Venusiana

2.19.2011 -

Há em mim um lado tão humano, que necessita doação: é caótico, transgressor. Quer de mim partir, porque deste ser e coração tudo já sabe, do íntimo é cúmplice. Com a precisão dos sábios, espera e fatidicamente, age. Em busca do encanto primário, do toque de olhos que de tão necessário, faísca. Abnego o eco das tantas frases que digo, apenas para que, em segurança, escutes. Desbaratino em tanto querer prover, nos ínfimos detalhes para cuidar da perfeição de um momento, uma ligação, que aos poucos entrego ouro e pedras raras, moedas e significâncias. E é nessa entrega, que me devolvo o prazer de estar viva e sentir o peito quente, o sangue pulsante. É quando me torno complacente e cordata, passível de ser contornada e por fim, dobrada; é no amor completo que me sinto em casa, de chinelo nos pés e camisetão. Inteiramente em paz.
De tanta dedicação, me pergunto: como há tanto ainda também, por se esvair e libertar? Da fraqueza feita força, talvez. Nos restos de tanto escrúpulo e mala gente, o doce desejo do amor romântico real, absoluto. Bem vivido, apreciado: crescente. Da benevolência que insiste existir, a ardência de se ver em cada casal de filme, de arder em cada momento de paixão. A coragem de desbravar por inteiro um interno mundo até então, misterioso. Projetar o inexistente, idealizar o que de maneira mais simples, ao meu querer se adeque.
Não que seja simples, todo o encanto, a tal sedução que ensaio: é raro. De uma delicadeza de pôr no colo e embalar canções. Porém, escorregadia: se escassa de sonhos, e chamegos de manhã, cortejos e alas abertas, me escondo, me fecho: mutável, calada. E de santa, passo a ser fada delicada que o mundo sobrevoa. De fada, flor que beija: pássaro que pelos campos se distribui e nisso vê sua felicidade concreta.
Fecho as janelas, e logo as venezianas. Já foi longe a imaginação, e o chão a ser percorrido, é agora o do sono. Uma noite em Veneza, talvez. Baile de máscaras, passeio de gôndola, um beijo lírico em cima da ponte: pelas emoções que desaguam, límpidas. Em meu Romeu.

22 Comentários:

  1. Você não sabe como me faz bem e me inspira ler seus textos *-*

    ResponderExcluir
  2. porque é tão difícil comentar um texto teu? Fico com medo de que minhas palavras não sejam suficientes para expressar tudo que senti ... Assim como é tão bom esperar por este amor, inteiro. Assim como a gente espera, mesmo negando. Assim como quando ele aparece, nos entregamos, como uma Julieta. E sonhamos... e desejamos...
    Assim como você, flor que beija... eu, ainda lagarta, continuo esperando mais uma oportunidade de poder ver o amor, dizer um oi, mas não deixá-lo passar.

    Linda, obrigada por me fazer sentir coisas lindas!
    beijo

    ResponderExcluir
  3. Ana Flavia.. eu tambem tenho esse medo de comentar, pq nao tem o que dizer só apreciar e sentir as palavras escritas dentro de si..

    Bjo Camila!!!!!

    ResponderExcluir
  4. É de todo encanto esse romance veneziano, como aqui no Rio de Janeiro, como aí em Porto ALegre, como em qualquer lugar que haja alaguém que pereceba tudo que descreves.

    ResponderExcluir
  5. O amor é complicado e inegavelmente todos esperamos por ele, como se espera que a chuva passe.

    ResponderExcluir
  6. E é desse amor que todas precisamos ne. Não tem como colocar uma parte que eu mais gostei porque o conteudo inteiro me fez refletir.
    O amor e seus encantos, o amor e suas complicações, quando tudo deveria ser tão simples.

    Lindo, lindo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. é..
    o amor é uma coisa bem lírica, bem complexa, bem difícil.
    Eu deixo essa responsabilidade com você pra falar dele.
    Porque como diria Caio, o amor não é pro meu bico.

    Um beijo flor ♥

    ResponderExcluir
  8. Aqui como sempre, tão inspirador.
    Texto realmente sublime!

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. ' É quando me torno complacente e cordata, passível de ser contornada e por fim, dobrada; é no amor completo que me sinto em casa, de chinelo nos pés e camisetão. Inteiramente em paz.'

    como pode isso? é simplesmente perfeito, mais uma vez parabéns..

    ResponderExcluir
  10. Mais um de seus textos maravilhosos e inspiradores. Que essa benevolência não peque em faltar, que esteja sempre presente.
    Um beijo flor!

    ResponderExcluir
  11. Também quero um Romeu! rs

    Lindo...

    Tem selinho pra ti lá no blog. =)

    http://maira-souza.blogspot.com/

    BjO

    ResponderExcluir
  12. Que texto lindo... realmente, suspirante e inspirador!
    Beijos meus e uma linda semana pra ti!

    ResponderExcluir
  13. Que texto lindo, como sempre, fiquei encantada. :) Beijão guria.

    ResponderExcluir
  14. Já devo ter dito, mas sua intensidade enquanto escreve é realmente algo! Acho que todo mundo tem um lado tão humano que dói e que quer esconder. Enfim, sempres lindos textos, colega :)

    ResponderExcluir
  15. 'De uma delicadeza de pôr no colo e embalar canções.' Essa delicadeza me faz cada dia mais falta, agora sou só o pó do amor mal feito.

    ResponderExcluir
  16. Ai Camila, saudade de vir aqui...

    vc é intensa ao extremo, e isso, no meu ponto de vista, é lindo.


    Um beijo

    ResponderExcluir
  17. Acredite em mim, até nós românticos odiamos mais romance ainda. Dedicamos isso aos livros que nos faz suspirar e sorrir. Na realidade, o nosso romeu é muito menos romance do que se pode imaginar.

    ResponderExcluir
  18. ler seus textos é sempre uma otimaa reflexão. (:

    ResponderExcluir
  19. Talvez não exista um Romeu, mas manter esses pensamentos é o que faz a diferença nas nossas vidas, até que algum dia quem sabe encontremos alguém que pense como nós. Afinal se é possível sonhar também se é viver.
    Beijo!:*

    ResponderExcluir
  20. Do reconhecimento de tantas definições ao lirismo em altos níveis...texto lindo Camila!

    ResponderExcluir
  21. Flor adorei seu blog.. iii to te deixando meu selinho um beijinhoooo
    https://lh4.googleusercontent.com/-oR2jqrz6boQ/TXkY397DWZI/AAAAAAAAA5k/SD5f_MyuagE/s1600/012-1.jpg

    ResponderExcluir