Da Alemanha: Morando em comunidade

5.31.2011 -

Não é só nas cidades universitárias alemãs que existe o sistema de moradias estudantis. Cada país, europeu ou americano, tem seus próprios sistemas, ou sofre com a falta de. Aqui em Weingarten nós temos as opções de prédios como moradia estudantil e repúblicas. Os prédios (Student Wohnheim) são administrados por empresas específicas para isso, ou como em outras cidades, dirigidas pela própria universidade. São de 12 a 15 quartos por andar, diferenciando-se entre banheiros comunitários ou um banheiro compartilhado a cada dois quartos. Já as repúblicas, chamadas de “WG” (vê-guê) – abreviatura para Wohngemeinschaft – são bem mais variadas. Podem ser casas ou apartamentos, quartos individuais ou compartilhados, um banheiro por andar ou um para a casa toda, só de meninas/os ou misturadas, que não aceitam fumantes, que tem bichos de estimação, etc. Porém todas, sem exceção, terão um Hausmeister. Aquele senhor responsável pela casa. Ele não é necessariamente o dono do imóvel, no caso dos prédios é como um síndico que faz tudo, põem ordens e regras para a boa conservação do patrimônio imobiliário. O custo mensal de um quarto para estudante é proporcional ao tamanho e se a casa/apartamento é nova ou antiga.
Explicado isso, vamos agora para a parte prática.

Nas moradias estudantis são andares e andares de estudantes de todas as idades, cursos, e nacionalidades. Muitas pessoas desgostam desse tipo de moradia pois, como a cozinha é comunitária e o banheiro também, há um certo relaxamento com a limpeza e higiêne dos locais. No caso das WGs, são os próprios moradores que se dividem na limpeza e organização, geralmente cada um é responsável por uma tarefa diferente por semana, assim, a casa está (quase) sempre limpa, organizada e niguém fica sobrecarregado com as tarefas.
Antes de vir pra Alemanha eu nunca tinha morado sozinha ou com amigos. Imagine você o medo que senti ao ter que morar com estranhos. Não somente estranhos mas também pessoas oriundas de outra cultura e costumes e que viam a mim como a estranha.  Acontece que esses desconhecidos vão se tornando amigos devido ao convívio diário. Dividimos as compras de vez em quando, compartilhamos sentimentos de frustrações com relação às provas do curso, no caso dos prédios se faz festa quase toda semana, organizada por um determinado andar, e assim por diante. Claro que alguns companheiros de casa continuam distantes, mas são educados e dão sempre “bom dia” quando nos encontramos.

No meu caso passei pelas duas situações. Morei semestre passado em um prédio, cuja contrução é nova. Eram apenas cinco estudantes para um apartamento com uma cozinha e dois banheiros. Estava no lucro, mas o valor do quarto aumentou, então decidi me mudar para uma WG mais em conta e cá estou eu. Divido uma casa com três alemãs.  Um banheiro e uma cozinha para quatro mulheres (por sorte temos horários diferentes). A foto no começo deste post é um recado para a casa deixado no banheiro. Está escrito: “favor manter o chuveiro e a privada limpos. obrigada”. Uma das meninas tem esse hábito, conversar através de bilhetinhos.

E é assim que convivemos em harmonia. Elas escutam minhas músicas no volume máximo às vezes, eu escuto uma delas estourar bolas de chiclete (que eu jurava era barulho de bola de pin-pong) lá no quarto dela, na outra casa meu amigo passava o dia arranhando um violão, e logo descobrimos que estamos novamente em família. O medo do desconhecido se vai, e na hora da despedida ficam as lágrimas pelos dias vividos em comunhão.

Forte abraço
@meirits

9 Comentários:

  1. A convivência nesse tipo de situação, nem sempre é fácil; mas é preciso encontrar alguma harmonia. Pais estranho, pessoas com hábitos diferentes... Se não soubermos conviver e aceitar as diferenças, a sensação de solidão será maior.

    Desejo sorte nessa experiência e jogo de cintura sempre!

    Encontrei o blog em uma das tuas comunidades no Orkut e gostei bastante do teu espaço.

    Até a próxima!

    ResponderExcluir
  2. Adorei! É uma experiencia mais gostosa que você está vivendo, né?! Tenho muita vontade de viver uns tempos fora do país, mas preciso ajeitar as coisas por aqui antes! Um dia chego lá!
    Beeeijos...

    ResponderExcluir
  3. Experiência sensacional essa de morar sozinha! Espero que tudo dê certo e vc traga consigo várias recordações e sentimentos novos.

    ResponderExcluir
  4. Oi Mei!
    Eu, quando vim para a Hungria, foi por causa do meu marido, na época, namorado, meio noivo... rsrsrs Não é fácil conviver com pessoas diferentes das que costumamos, eu pelo menos, sempre vivi com meus pais, no brasil e não fazia quase nada na casa, sofri bastante quando tive que morar com a sogra por 5 anos... isso mesmo 5!!! Ela é muito legal, mas não é mãe, então eu tive que aprender a me virar, limpar coisas e me adaptar... Acho que cresci muito nesse sentido, deixei de ser tão mimada e me tornei responsável... Sempre tem o lado bom das coisas... Depois a gente foi se acostumando até se sentir em casa, em família mesmo...
    Não é fácil dividir espaço, muito menos cultura, mas vale o aprendizado..
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  5. verdade Carol. Eu sei fazer tudo que se precisa fazer dentro de uma casa pra deixá-la limpa e organizada, mas morando com meus pais, mais tarde com minhas tias e avós, você acha que eu fazia alguma coisa? lavava a louça de depois do almoço e só! male mal arrumava minha própria cama! nesse sentido, o amadurecimento que passamos morando fora (da casa dos país, não só de país) é giga!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, deve ser super legal e ao mesmo tempo um pouco frustrante viver assim!
    Mas sem dúvidas o amadurecimento nessa fase é fundamental!
    Curti tudo mesmo,por que na hora da despedida deve dar uma baita saudade mesmo!

    Beijão!!

    ResponderExcluir
  7. Eu pretendia fazer um intercâmbio de férias no Canadá esse ano, mas acabou não dando certo e agora pretendo ir só no próximo, e sem dúvidas um dos medos é de república estudantil, todos pensam que é uma bagunça, tanto de ordem como de regras, privacidade e assim vai... mas vc esclareceu várias coisas pra mim, sinceramente se fosse necessário ir pra uma república eu iria sem pensar! Mas vc diminuiu muito alguns medinhos e saber que posso escolher uma sem fumantes e só para mulheres, é de certa forma aliviante :D provavelmente não vou ficar em república, mas valeu muito as dicas :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. E os momentos não se apagam jamais...não é mesmo?! Conhecimento e crescimento! bjs moça!

    ResponderExcluir
  9. nossa parabens pelo blog :}
    eu estou começando com um blog, soqe esse é o segundo hehe
    é de textos meus tbm
    e muito lindo seu blog muito criativo e original suçeso pra vc :}
    eu qeria fazer tipo de uma propagando do teu blog mno meu
    porqe achei muito muito muito mesmo interessante
    posso?
    beijinhus ;*

    ResponderExcluir