Expressa

10.03.2011 -

Eu não ensaio nada porque ser já me é um grande ato. E dividida, meu fim é breve. Atuo e sou tantas, que nem explico: mudo. De manhã, esportista dedicada. No almoço, a que come minuciosamente, de forma balanceada. À tarde, após tanto afinco, necessito solidão: me fecho inteirinha, para me abrir apenas quando proveitoso for. Dizer que falo pelos cotovelos é erro dos graves: da minha boca palavras saem, filtradas pelo mínimo de pensamento e o máximo de instinto. Falo, então, pela espontaneidade; num jogo tão aberto, que chega a ser considerado escancarado em demasia. É difícil que dê o braço a torcer, sim. Dói mais estar errada que fraturar o membro. Em sopapos, engulo os sapos que a vida põe em meu caminho por meio de beijos errôneos, negativas inesperadas, pessoas desmerecidas. A cabeça, que vive nas nuvens, visa deduzir o céu: cada vez mais alto, em torno desse infinito todo que é mistério e dúvida, fascínio e alucinação.
Tiro a corda do pescoço, que pro pecado há o perdão, e a minha hora é qualquer outra, que não essa. Antes as mãos abanando, que atadas: preferencialmente, livres. Sempre. Meus desatinos são eufemizadas tempestades em copo d'água: tsunamis, maremotos. Me invadem inteira, ultrapassam a borda alheia, inquietam. Meto os pés pelas mãos, e logo depois, o rabo entre as pernas: o arrependimento frente aos tantos impulsos é de berço e marca registrada, quase assinatura. A bruxa tá solta, e de soslaio, sei que me persegue; só não chuto, porque pode ser macumba e pegar no meu pé, já frio e azarado. As cartas estão sempre postas à mesa, e na mesma claridade exacerbada, os dados rolam sempre que necessário - o importante é o movimento. Agarro com unhas, dentes e força tudo aquilo que me faz perder o sono, perder de vista a paz, desacertar meu relógio biológico de intensas emoções. Perco a cabeça, e assim que faço as pazes com a razão, redescubro a esperteza fácil que imperava antes das cabeçadas distribuídas, impensadas. Sem tirar nem pôr, perco de um lado para ganhar do outro: me acrescento sem perceber. Piso na bola, e logo depois, dou passe pra gol; faço uma série de cagadas, porém, recompenso (e bem). Tiro de letra aquilo que a vida me tira sem pedir licença - escrevo, para aliviar as perdas incompreensíveis. Ocasionalmente, entro em frias: apenas para logo depois sentir no calor das mãos, no inferno da pressão, a alma quente e viva. Só não rodo a baiana porque sou gaúcha, e nem dou mole porque a vida me deu um punhado de motivos para endurecer: na marra. Fico na minha, para que quem realmente me queira, daqui me tire: necessário, somente o necessário. O extraordinário é demais!

41 Comentários:

  1. Camila, que delícia ler seu blog!!!

    ResponderExcluir
  2. Voce deve ta cansada de ler elogios sobre seus textos, mais não tem como NÃO elogiar.
    pareçe que vc entende oq ue se passa com as outras pessoas, e pelo amor, escreve perfeitamente.
    Parabénss!
    Que Deus ilumine mais e mais suas mãozinhas pra escrever mais e mais e mais e mais rs
    Bjs Tais.

    ResponderExcluir
  3. Adorei Camila.
    Queria eu falar de mim assim. So sei escrever sobre amor que nem se quer acontece, nem se quer existe.Talvez tenha existido em outro coracao, que nao seja o meu.

    Mas definir-se eh tarefa dificil, quase impossivel. Definir-se eh para os bons.

    Um beijo e obrigada pelos comentarios deliciosos no meu blog.

    ResponderExcluir
  4. Tentei escolher uma única frase para colocar aqui como a minha favorita, mas foi impossível, gostei do texto todo, sem exagero!
    Perfeito, seus textos como sempre sendo um melhor do que o outro (que já era muuuito bom!).
    Sucesso, guria!

    ResponderExcluir
  5. O arrependimento frente a tantos impulsos é de berço e marca registrada, quase assinatura...
    Já tá no perfil do meu orkut.... Vc só pode ter visto minha vida numa bola de cristal pra escrever esse texto... Um dos mais perfeitos... parabéns..

    ResponderExcluir
  6. Disse no twitter e aqui repito: sentia falta de textos insteligentes assim. Com frases geniais e um ritmo louco, maravilhoso. É, senti tua falta lá no blog. Sumi por aqui porque tempo, assim como pra ti, também não me anda sobrando. Mas vou ler o que perdi, prometo. Pena não poder copiar as frases, mas a da Baiana, pisada na bola, pés pelas mãos e rabo entre as pernas, matou a pau. E dale Camila, Loira, Gaúcha, Gremista, Linda e Culta. beijão

    ResponderExcluir
  7. Ah, que blog maravilhoso guria!
    Beijos meus e um bom final de semana pra ti!

    ResponderExcluir
  8. Incrível esse texto, você se descreveu de uma maneira muito mais... ai, não sei explicar, você juntou as palavras de uma forma magnífica! :)

    beijos, linda!

    ResponderExcluir
  9. Já falei inúmeras vezes no twitter e vou repetir aqui, me surpreendo cada dia mais com teus textos! É como se tu conhecesse a minha vida, os meus dias, os meus sentimentos e com isso, colocasse nas palavras aquilo que me sufoca e por algum motivo eu não consigo colocar pra fora.
    Talvez esse teu dom com as palavras, se de pelo fato de ser gaúcha não é? hahaha
    Parabéns linda, mais um texto incrível!

    ResponderExcluir
  10. É um prazer sempre vir aqui e te ler. E sempre que faço isso, sinto toda a tua intensidade, essa urgência de existir e cruzar não sete, mas setenta mares, aproveitar ao máximo, com toda a tua intuição e sensibilidade.
    Já se tornou clichê dizer que és um talento, guria... Mas saiba que cada dia mais admiro o que escreves.
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  11. Acho que todo mundo acaba sendo de mil maneiras.
    Parabéns, se descreveu muito bem!

    Beijos! ♥
    se cuide.

    ResponderExcluir
  12. uma graça! Parece tão meiguinha e tão mulher ao mesmo tempo. Adoro a leitura que faço quando tenho seus textos. Só amores. ahaha :*

    ResponderExcluir
  13. Que lindo Cá, eu SUPER me identifico com suas palavras e nesse texto ainda mais. É bom ver semelhanças da nossa personalidade nos outros também. Gostei mais ainda do final: "quem realmente me queira, daqui me tire o necessário". Que assim seja!

    (1ª vez comentando pelo Blog HAHAHA)
    beijos!

    ResponderExcluir
  14. ser quem realmente somos é ser sincera com nós mesmas, e é sempre assim, mudamos com o tempo, crescemos. me vi em tantos trechos e mais uma vez, que belo texto! um beijo querida

    ResponderExcluir
  15. eu deixo. Pode rodar a baiana.
    rsrsrsrsrsrs
    adorei, adorei, adorei.

    "quem realmente me queira, daqui me tire o necessário, somente o necessário. O extraordinário é demais!"
    perfeito.*__*

    beijo grande flor.

    ResponderExcluir
  16. Estava morrendo de saudades de vir aqui!
    Ah, flor, o mundo precisava de mais pessoas como você.
    beeeijooos

    ResponderExcluir
  17. é sempre bom vir aqui para ler suas postagens!

    ResponderExcluir
  18. Reclamamos pelas inúmeras besteiras que cometemos, mas acredito que tudo tenha sua razão para acontecer!
    Me identifiquei tanto na parte do "falar pelos cotovelos", mal de ariana será? Não pensar tanto e deixar o impulso tomar conta...
    Adoro esse jeito que escrevo, a cada frase me vejo em uma cena diferente!
    beeijo ;*

    ResponderExcluir
  19. É engraçado que o texto fala de você, mas todo mundo acaba se identificando de uma forma ou de outra.
    E somos duas, a vida também me fez endurecer na marra.

    Parabéns, o blog todo é lindo!

    ResponderExcluir
  20. Adoro tua escrita, Camila! É sempre maravilhoso ler você. Um beijo!

    ResponderExcluir
  21. Que filósofa.... quando mais fundo irmos, melhor... ou pior.

    Abraços!

    F.

    ResponderExcluir
  22. Flooor, acertou em cheio novamente!!!! Quase chorei com esse! Obrigada! BeijoooO!

    ResponderExcluir
  23. Texto daqueles gostosos de ler. Parabéns, Camila!

    ResponderExcluir
  24. Acho que este, acho não... este texto foi o que mais gostei guria.
    Beijocas Cá.

    ResponderExcluir
  25. Que lindo. *-* cada dia melhor néé.. e que esse dom so se aperfeiçoei cada dia mais e mais. adoro muito tudo aqui :]

    ResponderExcluir
  26. Na correria desses meus dias tenho sentido falta desses textos! Aqui com o prato ao lado, leio e mastigo o almoço que quase esfria pela minha concentração nesse conjunto de letras que aqui me prendem.
    Textos que te revelam mas não te mostram. Fico impressionada com tamanha personalidade, tão digna e forte. E que te faz querida pra que te conhece, né flor.
    Um beijo.

    Texto digno de ti!

    ResponderExcluir
  27. E você, querendo falar um pouco de si, falou um pouco de mim.

    Tem como me enviar esse texto pra eu postar no blog? Com os devidos créditos, não se preocupe. :) rs

    Caso possa, thain.lima84@gmail.com
    Beijos!

    ResponderExcluir
  28. Olá querida,
    pelo que percebi você é intensa e adorável.


    E concordo o extraordinário é demais!

    ResponderExcluir
  29. Quando acho que tu não vais conseguir me surpreender mais com seus textos porque já são todos perfeitos. Tu me vem com um texto como esse, que fala de ti mas que com certeza fala também de um pouco de cada um.
    Besteiras vamos comenter sempre, cabe a cada um tirar a lição delas ne e tu tira todas as possiveis.
    A vida é um eterno aprendizado.

    Amei o texto!

    Beijos

    ResponderExcluir
  30. Essa liberdade que você aparenta é incrível de ser lida, um dia espero alcançá-la :D

    ResponderExcluir
  31. Camila, sempre fico sem fôlego, sem palavras, embora vc precise de muitos adjetivos grandes, dos melhores, mas quando leio seus textos fogem-me todos, dão lugar às minhas lembraças, meus sentimentos e tudo mais que vc consegue arrancar de mim com suas palavras... Com a mente vazia de adjetivos e cheia de emoções expostas por vc, eu só posso te dizer um simples "Parabéns", novamente... Beijinhos!

    ResponderExcluir
  32. Onde é que isso vai parar? Cada dia que passa você escreve textos mais perfeitos.
    E eu sempre me encontro nas suas linhas,é bom ver-se definida pelas palavras de outrem.

    Parabéns guria. :]

    ResponderExcluir
  33. Que texto hein Camila! Ficou maravilhoso. Me identifiquei na parte mais ou menos assim: meto os pés pelas mãos, e logo depois o rabo entre as pernas. É bem assim mesmo, começamos super empolgadas, sem pensar em nada, e quando vê, se escondemos com medo de tudo. Enfim, ficou ótimo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  34. Desarmada e do avesso! Lindo de se ler! bjs moça!

    ResponderExcluir
  35. Nossa Camila, que texto!
    Arrepiante!!
    Me surpreendo cada vez que venho aqui (:
    Adoro vir e ler tua bela escrita.
    Beijo ;*

    ResponderExcluir
  36. Noossa , muito bom seu blog . PARABÉENS .

    ResponderExcluir
  37. Alou editores, o que está faltando?!!!!! Estamos ávidas pra ter o Calmila conosco no ônibus, numa fila e etc! Pleeeease!

    ResponderExcluir
  38. Humm..sabia que já tinha lido...adorei reler! kisses

    ResponderExcluir