Keep calm and carry on.

1.16.2011 -


Ela me disse: o amor é paciente. É, talvez seja mesmo. Eu é que não o sou. Quem sabe essa minha falta de persistência, e o meu pavio - tão curto, tão altamente tóxico - sejam o que me faça sempre me apaixonar, mas nunca amar como de fato o amor merece ser vivenciado e construído: em estado de paz.
Eu, que ou explodo, ou esfrio. Que mordo, para depois assoprar. Caio de amores, ou fujo às pressas. Porque o tempo é curto, é agora e amanhã, e a cada dia perdido sinto como se fosse menos um na memória, e mais um na pilha desses tantos, desinteressantes. O preço que a pressa me custou: deixar tudo pela metade, e aprender no cuidado das feridas próprias a exercer o pensamento amplificado. Aquela muito dita, e nunca antes por aqui erguida: a calma.
A inabilidade para mensurar bases sólidas para que os queridos que tanto desejei se abrigassem, seguros. Sãos, salvos. Correndo tão louca pra cá, pra lá, pra onde nem sei, pra algum abismo, afim de entender tudo que se passa no peito. Sem encontrar respostas nunca, aumentar o passo. Ritmar os fatos. Cadenciar acontecimentos. E nunca realmente me saciar dessa paz, que pode ser de espírito ou do corpo, e que nem ao menos conheço, porque nunca obtive. Se hoje te amo, é natural que amanhã passe a te detestar. Meus processos são momentâneos, fugazes. Tão intensos, que duram apenas frações de segundos que pedem para ficar, e se escorrem nos cálculos inexatos do meu peito acelerado. No susto dessa minha verdade, sempre tão dita que chega a passar por confusa. Se não sair como o esperado, não há plano B ou segunda intenção por trás de nada. Há um impulso por trás deste que já foi e aguardo o retorno: o feedback veloz é essencial e alimenta aqueles que vivem e deixam morrer, um dia após o outro; se consomem na própria intrepidez.
A urgência, uma companheira de vida, de células e DNA, de tropeços e falhas, de êxitos e condecorações, tem se ausentado de seu trono. Por vezes vazio, quem tem me dado um bocado de atenção é sua substituta contrária, a qual sempre desprezei: calmaria. Que no nome carrega nome de santa, e tem sido até mesmo um remédio. Sobrenome: pasmaceira. Com movimentos tão lentos, acalma o que passou, sossega o que virá. 
Faz esquecer as tão agitadas expectativas, os pensamentos já exaustivamente rodados e frenéticos, para que então pincelem-se aquarelas de tons pastéis, de vivência registrada, concentrada e também (por que não?) marcante. Redecoro antigos padrões, velejo a navegação íngreme por oceanos até então anônimos. Respiro perfumes antes desprezados, na correria vivaz a que me submetia. Observo, calo e consinto: vejo velhos conceitos se confirmarem, e alguns intuitos se irem por água. A renovação da pequena mudança de compasso tem sido melhor que o recomendado - antes por mim, nunca seguido.
A grande corrida a que vivia, pelas brandas manobras de tai chi: contornadas com tanto cuidado, que a margem de erro é praticamente inexistente. Uma troca e tanto. A visão atual de detalhes e ideias prolongadas, refeitas e atualizadas, antes encobertas pela névoa mal vista que era o reflexo de estar sempre tão alucinada em busca do que quer que fosse - descobertas.
Pinto hoje o que desejo para amanhã. Trabalho no que penso, antes de sair realizando com projetos capengas, e planos mal ajambrados. Dou à duração dos fatos o genérico tempo: para que amadureçam, para que me surpreendam, para que com consciência e alguma faísca impetuosa as realizações sejam uma realidade, e do livro dos sonhos se retirem. A boa dosagem de um tanto do que traz serenidade, com a outra parte que de mim nunca sairá, que ateia chama e manivela ações: o impulso.
O que nos recusamos a aprender por bem, a vida nos faz conhecer na marra. Ter calma tem sido a recuperação mais vagarosa e sábia que me sentenciaram todos os furtivos erros que cometi na vontade louca de acertar. Levo o kit de fósforos, fogo e rapidez no fundo falso da bolsa diária: nunca se sabe quando se reencontrar com a essência que já muito flamejou e hoje é usada em ocasiões especiais se torna também uma alternativa de caminho, um desvio interessante.

31 Comentários:

  1. Calma, paciência, palavras tão pouco usadas, seja como palavra ou como ação!
    Ótimo texto Camila!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. É minha amada, o amor é paciente mas a gente demora muito tempo para descobrir isso. Todas essa intensidade conheço bem, fez parte do meu processo para encontrar essa tal paz, Afinal meus ultimos dois anos foi de tropeços por causa dessa falta de fé no tempo certo das coisas. A intensidade também faz parte da nossa construção, saber onde coloca-la é que muda o rumo das coisas.
    Mais um texto incrivel descrevendo uma mulher maravilhosa.
    Beeeijooo

    ResponderExcluir
  3. a calma de fato é um tesouro inestimável ..

    tenho uma trilha sonora perfeita pra esse teu texto , gosto de ler ouvindo música .. vi nas atualizações e me deparei com teu título logo me veio essa aqui .
    http://www.youtube.com/watch?v=ODXdleZsn44 haha

    beijo flor .

    ResponderExcluir
  4. A paciência, a calma é o segredo né!
    Mas quem disse que é fácil ter ne?
    Essas palavras quase não existem na minha vida e fazem falta viu.
    Que sua vida seja sempre intensa e calma ao mesmo tempo!
    Nem preciso dizer que amei o texto ne?


    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Correndo tão louca pra cá, pra lá, pra onde nem sei, pra algum abismo, afim de entender tudo que se passa no peito.
    Parabéns pelos textos, são muito bons :)
    seu blog está no meu como um dos favoritos. visitarei sempre. beijos

    ResponderExcluir
  6. Que saudade desse cantinho aqui.
    É uma maravilha te acompanhar, e eu havia sentido falta.

    Uma vez depois de muitas desilusões amorosas uma amiga me falou: - O problema é que eu crio todas as expectativas.
    E eu digo agora o mesm que respondi à ela: - Baixa tuas expectativas e sonha mais alto.

    Não lembro onde li isso, mas levo essa frase sempre comigo.

    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  7. ótimo texto, consigo sentir realmente o que queres descrever com as palavras a realidade...
    =D

    ResponderExcluir
  8. É um prazer ler sesus textos Camila, há pouco tempo virei sua fã. é incrível a sensação de que tenho que você entende melhor sobre o que sinto mais do que eu mesma. Parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Lindo texto!!!
    Confesso que também preciso praticar a arte da paciência, da qual não tenho um pingo sem quer!!!

    Bjos.

    ResponderExcluir
  10. Acho que é porque a gente é inconstante demais.
    Como sempre, maravilhoso!
    Você se expressa tão bem, fala muito por mim.. =)

    Aahh tem selinho pra ti no meu blog. Pega lá! ;)
    BjO

    ResponderExcluir
  11. fazia um tempo que eu não te via com textos assim. sufocantes. eu estou nas suas linhas, correndo. acabei de perceber que eu não sei curtir, que ter calma não faz parte de mim, por mais que eu tente. mas fiquei contente de saber que está te servindo, e também espero, que esse seu barco navegue muito, desbrave e que encontre um porto, saudável, seguro, calmo ou avassalador. beijo da sua migs :)

    ResponderExcluir
  12. Vi-me por inteira nesse texto.
    Tão bom, tão leve vir aqui.

    Um beijo, flor!

    ResponderExcluir
  13. é isso mesmo, a vida faz de nós peças de jogo e aí, aprendemos na marra mesmo, na experiência.

    impossível não gostar dos textos daqui!
    um beijo, querida!

    ResponderExcluir
  14. Em estado de Paz. Só de saber isso uma pessoa já está no caminho certo de Amar de verdade. Não que eu seja um entendido em amor. Exatamente por não ser é que sei disso.
    Texto perfeito!

    ResponderExcluir
  15. "O que nos recusamos a aprender por bem, a vida nos faz conhecer na marra. Ter calma tem sido a recuperação mais vagarosa e sábia que me sentenciaram todos os furtivos erros que cometi na vontade louca de acertar."

    Concordo! E isso é bom, nos faz bem.
    Acho engraçada a tua hiperatividade, sede por tudo ao mesmo tempo. Acho que a vida, contra a nossa vontade, nos faz adquirir a paciência de saber esperar, por mais irritante que isso seja.

    =*

    ResponderExcluir
  16. É... que bom... Adoro as surpresas do destino, afinal de contas, já dizia no sábio poeta... a vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  17. Não é surpresa ler seus textos e pensar que voce me estudou antes de escrevê-los, e assim são as grandes escritoras, que de alguma forma fazem voce se sentir nela, fazem voce pensar nisso pois também acontece com voce, por isso o seu sucesso, não pare. Parabéns

    ResponderExcluir
  18. "Ela me disse: o amor é paciente. É, talvez seja mesmo. Eu é que não o sou."
    Isso é como se fosse eu que tivesse escrito.
    Você está de parabéns, camila.Sempre estou lendo, e cada vez melhor :)
    Tem o seu texto, orgulho.. que eu peguei uma parte dele e postei no meu tumblr, mas dei os devidos créditos, se quiser confimar.
    tá aqui : http://canelacomlimao.tumblr.com/
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  19. A calma e a paciência nunca me visitam tb...
    Beeijoos querida=**

    ResponderExcluir
  20. Não sou nenhum pouco paciente e acabo atropelando as pessoas e os sentimentos. E mais uma vez somos parecidas, acho que somos mesmo irmãs gêmeas de alma.
    Beijos flor.

    ResponderExcluir
  21. é esses dias tenho percebido o quanto é difícil isso.
    esperar, ter paciência..
    é a melhor coisa quando se sabe o que quer;

    ResponderExcluir
  22. Realmente não é fácil esperar, aguardar para que as coisas tomem forma ou resolvam atender aos nossos pedidos, mas é uma atitude necessária. Quietude, calmaria, pés no chão.
    É impossível não te admirar cada vez mais, flor!
    Bj, *.*

    ResponderExcluir
  23. Sou que nem tu em relação a isso, Camila. É bom saber que não sou a única que não tem paciência para esperar pelo amor. E se algum chega, logo perco o interesse. Sinto-me até atrasada em relação às outras pessoas da minha idade, pois vejo tantas amigas minhas vivendo histórias legais com outros caras, e eu aqui parada, minha adolescência passando e não aproveitando como deveria.
    Contento-me com a ideia de que, quando enfim o homem certo chegar, vai ser perfeito e torço ainda para que ele compense todo esse tempo de espera e ansiedade.
    Muito bom teu texto, Camila, assim como todos os outros!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  24. Tem um selinho para você no meu blog.

    http://garotasdeallstaraermo.blogspot.com/2011/01/exaustao.html

    ResponderExcluir
  25. Camila, acho tão fofo seu jeito de falar, dá vontade de pegar seu sotaque também, 'guria'. Haha
    E o texto, como sempre, quase que me traduzindo. Eu só não cheguei na parte final ainda, de ter calma, planejar, não sair aos tropeços. Ainda tenho essa urgência, e essa impulsividade idiota que me obriga a deixar tudo pela metade. Mas vou aprendendo contigo.

    Beijo querida! :*

    ResponderExcluir
  26. textoo perfeito! *-* Parabens! Passa la no meu e seguee, brigadaa! Beijoo

    ResponderExcluir
  27. Acho que a imagem refletiu bem o que nos faz sentir nas entrelinhas do seu texto. Uma calmaria doce que se instala e briga com uma vontade incessante de tudo. E aquela urgência pela vida, ali parada mas não exatamente em pausa. Viva, que qualquer hora desperta. Por mais que a calma lhe chegue, sua intensidade é a mesma. Dá para notar! E posso ser sincera, melhor mesmo é assim: uma paz levinha e ainda a mesma essência de sempre. Avassaladora.
    Espero que toda essa calmaria fique sim, mas não afogue a sua sede de sentir, viver, que é tão sua. Diferencial.
    Um beijo, flor.

    ResponderExcluir
  28. É de fato que a calmaria ajuda em diversas situações, mas como traz ajuda, é difícil de se conseguir alcançá-la. Às vezes até pensamos que finalmente conseguimos, mas uma onda de impulso coloca tudo a perder. A calma é amiga e com ela evitamos (muitos) sofrimentos. Eu também sempre estou de indo de encontra a ela, tentando não pular nenhuma etapa de nada e não agindo com pressa para errar depois. Eu espero que consigas continuar ao lado da calma.
    Tem um selinho para ti no meu blog, bem interessante por sinal. Dê uma olhada. Você não é obrigada a aceitá-lo, mas achei uma boa brincadeira. As regras são legais.
    Um beijo, da @pequenatiss.

    ResponderExcluir
  29. então, eu sempre deixo muitas coisas pela metade, e preciso ser assim prevenida, caso uma antiga essência resolva flamejar outra vez, não é? me falta isso.

    :*

    ResponderExcluir
  30. "Se não sair como o esperado, não há plano B ou segunda intenção por trás de nada...." Adorei esta parte!
    Sabe, acho que sofremos do mesmo mal, mas confesso qua ainda não me deixei tentar receber a calma, assim como a melhor das anfitriãs. Texto muito bem construído como sempre!

    obs.: que legal saber, com seu coment. no meu post, que o dia 12 tb representa algo pra vc...coincidência não é?!rs

    Bjs menina!

    ResponderExcluir
  31. adorei.
    preciso adquirir esta calmaria, mas urgente.
    Paciência é para ontem, necessito muito.

    ResponderExcluir