais amo, por sinal. Para deixar mais clara a minha dúvida, eu te pergunto: o que é que a gente faz quando gosta de uma coisa que a maioria das pessoas condena? A gente, simplesmente, desiste de gostar? Ou luta para provar que este 'gosto' não muda quem realmente somos?

Pois então, vamos lá. Sou do time de pessoas fascinadas por desafios. E, quando gosto de algo, não ligo um segundo sequer pra opinião alheia. Se é do meu gosto, se faz se revirar o meu coração, se me tira o sono e faz suar as mãos, ou simplesmente, brilha os olhinhos só de falar sobre, eu luto pela causa. Acho sempre válido e autêntico. O que seríamos se todos gostássemos exatamente das MESMAS coisas? Nada nem ninguém.

O fato é que minha avó detesta tatuagens, e eu tenho 4. Tinha 3 até alguns dias atrás, e fiz a 4ª há pouco tempo, sem que ela soubesse. Mas ela descobriu, e não me pergunte como porque nem eu sei direito, foi um descuido, vai entender.

Ou seja: você tinha três desenhos pelo corpo e tinha conseguido esconder até então? Nossa, te admiro. Descontraída e inconsequente do jeito que eu sou, não conseguiria esconder sequer uma. Puxa, que complicada a situação. Se você for bastante apegada à sua avó, te entendo: pra quem não sabe, ou não leu Twitter meu a dentro, sou a netinha da minha vovó. Hoje, moro com ela. E sim, admito que deixei de fazer meu tão sonhado piercing no nariz até hoje porque a mamãe do meu pai, portuguesa e religiosa, não entenderia bem essas modernidades expressas no corpo. É complicado mesmo. Ela, sem dúvida, se assustaria. Se bem que, com o tempo, aprenderia a conviver e aceitar que era uma opção minha - ainda mais no meu caso, sendo maior de idade. É complicado pra quem não é da nossa geração compreender essas nossas vontades loucas e que precisam ser supridas agora, nesse momento. Tatuar-se é uma maneira de expressar, no corpo, algo que é importante pra gente (ou deveria, ou na maioria dos casos, enfim) e se você pensou e fez se arrependimento nenhum, defenda de quem não tem a mente tão aberta a inovação que você escolheu pra chamar de sua!

Eu sei que é errado esconder coisas de quem nós amamos, mas eu não queria decepcioná-la, apesar de tudo. Como diz aquele ditado ao qual eu acreditava piamente: “o que os olhos não vêem, o coração não sente”, não é?! Bom, acho que não, afinal, o da minha avó sentiu... 

Acho que não só o coração sente, como a intuição avisa. Minha avó acharia estranho também, não nego - mas porque sou apegada a ela, o que acredito que você seja também. Enfim, mas como disse acima, com o passar dos dias, meses e o tempo ela tende a ver que é algo normal pra sociedade de hoje em dia ter tatuagens ou piercings. Já passou até mesmo aquela fase em que se deixa de contratar alguém por conta disso. A tendência é que seja algo cada vez mais aceitável, afinal, todos estamos envelhecendo e os jovens profissionais de hoje, serão os chefes de amanhã.

Ela nem olha direito pra mim, acredita?! Pela primeira vez na vida eu tive alguém, além do meu pai, que se importava comigo de verdade, que fazia questão da minha presença, e eu estraguei tudo. Pela primeira vez eu fui filha e não mãe, e agora, agora eu nem sei mais o que eu sou.

Já conversou com ela sobre isso? Às vezes, uma boa e sincera conversa, com olho no olho, resolve. Mesmo que não seja resultado imediato, tende a amenizar as situações. Chegue e peça para conversar, caso ainda não tenha ocorrido.

O que eu faço? O que eu faço pra ela me perdoar? Eu preferia ser expulsa de casa do que receber essa indiferença sabe, esse olhar de ‘condenação’. Eu sinto tanto por ter magoado alguém tão importante, eu sinto tanto, tanto. 

Pedir desculpas é uma alternativa que tem quase que 95% de eficácia nesses casos. E conversar sobre isso também. Explique o medo, dê cara ao sofrimento que você carrega no peito. Tentar ainda é o melhor - e mais curto - caminho que a bússola interna aponta para uma reconciliação de sucesso.


Mas não quero pedir desculpas, não quero que ela pense que eu me arrependi de ter feito essa tatuagem, porque eu não me arrependi disso, só de tê-la decepcionado, só isso, tudo isso.

Bom, nesse caso, peça desculpas por decepcionar ela, mas seja firme quanto à sua opinião positivia sobre tatuar o próprio corpo. Ouça o que sua avó tem a dizer, e fale também o que te aflige, o que tem te deixado triste - mas sem acusações e vozes exaltadas ou olhares tristonhos. Conversem como duas adultas que se gostam muito e conseguem resolver as suas diferenças.


Obrigada Camila, por abrir esse espaço para os meus 'desabafos', obrigado mesmo *-*

beijo :*

Capaz, de nada e outro beijão! Boa sorte!


Quer enviar também a sua decepção, desabafo, pergunta? Send pro camilapaier@gmail.com e é só aguardar!

1 Comentários:

  1. O que me segura para fazer uma tatuagem, é exatamente essa decepção que minha mãe iria ter comigo. É muito chato quando quem menos você quer decepcionar, é quem você acaba decepcionando.

    ResponderExcluir