Diferente

5.21.2011 -

Olha, o que te falo é aquilo que poderia ser clichê, mas se tratando de mim, é totalmente real: nunca foi assim. Em boa parte, porque eu nunca quis. Qualquer sensação maior de alegria possível, de comodidade cordial, ânimos quentes, e a minha fuga. Sei que não lido bem com essas sensações profanas de se confundir naquilo que ainda se desconhece. E o medo de arriscar? Enorme. Queria eu que gostar de você continuasse naquela paz simples onde não enfiaram os alheios uma porção de minhocas, ideias e teorias dentro do que a gente tinha. Naquela simplicidade de, quero te ver, eu também, então vamos. E íamos. O cerco vai apertando, os dias, exigindo ainda mais que sejamos responsáveis, e adultos, profissionais e acadêmicos. Do outro lado da cidade, vamos dormir? Vamos. Vem. Não dá. Não posso. Tanto pela infinidade de bairros que nos separam, quanto pelas infinidades de locomoção, o dia seguinte cedo que nos exigirá disposição para não cair dentro do sono numa hora qualquer de bobeira. Perigo isso de plantar fantasia onde já há a conformidade. A vontade imensa, aumentada ali, sempre aguardando as oportunidades dos dias de glória e liberdade - final de semana (que já se somam alguns bons). Se adcionam aos dias das fugas dentro de horários que deveriam ser de seriedade, mas aos quais - fugitivos, clandestinos, transgressores - escapamos; para nos reencontrar, sem deixar de se perder porque é meio da semana. Da nossa fuga, todo um roteiro já planejado. Los Angeles, Fernando de Noronha, Paris e estabilidade, então, em Nova York: enquanto escrevo em casa, no maior estilo Carrie Bradshaw, você ganha muito dinheiro. Um mês, cinco; um ano.
Me paraliso na dúvida entre o passo a se dar, e o congelamento de ficar onde estou. Se arrisco, e não petisco? Se me dou, e, em mesma moeda, nada recebo? É essa confusão toda que corrói. Desconhecer até que se ponto a doação é ganha como dádiva, ou puro desperdício. Imagina se, justo na vez em que sinto tão forte que mal me aguento, a negativa vem grande e em troco por todos aqueles a que me recusei perder tempo. Os nós aqui dentro se embaraçam e afirmam cada vez mais, e aquilo que poderia salvar quem sabe essa minha insegurança em ter tudo, e ao menos tempo, nada de palpável, concreto, tem se reafirmado. Claridade, peço. Diga o que quer, seja direto. Me ferir está fora de cogitação. Se não passar de mera brincadeira essas horas em que rimos e compartilhamos nosso melhor, que aqui se encerre. Fiquem os bons momentos fotografados na memória, antes que se desmanchem admiração e cumplicidade, essa infinidade de afeto que me veio, surpreendente, e cada vez mais tem se feito presente.
Contudo, da única vez em que há diferenciação sincera no que sinto, mais do que sempre, desejo tanto que a realidade faça parte também do sonho. Adicta dessas vivências todas, insaciada como qualquer contaminada, quero é mais. Noites mal dormidas, filmes de enredos precários, um silêncio colado no outro, apenas para olhar depois e concluir num sorriso descabido, finalizador: cara de braba. Que não é assim que me pretendo, irrascível, arisca; imperativo seja o estado leve e descomplicado de querer e ser ter, com reciprocidade, mãos dadas e beijos no queixo. Diferente dos rabiscos todos que eu deixei no caminho, dessa vez o que almejo tem sido destaque nessas alegorias do coração.

18 Comentários:

  1. todas vencedoras e independentes a espera do Ms. Big.

    ResponderExcluir
  2. Ah flor, como é mesmo intrigante todas as nossas dúvidas, que nesses momentos 'todo coração' só nos deixam mesmo com a ponta do pé atrás. A gente sonha sempre com aquele que além de todos os sinais mostre pro mundo todo que estão ali, com a gente, por TODOS os motivos, por nós. Mas sabe que às vezes, essas afirmativas já nos acertam o peito e cabeça em cheio, a gente é que, com todo o nosso medo herdado pelo o que vivemos antes, não vê. Mas elas estão ali, bem claras. Espero que tudo isso que só anda fazendo bem a ti, se reafirme a cada dia e dure muito.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. E estou certa de que esse "suspiro" no lugar de comentários faz um baita sentido ,hein! haha
    Tão encantador um amor que chega assim todo bonito,por mais que a insegurança bata as vezes,uma boa lembrança e um afeto sempre a destrói!
    Que esse amor bonito que você tá sentindo fique assim intacto e que cresça a cada vivência e cumplicidade boa!
    Que a torcida por tua alegria na vida e no amor já é grande, viu? hahaha

    Beijão!

    ResponderExcluir
  4. Tu sabes que a torcida aqui em MG é grande né?
    Se jogue, não tenha tanto medo assim , seja cada dia mais feliz!


    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olha eu, mais uma vez, me encontrando dentro do teu texto. Ai amada, como tu consegue me entender dessa maneira? Às vezes, nem eu me entendo e acabo, nos teus textos, encontrando uma luz no fim do túnel.

    ResponderExcluir
  6. Oi flor, passei e comentei nos teus post, porque eu convivo com essa falta de tempo, então escolhi os teus, que tem sentimentos e me agradam mais. Que ótima essa faceta do Calmila, de ter vários tópicos e a gente escolhe o que quer. Sim, coloque dicas musicais, como disse no seu tweet.
    Quanto ao texto, que bom que suas mãos e pés já confundem os lugares e que você está se permitindo sentir isso, e até ciúmes, e vontade de ver e liberdade. Que dê certo e que seus dias se alegrem ainda mais. Amar, se envolver, gostar, é tudo de bom. Merecido dona Camila, beijão da Luh.

    ResponderExcluir
  7. Lindo, lindo!

    Seu blog está cada vez melhor, indico sempre a todos, porque você tem que ser cada vez mais e mais reconhecida. Espero poder comprar seu livro o mais breve possível.
    Beijos, querida.

    ResponderExcluir
  8. Cada frase lida,é um suspiro dado .Imagino e vejo cada situação descrita com tanta adimiração aos detalhes.
    Gostei.
    E sabe,faz bem obedecer,viver e realizar o que o coração e a cabeça impõe.Satisfaz a razão e emoção de uma só vez.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Uma fase como essa é bem delicada mesmo, mas se você tiver realmente gostando dele, vale a pena correr o risco! Lindo texto flor. Bjs

    ResponderExcluir
  11. Apesar de não ter vivido muito, eu também posso dizer: nunca foi assim. Sei o quão difícil é se entregar e confiar depois de tantas decepções, mas lembre que sempre vale tentar, é nunca dessas que a gente acerta!
    Vai fundo querida, percebo que anda tão mais feliz, que ele tá te fazendo muito bem e é isso que precisamos: de pessoas que nos fazem bem!
    Seja feliz sempre, só isso que te desejo!
    beeijo ;*

    ResponderExcluir
  12. Camila, nossa linda!
    Como você descreve os sentimentos de maneiras inexplicáveis?! Só Deus sabe! Afinal, foi Ele quem te deu esse dom e continue sempre oferecendo!
    Fazia um tempo que não passeava pelo blog, mas retorno sempre que possível! =)
    Esse texto então caiu em hora certa pra cabeçudinha aqui, hehehe!
    Eu sou só mais uma adoradora do seu trabalho!
    Sucesso sempre!
    Beijo, e que Deus sempre, sempre e sempre esteja com você!
    =)

    ResponderExcluir
  13. Que coisa ótima te ver assim, neste momento!
    Que todo o sempre se faça presente no presente!
    Eternizando cada segundo!
    Um grande beijo de boa sorte!
    beijos

    ResponderExcluir
  14. Ah, quão doce e assustador é esse 'pré-qualquer-possível-coisa'. Mas sem dúvida, é sempre válido. Mais um texto lindo, Camila ! Parabéns pelo blog, sempre recheado de coisas deliciosas de se ler ! Um beijo, flor.

    ResponderExcluir
  15. É bom qdo as tais borboletas nos trazem coragem e inspiração além do frenesi...dá nisso: textos lindos, apaixonados! =)
    bjs moça!

    ResponderExcluir
  16. ai que lindo. estou apaixonada pelo blog. tenho uma pastinhas com textos, citações preferidas.. é uma pena que vc tenha que bloquear a cópia por causa de pessoas que não colocam os créditos, né ;/
    estou sempre aqui.
    beijinhoss

    ResponderExcluir