Calmila responde: A neura da priminha atirada

8.24.2011 -
 
Eu namoro um cara há 4 anos. Eu o amo e somos o típico casal à la anos 50: temos uma vida inteira planejada, juntos. Eu me sinto bem quando estou com ele e temos uma relação que é o sonho de muitos casais por aí. Enfim, tudo perfeito. 

Coisa boa! Casais ao modo antigamente, acho um amor.

Só que no meio desse romancezinho todo, há um dois anos, surgiu uma fulana. 

Sempre.

Mas o pior é que não é qualquer fulana: é uma prima dele. No começo eles eram muito amigos mesmo e isso despertou um ciúme louco em mim, até que finalmente terminamos porque ele disse estar confuso sem saber o que sentia por mim ou por ela. 

Primos, tudo bem a tal "amizade". Mas enfim, ele não saber o que sente por você ou por ela? Ele é seu namorado, namora com VOCÊ e ficou confuso, certo. E quanto à prima? Primo é primo, é quase o mesmo sangue, gente.

Nessa época, ela era loucamente apaixonada por ele e ainda tenho minhas dúvidas que esse quadro tenha mudado completamente. Uns meses depois, nós voltamos e de lá pra cá ele nunca me deu um motivo sequer para desconfiar que ainda estivesse confuso e que sentisse algo por ela. 

Vocês estiveram separados por uns meses, e se voltaram com tudo e sua confiança por ele totalmente em pé, acredito que seja bem difícil eles terem se envolvido de fato. O que pode mesmo acontecer é ela ser louca por ele e encher a paciência de vocês para, por tabela, encher o seu saco. Mulher que não sai do pé de homem comprometido é um porre, além de o casal comentar o quanto é coitada, assina atestado de que não consegue tocar a própria vida.

Mas mesmo assim, não consigo tirar o fantasma da menina da minha vida. Ela não mora no mesmo estado que a gente e vem aqui mais ou menos de ano e ano e, na verdade, eu nunca a tinha visto até esse fim de semana passado. Mesmo assim, sempre nos cutucamos com indiretas infantis pela internet - até mais ou menos um ano atrás, quando eu resolvi dar um basta nisso. 

Se eles se veem praticamente anualmente, a preocupação deve ser pouca. Ela mora longe, provavelmente a paixonite é de infância, e né, ela deve ter tédio da própria vida - como todas as vacas que tentam se infiltrar em relacionamentos estáveis, felizes e apaixonados. Quanto às indiretas via internet, não critico. É um porre você saber que a pessoa te "cutuca" sem não poder responder diretamente. Já me rendi, até mesmo - sangue quente, impulsividade, aquela coisa que quando vi, já foi. Não sei se me arrependo, mas achei bastante infantil mesmo, revendo hoje em dia. Ao menos, já passou esse tempo.

Ainda assim, eu não consegui viver sem lembrar dela - chego ao cúmulo de ficar stalkeando a fulana simplesmente para ver se acho algum indício que possa novamente abalar o nosso namoro.



Não deveria se preocupar. Confie no seu namorado à mdoa antiga, e viva sua vida no seu estado federal. Ela está em outro, ao menos. Você pode até mesmo estar pensando nela que está longe, e nem ver o que se passa aí do seu lado, pertinho.



Como eu disse, fim de semana passado ela veio pra cá. Eu entrei em desespero sem saber como agir, porque ela é meio a queridinha da família e eu jamais ia querer gerar uma crise por conta de briga minha com ela. Só que eu meti os pés pelas mãos: ao invés de enfrentar a coisa logo de frente (o que seria o certo a fazer, não?), eu me fiz de louca e fingi que ela nem tava nas reuniões de família que eu fui. 

Talvez, você tenha feito o certo. Se preservou, não traiu o que sente em relação à "essazinha", e enfim, não fez a falsa e nem pegou ela pelos cabelos para rolar no chão com o intuito de morte. Não achei errado, não.

Quer dizer, eu poderia ter acabado com esse clima ou ter feito qualquer coisa assim, não? E o pior é que claro que ela não está nem aí, porque se tem essa tensão toda entre a gente, a única que sai prejudicada sou eu. E eu não posso sequer pedir pra ele se afastar dela, porque eles são primos. 

A não ser que o contato deles, seja constante. Se te incomoda, dê indiretas sutis, ou dia de uma maneira clara, porém sem agressividade que isso não faz bem a você, e que eles podem se dar bem sem ficar se falando sempre e tudo o mais. Não tenho tal tipo de contato com meus primos, talvez por esse motivo, não compreendo bem esse fato de os dois serem assim, tão próximos como pareceu.

Mas eu também não suporto a ideia de vê-los juntos, nem que seja trocando um ''bom dia''. E por conta disso, eu passei o fim de semana inteiro mudando minha rotina para evitar ficar no mesmo metro quadrado que ela.

Eu faria o mesmo. Ignoro e faço a phynna, foi o melhor a ser feito. Não é fugir, é se preservar. Se ela faz a falsa em bancar a queridinha da família, mas nas costas da parentada dá em cima do primo comprometido, o que esperar de uma piranha dessas? Juro que nem quero imaginar. Se já rolou algo entre eles que seja mais que um clima, menos ainda. Me recuso a conviver com quem me faz mal. Ainda mais no mesmo metro quadrado.

Entende o drama? Eu não sei o que fazer na próxima vez que ela vier, não sei se rendo meu orgulho e acabo com essa tensão de vez, não sei se ela não vai dar nem a mínima se eu fizer isso, não sei se continuo assim, não sei como parar de stalkear a fulana em busca de coisas que só me fazem infeliz... Não sei o que fazer, mesmo mesmo :(

Me dá uma luz?

Claro. Olha, se a tal moça atirada e insuportável veio para cá há pouco tempo, acredito que a tal "próxima vez" vá demorar, certo? Nesse meio tempo, curta o SEU namorado. Se apaixone cada vez mais por ele, faça com que ele continue gostando muito de você também. Esqueça ela. Priorize o amor de vocês, preserve o que vocês sentem e parece ser ótimo e te fazer bem, por favor. Quando ela estiver por vir, converse com ele francamente, sem cobrar ou esbravejar, e diga com o jogo já aberto, aquilo que incomoda quanto à priminha. Meu conselho é de que você tire isso da sua cabeça, e se conversar com ele sem brigar, sendo um amorzinho ajudar, o faça. Agora o que não rola é ter quem amar aí do seu lado e se martirizar pensando em possibilidades com quem está longe (e pode fazer o que faz por pura provocação). Seja superior, a namorada é você.




E você, tem algo que não consegue solucionar, algum dilema improvável, desabafo? Envie para camilapaier@gmail.com e aguarde para ver no que dá, sua pergunta pode ser publicada aqui também!


Camila Paier

4 Comentários:

  1. São ótimos os seus comentários, Camila! Que bom que nos permite desfrutar de suas opiniões!
    Adoro seu blog e seus textos!
    Beijoss e uma ótima semana, querida ;)

    ResponderExcluir
  2. Posso estar sendo racional demais, mas acho que a menina está exagerando um pouco.
    Pela história, ficou claro que o casal se gosta muito e tem uma terceira que, coitada, morre de inveja. Já que é assim, esquece que ela existe! Pq essa preocupação toda com a existência dela (que não afeta os sentimentos do namorado por vc) só dá mais atenção, que é o que ela quer...

    ResponderExcluir
  3. Adorei suas opiniões...vc.é demais em seus textos...parabéns!!!bjus lindonaaa!!

    ResponderExcluir
  4. Já passei por uma situação parecida, o ciume rolava da minha parte e da dela tbm, mas depois que o namoro terminou, nos tornamos muito amigas, muito mesmo.Acho que é uma questão de se darem uma chance, alguém tem que dar o braço a torcer. No meu caso, foi eu e não em arrependo.
    beijos Camila e boa sorte guria da pergunta. ;)

    ResponderExcluir