...e o coração é vagabundo.

8.07.2010 -








Nossa cidade é um ovo, e algum dia eu tinha consciência de que aconteceria. Na verdade, procurei entre olhares, personas e roupas parecidas, e agradeci à cada festa que não senti tua presença. Orei pela sua ausência, sendo franca. Ou fraca. Pedi que não visse teu rosto, sentisse teu cheiro, ou escutasse tua voz - única. E descendo as escadas da festa, eu vi. Aquilo que por meses ignorei, estremecendo a base sólida que imaginei ter construído, e que me fez gelar por dentro. Aquele de que durante dias à fio, não quis ver. O qual o verão me fez esquecer, o outono nem pensar e no inverno, finalmente, encontrar. Querendo desmentir que paixão antiga sempre mexe com a gente, decidi passar reto. Opa, não vi. Sem querer, querendo. E quando você puxa o meu braço, e me olha com aquela feição antiga, os olhos ternos de anos e anos, posso ver cada um dos pelos do meu braço que se arrepiam, sentir os pinotes que meu coração ensaia e paro no tempo. Fico sem ar, perdida no espaço, solta na vida. Não sei o que me leva a agir com calma e complacência, e ir caindo aos poucos assim, tola e frívola, na armadilha errante e repetitiva, que é você no meu destino. Mas sei que cesso, e diante de gente dançando e uma fila enorme para bebida, conversamos por todas as semanas de silêncio e fuga, rimos das pessoas bizarras que cruzam nosso caminho, e volto a me sentir bem ao teu lado, pedindo mentalmente que isso demore a passar, ou se prolongue o máximo possível. A gente se conhece tanto, e tão à fundo, que não surto e nem brigo, quando você comenta a minha roupa. Ou discutimos, a minha antipatia - e a tua falsidade. E concordamos que somos mesmo um pouco parecidos, meio turrões e teimosos, antipáticos e superficiais, quando nos convém. Sem admitir, ou dar o braço a torcer, como foi e ainda é. Eu com pouca roupa, enquanto você me exibe camadas de moletom, lã e camisetas. Você, e a sua habitual felicidade, o sorriso na cara de sempre, otimismo que não tem fim; eu, e minha ansiedade, remexendo o colar de pérolas, ou passando ainda mais batom. Oposto, e de outro ângulo, idênticos. Concluo que senti falta dessa sua vivacidade, e você me diz que faço também falta no teu dia-a-dia; mas nem tanto, pra não me deixar demasiadamente confiante. Se te dissesse que sonhei com você, num pesadelo insône do domingo passado, e te vi de longe logo na segunda-feira, e que levo fé que o nome disse tudo não é coincidência, mas sim destino puro e impróprio, talvez você gargalhasse de olhos fechados, como te vejo fazer há anos, ou questionasse, toda essa minha crença e espiritualidade, meus rituais e minha intuição, e começássemos algum debate filosófico sobre qualquer outra coisa do mundo - menos sobre nós, e toda essa situação sem pé nem cabeça, onde mergulhamos sem equipamento próprio. Então, continuo parada ao seu lado, e danço um pouco, enquanto penso como eu pude ficar longe da suas mãos maravilhosas, da sua alegria em viver, e de toda essa loucura pra qual você me arrasta. E todos nos vêem, nos notam, e sabem o quanto a gente fica eufóricos e radiantes assim, apenas de estar paralelos um ao outro e se dar um apertão de leve, um abraço sem jeito ou qualquer toque que aproxime, e não afaste. Finjo não ouvir as vozes que me falam para sair, fugir e correr pra longe - enquanto ainda é tempo, e o veneno ainda não me tomou totalmente o corpo. Mas caio nessa arapuca, e quando você quase me beija, esquivo apenas pra não ser assim tão fácil. Penso como quem se autosabota, mas nem liga tanto assim: a carne não é mesmo fraca? Que seja então, o coração vagabundo. Me faço de surda apenas para que você repita que me quer, que o tempo parece não ter passado, e somos os mesmos: você, o volúvel-inconsequente, e eu, a ansiosa-impulsiva. Não resisto por tempo suficiente, e quando pega a minha mão, e me leva pro outro lado do universo, vou; porque ainda é cedo, do futuro eu não sei nada, e minha vontade é gulosa demais pra ser insatisfeita. Te beijo, e não satisfaço apenas a minha alma, mas toda a minha dúvida e essa insanidade de querer nota fiscal da felicidade; cobradora. Sabendo que, amanhã talvez você nem se lembre, ou se recordar, será tão leviano e inevitável, que fingiremos que nem aconteceu. Por mais que também não seja amor, mas sim, todo esse mistério sem nome que vem se arrastando por anos, e que por mim, já tinha fim decretado - com direito à créditos no final, e nossos nomes em negrito, eu e você ainda somos dois grandes protagonistas. Senão do drama, da vida. Ou dos dois, na maioria exata das vezes. Mas lembrando sempre: você é um refúgio bom de voltar, e agradeço à estadia. Até a próxima, que talvez seja amanhã, ou nunca mais. Certeza, apenas uma:  será surpresa.

44 Comentários:

  1. Que esse teu dom de escrever seja de uma fonte inesgptável.

    Lindo texto, pra variar!
    HAHAHA
    :D

    ResponderExcluir
  2. Nossa ,só de ler me arrepiei toda.Juro por tudo de mais sagrado que exista.Me vi em várias passagens,de cada palavra desse texto.Mas só você realmente consegue transformar todo esse sentimento,tudo em palavras.Há vezes que prometemos a nós mesmas que nunca mais queremos voltar ao erro.Mas se num momento de fraqueza ou amnesia consciente fazemos exatamente o contrário.Fazemos charme e por fim nos entregamos,sempre alguma qualidade desse 'ser' vai parecer maior de que todos os defeitos insuportáveis .Enfim,adorei.Parabéns mais uma vez.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. E mais uma vez estamos na mesma. Exatamente na mesma. Enquanto lia, sorria em silêncio. É o passado se repetindo no presente, ou seria o futuro reflentindo um passado? Não sei dizer. Ainda não consigo parar de me surpreender contigo, com o que tu escreve, da forma que tu escreve. Já falei isso, mas falo de novo: Te admiro, Camila.
    Um beijo grande

    ResponderExcluir
  4. Que LINDO seu textoo..isso é um coisa que sempre acoontecee..o passado sempree vooolta..
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Nossa! me identifiquei demais e relembro um ex que sempre reaparece. hehehe
    excelente escrita!

    ResponderExcluir
  6. Só digo uma coisa: eu te entendo. Sem mais, falasse tudo. Pra variar enchi meus olhos de lágrimas, algumas cairam, mas já sequei. Aquele lance: chorar escondida pra que ninguém veja e sinta pena (falasse algo do tipo em algum texto né?) aie, vida injusta! auihauoiha.. Beijo guria.

    ResponderExcluir
  7. Camila...

    Ao ler mais um de seus magníficos posts, que adoro de verdade.
    Quase caí na armadilha de imaginar, mas me beliquei é que minha realidade dói menos que sonhar,e cair depois...
    Sabe como é?
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Tens um dom incrível,Camila, acredite! Fico perplexa a cada vez que venho aqui e me identifico com suas palavras. É interessantíssima a sua habilidade em transformar emoções em textos e a maneira com a qual elas nos atingem - algumas vezes como um cruzado de direita na boca do estômago, um alerta para que acordemos e prossigamos, em outras, as palavras apenas vêm, nos acariciam a face, nos fazem recordar daquilo que juramos ter esquecido, arrancam de nós algumas lágrimas e se vão. No entanto, o modo no qual os seus textos, impressões e você passa por nossas vidas permanece. Parabéns por todo esse talento, não me canso de elogiar!

    ResponderExcluir
  9. Tens um dom incrível,Camila, acredite! Fico perplexa a cada vez que venho aqui e me identifico com suas palavras. É interessantíssima a sua habilidade em transformar emoções em textos e a maneira com a qual elas nos atingem - algumas vezes como um cruzado de direita na boca do estômago, um alerta para que acordemos e prossigamos, em outras, as palavras apenas vêm, nos acariciam a face, nos fazem recordar daquilo que juramos ter esquecido, arrancam de nós algumas lágrimas e se vão. No entanto, o modo no qual os seus textos, impressões e você passa por nossas vidas permanece. Parabéns por todo esse talento, não me canso de elogiar!

    ResponderExcluir
  10. É impossível ler e não se auto enxergar em cada parágrafo ou situação embaraçosa. Satisfazer nossa alma com mais um beijo e não pensar que amanhã tudo terá sido apenas isso, um beijo e nada, acordar com o medo de que não existam lembranças da noite passada. Mas que se dane o amanhã, é o que vem na cabeça na noite enquanto as luzes da balada piscam, todos nos olham e alguns parecem nem nos enxergar e mais uma vez estou ali, ao teu lado, presa a ti, querendo não estar, mas sem forças para partir. É assim, já passei por isso, hoje é satisfatório, amanhã serão lembranças, outro dia virá o arrependimento, mas cada qual com sua história, com sua noitada, com sua lembrança satisfatório ou não. Você é ótima e não me canso de dizer. Um beijo.

    ResponderExcluir
  11. Camila, que texto mais lindo...
    Teu melhor post.. Sei muito bem como são essas paixões que a gente reza pra esquecer, mas, no fundo, quer lembrar mais uma vez...
    Amei...

    ResponderExcluir
  12. Já passei por isso, parabéns, escreves maravilhosamente bem.

    ResponderExcluir
  13. Noossa que densa vocÊ
    adorei seuas escritas minha querida
    vou te seguir :*
    beijos e bom dia de sol

    ResponderExcluir
  14. Que lindo, guria!

    Nem sempre conseguimos resistir, não é? A carne é fraca mesmo.


    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Se tem uma coisa que eu quero pegar de você, na sua cara, de costas para o caixa de supermercado, escondida num guarda-chuva danificado esperando a chuva passar, dormindo numa viagem de ônibus entre a casa e a faculdade, é a NOTA FISCAL DE FELICIDADE.
    Acho que você conseguiu emitir esse documento, todas as vezes que coloca sua caixa-palavra-registradora pra funcionar.
    Eu quase não consigo mais escrever sobre encontros impressionantes, com tantos detalhes que quase fotografo o momento inebriante dos seus pensamentos rápidos.

    Outra vez, como sempre será, eu fecho essa página pensando na próxima que virá, andando com passos lentos pra entender a velocidade dessa sua sabedoria gratuita. Como seria dividir um texto, uma caneta, um papel com a sua pessoa?

    ResponderExcluir
  16. E, mesmo que não seja amor, envolve profundamente. Não se sabe, apenas se sente. E é como se houvesse um imã, que te arrasta a esse mistério sem nome, mesmo sabendo que, se seguisse a razão, não deveria ir. Mas vai. E vai sem culpa. A razão que espere pra o dia seguinte, pois o 'agora' pertence à impulsividade.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  17. Nooosa eu amei mt seu blog. :D
    amei seus textos, e sua forma de escrever.

    mt sucesso, sempre

    ResponderExcluir
  18. gulosa tb parece ser sua vontade de escrever, não sei oq mais me impressiona, a quantidade de palavras ou pensamentos, talvez os dois.

    obg pela visita! tenha uma ótima semana! bjs!

    http://meuprojetopiloto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. Ameiiii... fikei até emocionada... me vi em várias passagens deste textoo... Parabéns, vc escreve mtooo!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. 'Te beijo, e não satisfaço apenas a minha alma, mas toda a minha dúvida e essa insanidade de querer nota fiscal da felicidade; cobradora.' - chorei muito!
    Lindo demais, demais, demais, pra variar!

    ResponderExcluir
  21. Adoro a maneira como tu descreves cada vendaval que acontece com cada ato tão simples que acaba tornando complexo até mesmo um simples toque.
    Te desejo toda sorte do mundo nesse amor inacabável e inconstante e concordo mais do que com o "a carne é fraca" que o coração é absurdamente vagabundo.

    Parabéns!

    =*

    ResponderExcluir
  22. i know what u mean! e preciso aprender a me divulgar, vc poderia me dar umas dicas haha

    ResponderExcluir
  23. Somos portos-seguros de nossas emoções. Elas sabem bem como voltar para casa...te ler é assim, menina Camila. Simples e de fácil compreenção!
    Texto tudo de bom, outra vez!
    Não achei meu selinho...sniff! rsrsr
    cade?
    beijos

    ResponderExcluir
  24. Tu tá tirando com a minha cara, né!! Essa do sonho no domingo tu leu meus sonhos, né?! Puuutz, como me identifiquei com esse texto, guria do céu... ADOOOROOO!!

    ResponderExcluir
  25. "Te beijo, e não satisfaço apenas a minha alma, mas toda a minha dúvida e essa insanidade de querer nota fiscal da felicidade; cobradora."
    Ai que parte perfeita essa. É ser feliz e não precisar de comprovante. É apenas ser e pronto.
    Beijosss

    ResponderExcluir
  26. Oi Queridona. Com a sua força, aqui estou de novo. Te agradeço, agradeço e agradeço. :)
    Começando do zero... Agora não postarei mais no Blog SegredosAdocicados (Sophias'Lu), mas sim no Menina Bordada.
    Adorei seu texto. Como SEMPRE. Você mostra tanta autenticidade e sentimentalismo. É uma delícias lê-los.
    Beeijo.

    ResponderExcluir
  27. O que faz da vida saborosa se não as surpresas e o alguém tão vagabundo quanto nosso coração para preencher os espaços em branco que vira e mexe encontramos na alma?
    Belo texto, gosto sempre daqui!

    ResponderExcluir
  28. Quatro palavras...
    RO MAN TI CA

    Pq quatro palavras?
    Cada Sílaba é para um suspiro!
    Parece que tô lendo o conto da bela adormecida contemporanea..
    hehehe
    ok, exagerei, anastácia!
    ^^

    ResponderExcluir
  29. Ah tenho passado exatamente por isso essa semana, tem pessoas que a gente tenta deixar no passado, mas não tem jeito, faz parte de nós, uma marca, uma digital no corpo. Tem gente que mexe tanto com a gente que se torna parte de nós. Acho que eles são assim. Vão nos fazer querer esquecer, mas quando pensarmos em algo forte, eles veem a tona novamente.

    Adoreiii o texto.
    beijooo floor

    ResponderExcluir
  30. Me identifico tanto com seus textos, tem vezes que até acho que estamos falando da mesma pessoa. Desde alguns meses atrás passo por aqui toda semana para ler e viajar junto ctgo..
    Não consigo dizer qual é o melhor, mas esse em especial me pegou numa situação parecida!
    Muita imaginação para que você continue a escrever.

    Um beijo :*

    ResponderExcluir
  31. Confesso: coração vagabundo esse o meu, também...
    ai, ai, que venha logo essa surpresa!
    beijos flor :**

    ResponderExcluir
  32. CAMILA! Você me sequestrou nesse texto! entrei nas tuas linhas e senti, que delícia, que surpresa avassaladora. que texto incrível, se superas sempre, escreves muiiiiitooo! beijo grande e desculpa a demora em ler essa preciosidade, mais uma das suas.

    ResponderExcluir
  33. Eita, que essa sensação que você descreveu aí, não deve haver uma mulher no mundo que nunca tenha passado por algo semelhante.

    Engoli o texto. Devorei completamente, quase que sem parar!

    Mas esse nosso coração, sei não... Danado de se meter a nos trair.

    Beijo grande! ;**

    ResponderExcluir
  34. Belo post, Camila! ♥ Assim como todos os outros =D
    Um momento quase (ou mais) que perfeito e dois grandes protagonistas dá nisso: uma bela história

    Como foi dito acima: "o passado sempree vooolta.." Considere como algo bom ou ruim. rsrs

    Além do mais, acredito que uma boa história nunca termina de fato. Pelo menos não porque queremos que ela termine.


    Pampita

    ResponderExcluir
  35. adoreei! me identifiquei muito,parace que foi feito pra mim!

    ResponderExcluir
  36. Acho que eu fui mais uma identificada nesse texto, idêntico ;x seus textos são MARAVILHOSOS, não tem como não me identificar, você é maravilhosa, escreve super bem, PARABÉNS mesmo, amei esse texto, mais uma de suas obras.

    ResponderExcluir
  37. Liiindo o Texto... que seu doom seja eterno...

    ResponderExcluir
  38. Como diz o saudoso Chico Buarque: é constrangedor reencontrar um grande amor, e sempre será. Não tive dessa sorte, ou desse azar. Mas nos melhores sonhos, ou pesadelos, me imagino com esse mesmo pensamento seu. Ótima escrita, parabéns garota!

    ResponderExcluir
  39. Adoreii o blog.
    Beijos tudo de bom!

    Thaai

    ResponderExcluir
  40. Este texto descreve perfeitamente essa minha situação. Até as estações coincidem.

    Ótimo!Perfeito...

    ResponderExcluir
  41. peeeeeeeeeeeeeeeerfeito demais *--*
    Parabéns pelo texto, o coração é mesmo vagabundo :s
    beijão!

    ResponderExcluir