Like a virgin

7.21.2011 -

Necessária, duplamente corajosa, escrevo. Tanto sobre as escolhas que fiz até agora, como para discorrer sobre o tema. Pois então, no segundo grau, era o assunto pautado em tudo quanto é canto, tanto da sala de aula, quanto no cursinho de inglês, entre as meninas apenas, reunidas (os guris, com certeza) e tudo o mais - fugir não era escolha; aguentar, a única opção. Uma a uma, vi minhas amigas (quase todas) perderem aquela parte tão comentada da "inocência", comentar posições e preferências sobre as quais eu apenas imaginava existir, mas desconhecia, e sim: quebrar a cara. Num balanço entre alguém se dar bem no primeiro pulo à experiência ou reconsiderar o ato - falho - quase nenhuma estava realmente satisfeita com o ocorrido, o que me desencorajava, sim. Se entregar no calor do momento para depois ter que aguentar o quem sabe inesperado, o talvez já premeditado frio na reação de pesar no conceito do outro. Ou muitas vezes, de saciar a vontade e não ser mais desafio, e ver pela frente apenas uma mágoa e um baita arrependimento tremendos a por algum tempo sustentar.

Meus relacionamentos, todo muito superficiais. Rasos mesmo. Acredito que nunca quis talvez alguém tão por dentro da minha vida que se aventura-se também por partes indescobertas minhas que nem eu mesma tinha maturidade suficiente para reconhecer. A tendência, como sempre, é a melhora - o que no meu caso, acredito que tenha vindo com tempo e o tal autoconhecimento, sim. Me vi mais magra, menos loira, morena e depois ruiva, para escolher pela simplicidade e naturalidade: também, mais confiante. Mais madura, consciente e sem aquela sede juvenil de querer apenas para ser uma no bando, mais uma ali. Verdade também, que algum tempo foi perdido em vão na busca de um príncipe perfeito que hoje afirmo com toda certeza, não existe.

Assisti à muitas primeiras vezes, me esquivando da minha. Essa é a grande verdade. Lá dentro, apitava a intuição: não é agora, não com ele, não é a hora. E nada. Alguns caras pulavam fora quando ouviam "sou virgem", outros me perseguiam insistentemente apenas para isso (o que, mulher que sou, lógico que notava). Eu e Sabrina Sato temos algo em comum, além das pernas que não afinam: também cheguei a pensar que, talvez, morresse sem conhecer o que realmente representa a palavra "sexo". Descobrimos o que vinha mesmo a representar tal junção de duas sílabas com a mesma idade idem. Não por falta de oportunidade, mas sim, de luz no momento exato, de alguma visão maior sobre o panorama todo que me dissesse, indiretamente: vai, se joga dessa vez também. Dos meus impulsos, esse nunca antes acometido. Das minhas amigas, fui a penúltima. Sem me arrepender em nenhum segundo. Dos apelidos: Madre Camila de Calcutá, A Virgem Camila, Santinha. Nada que me abalasse demais. Assim como, nenhum cara que realmente valesse a pena. Pois então, desencanei. Sofri um tanto, amadureci ainda mais. E parece que é mesmo quando a vida vai nos dar outra rasteira, que ela nos joga

Não escrevo sobre algo que ocorreu ontem, ou coisa do tipo. Mas sim, apenas para dizer às tantas meninas que se pressionam seja pela curiosidade própria, pelas amigas que incentivam, pela mídia que impõe que, se você não transa, não é "descolado", não é bacana ou coisa do tipo, que esqueçam isso. Legal é se gostar a ponto de ter certeza do que está fazendo. Mesmo que não seja um namorado, alguém com quem se esteja algum tempo, que se olhe bem dentro do olho, que se perceba intuitivamente e por alguns sinais emitidos, que vale a pena. Nem que seja por uma noite - mas que ali, no momento, valha a pena. Há mais que se estar ciente e certa do que pode acontecer dali pra frente que selecionar com inúmeros detalhes e restrições; isso ou aquilo não importa. Vontade, intuição e um tanto de se estar madura junto com alguém que não demonstre apenas apreço físico quanto psicológico e inteligível ou que vá zarpar assim que conquistar o "título" obtido.
Tantas primeiras vezes ainda pela frente, mesmo sem cunho algum sexual, erótico ou carnal - ou sim, por que não? Uma grande verdade que corre por aí, é que ninguém morre virgem: a vida, essa danada, fode com todos nós enquanto é tempo e sem dar aviso. Em menor quantidade, ou do jeitinho certo, inteligente é quem não deixa furar o bolso das oportunidades e aproveita, com o radar da intuição ligado e um pé fincado ao menos na realidade enquanto o outro ensaia o pulo. Vivos, humanos, sensíveis, seremos ainda tocados por tantas primeiras vezes à frente. Pressa, nesse caso em específico e especial, só abriga insatisfação.

16 Comentários:

  1. É ótimo quando você abre cedo a lista de blogs pra ler e encontra algo que você realmente PRECISA ler.
    Obrigada Camila.

    ResponderExcluir
  2. avemaria guria, estás cada dia melhor.
    Eu simplesmente assino embaixo de tuas palavras.
    Nessa correria desenfreada em busca de algo muitas vezes tão superficial e apenas carnal faz com que lá na frente venhamos nos arrepender de nossas atitudes.
    Bom mesmo é se gostar ao ponto de perceber a hora e o cara certo para uma experiência tão bela.

    ResponderExcluir
  3. Anda tudo tão corrido que ando sem tempo de passar por aqui e deixar meus comentários. ;\ Hoje me dei ao luxo de parar e ler o que tu escreveu. Virgindade é, e sempre será, um tema um tanto quanto polemico ne?! Tão difícil lidar com tudo isso hoje em dia. Mas o importante mesmo é ter maturidade o bastante para escolher a pessoa e o momento certo, sem ceder as pressões alheias. Um beijão gigantesco!

    ResponderExcluir
  4. Mais um uma vez um texto que expôe o que tá guardadidnho dentro da gente!
    Polêmico? Pode ser.
    Fato é que meninas que se sentem pressionadas pela midía,amigas, cursos, enfim... acabam fazendo o que não convém naquela momento ou ciscunstância, para se sentirem aliviadas ou inclusas!
    Concordo plenamente, que importante é maturidade, e isso só com o tempo e muita cabeça no lugar!
    Parabéns Camila, mais texto ótimo!!!
    Bjão

    ResponderExcluir
  5. Ah Camila, um belo texto, maravilhoso conselho... Eu tb esperei muito e fui a ultima da turma, a santinha. Mas dei o braço a torcer para a pessoa errada 1 mes antes de conhecer o certo, só por estar farta de esperar o certo e por ter desistido de crer nisso. Bom, existe o cara certo e eu deveria ter esperado mais... Acho que o resto vc já falou. Paciência...
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  6. Acredito que esse tema já foi mais polemico, hoje as pessoas estão começando a ver de uma forma mais branda.
    Eu nunca me senti pressionada, talvez pelo fato das minhas amigas não serem tão avançadas nesse assunto! Fui a terceira da minha turma, e não me arrependo nem um pouco. Foi na idade certa, no momento certo e com a pessoa certa!
    Ainda tenho amigas que são, e nem por isso as pressiono, cada pessoa tem seu tempo e não tem nada a ver com o outro!
    Você disse tudo no texto! E acredito muito que podem existir varias primeiras vezes! ;)
    beeijo
    bom final de semana
    saudades da sua opinião la no blog!

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito, Camila. Mais uma vez um excelente texto que me passa vários conselhos! Obrigada por proporcionar isso a suas fieis leitras, como eu! beijoss , fica com Deus! (:

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que é um momento tão único, que cada um tem o seu "perfeito" pode ser romantico, pode ser aventureiro, pode ser com namorado, pode ser com amigo... É legal ver como seu blog sai dos assuntos melacueca e fala sobre tudo sem velhos clichês ou "siga seu coração conte pra sua mãe" e blablabla.

    beijo, flor =*

    ResponderExcluir
  9. Eai entra a verdadeira intuição e é quando se percebe que não se deve dar ouvidos aos outros e sim esperar e ouvir nós mesmas sem pressão, essa é a maior prova de maturidade, prova de que talvez essa seja a hora!

    Adorei mesmo, beijos!

    ResponderExcluir
  10. Sabe que eu acho estranho gente que tem vergonha de dizer que é virgem? Porque isso não é vergonha alguma. Melhor mesmo é fazer as coisas com maturidade e não se arrepender depois. Adorei teu texto. Realmente queria que todas pensassem assim, que dessem valor a si mesmas e se amassem mais.

    "Mas sou minha, só minha e não de quem quiser"

    ResponderExcluir
  11. Que incrivel Camila! Sabe, eu tenho a minha virgindade como um tesouro. Algo meu, puro. Bom ver que perdeu a sua na hora certa. É tão triste ver que tem meninas que perdem a virgindade só pra " dar pra ver o pau entrar" ! Honrar a virgindade é amor - próprio e isso você teve, e é isso o que eu tenho.
    Sempre estou por aqui, muitas vezes não comento por me faltar palavras, você me deixa boquiaberta com o seu talento para expressar seus sentimentos tão intensos, mas eu gosto muito de ler e claro, aprender com você.
    Beijos Camila!

    ResponderExcluir
  12. Fiquei impressionada com tua escrita, me lembrou muito Tati Bernardi, conhece?
    Adorei, de verdade, tuas letras :)
    e adorei teu nome também, haha
    com certeza voltarei aqui!
    grande beijo ;*

    ResponderExcluir
  13. Maravilhoso o texto, e sei bem como é, de fato existe mais pressão por parte dos outros, do que de nós mesmas. Por experiencia propria passei por isso, do meu grupo de amigas praticamente fui uma das últimas a tomar a tal decisão de perder a virgindade. Comparada aos tempos de hoje,digamos que fui bem tardia, aos 22 anos,mas só o fiz quando tive a certeza,não de que seria o cara certo e sim, quando eu estava preparada pra toda a maravilha q veria a seguir na minha vida. E não me culpo em nenhum momento por isso.Não tenho a consciência pesada porque não usei ninguém em troca de um prazer momentâneo. Veio no tempo certo, e se todas tivessem essa real noção do assunto,com certeza sofreriam menos,com certas felicidades passageiras,com carinhas q só querem a diversão.

    ResponderExcluir
  14. Genteee! Parei de escrever um texto agorinha sobre valores antiquados (incluindo este tabu: sexo, que é lá em casa) para vir ao Templo da Camila buscar inspiração, e não é que descubro que não tinha lido este texto revelador, verdadeiro e incrivel?!

    Orgulho teria se eu tivesse este tesourinho guardado ainda, ou não.
    Mas como disse lá em casa dias atrás: Há coisas mais importantes que isto! Ninguém é pior porque deu ou deixou de dar. haha
    O importante é nos sentir bem! Fazer valer a pena! Cada um tem sua hora!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Minha cara... Tu sempre escrevendo coisas que eu consigo me identificar demais!!!! Beijo

    ResponderExcluir