"De perto, ninguém é normal."

6.24.2010 -


Me lêem, mas não me vêem. Não assim, maquiada e com a pele obstruída em base, pó e blush. A tão famosa pinta acima da boca, as covinhas nas costas, ou meus dentes grandes, e os lábios finos. É engraçado como sabem vocês das minhas tantas dores, ansiedades e complexidades, e nunca, nem sequer, tenham me visto cara à cara. Pensei nisso enquanto entrava no supermercado e comprava barras de cereal, e uma menina me fitou. E concluí com uma frase que já ouvi por aí, não sei aonde e nem a autoria: de perto, ninguém é normal.
Como o Bis em partes. Primeiro a parte de cima, depois o recheio, a parte do meio, de novo o recheio e só apenas a parte meio oca do final. Caminho rápido pelas ruas: sou quase um foguete. Coço o nariz mesmo quando não minto; é a rinite, que me ataca sempre. Tenho falado cada vez mais sozinha. Converso comigo mesma no calçadão, quando seco os cabelos, e antes de dormir. Quando sou pega em flagrante, ensaio um tom meio musical, que passe a mensagem mais sã de que "não sou louca, estou apenas cantando.". Quando me deito, os cabelos não podem encostar a pele: pra cima, e longe de se enroscar nas orelhas, de atrapalhar o meu sono de princesa. Fujo de semi-conhecidos (chega a ser incrível a quantidade de chaves, celulares e papéis que eu TENHO que pegar na bolsa, sabem como é...). Interrompo os outros, para não me fugir a idéia no ponto alto de conversas - e me arrependo, minutos mais tarde. Ensaio diálogos que quase nunca se concluem, ao telefone. E muito menos ao vivo. Quase chuto pessoas que caminham devagar, quando na minha frente. Não dialogo com coerência assim que acordo. E nunca, em hipótese alguma, tente discutir comigo pela manhã - ainda mais, se não quiser ouvir algo que te machucará. Será i-ne-vi-tá-vel.
Faço eu mesma meu leite desnatado, colocando metade do leite integral, e outra metade de água mineral. Não como tomate. Detesto telefone. Nunca tive o hábito de roer as unhas, mas puxo as peles que ficam em volta da unha. Hoje não quero, amanhã necessito. Sou ríspida, e hora depois, amável. Discuto por futebol, e abraço por gosto musical parecido. Na rua, não olho pro lados. E nem para qualquer psiu, fiu-fiu. Pra frente, e reto. Alheia, e  indiferente - quem me conhecer, me chamará pelo nome. Algumas vezes, escuto Tetê Espíndola e Belchior, para não cair na mesmice. Passo rímel com a boca aberta. Tropeço mesmo parada, e não consigo dormir em lugares públicos. Ando como uma desabrigada em casa, com roupas velhas e uniformes dos meus antigos colégios. Sempre confirmo o preço, mesmo sabendo de cor. Não durmo sem saber meu signo do dia seguinte. E não pego no sono se a porta do armário estiver aberta. Necessito de pelo menos quatro litros de chimarrão e uma paçoca, por dia. Minto meu nome em festas, e à pessoas indesejáveis. Leio o jornal de trás pra frente, e abro a geladeira pra pensar. Além do mais, dobro a ponta das páginas, ao invés de usar o marca-página. Sou estranha? Talvez sim, acredito que não. Nem me importo. Sempre busquei o diferente, e talvez até tais diferenças sejam batidas, manjadas ou então, populares. Vai saber!
Dizem que mania, cada louco tem a sua. Essa são algumas das minhas, ou apenas, as que consigo perceber. E claro, como de perto, ninguém é normal, aqui está minha assinatura, logo embaixo de tudo isso. Porque sem apenas um desses meus pequenos defeitos, poderia ser você, poderia ser a sua irmã, ou a sua amiga. Mas de perto, a uns cinco centímetros, essa é uma face de mim. Apenas uma, das tantas e tão distintas. Gosta quem quiser, e detesta quem puder. Não dizem que são os defeitos que marcam, aprisionam, e apaixonam? Acredito também, ué.

34 Comentários:

  1. Adoreiii e me identifiquei com muitas coisas. hehehe

    ResponderExcluir
  2. É mesmo engraçado isso, sei quase tudo a respeito das tuas ânsias, medos, e desvaneios (pelo menos aqueles que você nos deixa saborear), e em contra ponto tão pouco sobre você, físico, digo.

    E concordo contigo, de perto com certeza ninguém parece normal. Nem somos. E aliás, quem quer ser? Os normais não interessam, não comovem.
    Bom é assim, cheinha de maluquices e mania. ;D

    Beijo Camila linda! ;*

    ResponderExcluir
  3. ah, você é ótima!
    me identifiquei com muitas coisas, tenho tantas manias também...
    Também odeio telefone, minto meu nome em festas e ando rápido na rua...hahaha mas tenho tantas mais!
    adoro texto auto-biográficos...
    beijo

    ResponderExcluir
  4. Verdade, Xará.. Oq seria de nós sem as nossas lindas peculiaridades?!
    Vc não tem orkut não?

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. haha.ótimo Camila.
    Até que temos algumas manias em comum: mentir nome em festas,ter pânico de semi conhecidos,ler jornal de trás pra frente,não olhar para os lados na rua,falar sozinha ás vezes.

    De perto ninguém é normal mesmo.Somos todos loucos,loucos disfarçados na nossa aparente normalidade.

    bj!

    ResponderExcluir
  6. Adorei, como sempre! E no texto dá pra ver que você é uma ariana da gema :-)

    Adoro arianos, adoro gente direta! Deve ser por csusa da minha Vênus em Áries :-)

    beijocas, lindona!

    ps: tb passo rímel de boca aberta e falo sozinha a rua

    ResponderExcluir
  7. Depois de tantas informações, basta apenas ouvir a sua voz. Provavelmente quando estiver fingindo que canta, sempre acho a perfeita naturalidade quando somos pegos em meio a uma maluquice de nossa personalidade.

    Adoro sempre. Adoro mais.

    ResponderExcluir
  8. Quando se trata de falar sozinha na rua e fingir que tá cantando,
    brigar por futebol e amar por música,
    e evitar semi conhecidos somos identicas..

    Mas cada uma ao seu modo né?!
    De perto todo mundo é esquisito. Ainda bem!

    ResponderExcluir
  9. "Fujo de semi-conhecidos (chega a ser incrível a quantidade de chaves, celulares e papéis que eu TENHO que pegar na bolsa, sabem como é...)."

    É bom saber q eu, vc e mas um monte de gente por aqui faz isso!
    rsrs

    Tenho q buscar novas palavras pra dizer q amo td q vc escreve... rsrs

    Bjinhos!

    ResponderExcluir
  10. É verdade. De perto ninguém é normal mesmo!
    Eu tiro por mim.
    kkkkkkkkkkkk
    beijo

    ResponderExcluir
  11. ahaha! Somos muito parecidasss. Ainda ontem tava falando disso com minhas amigas: "Fujo de semi-conhecidos (chega a ser incrível a quantidade de chaves, celulares e papéis que eu TENHO que pegar na bolsa, sabem como é)". Sempre faço isso também, tenho pânico a pseudo conhecidos! Beijão guria

    ResponderExcluir
  12. Autêntica! Isso o que és...
    Admirável!
    Ah, dentre as suas particularidades, me identifico com uma, também "quase chuto pessoas que caminham devagar, quando na minha frente."

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  13. "abro a geladeira pra pensar"
    essa mania é clássica... srsrsrs
    vou falar o que já virou mania: amei teu texto, me identifiquei com tudo...
    sou tua fã!!!!
    Saiba que também estou aqui: "pra falar de dores, de amores" e de coisas sem importância para o futuro da humanidade.. hahahahaha
    bjok, flor...

    ResponderExcluir
  14. Tenho algumas manias das citadas acima, mas uma me fez pensar que não sou a única: "Como o Bis em partes.".
    E eu tenho uma mania que até hoje não achei ninguém que também a tivesse: Danço sem música agarrada em um livro.
    Amo ler seus textos, amo saber mais sobre você.
    Você tem uma fã :D

    ResponderExcluir
  15. Tão bom vir aqui Camila, é como conversar com vc qdo tô sozinha.. Admiro como se expõe, adorei o texto! Beijos!

    http://meuprojetopiloto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Adoro ler manias estranhas e pensar que eu não sou a única esquisita no mundo, hahaha. xD
    Cada louco com a sua loucura, né? E de perto é fato que ninguém é normal. O que é normal não interessa, vem em séri. Bom mesmo é ser único e divergente.

    :D

    ResponderExcluir
  17. Que fofa bela. Falo só também. Também não olho quando me chamam por outro nome. E quantas vezes teve que mentir seu nome? Beijocas bela Camila.

    ResponderExcluir
  18. A normalidade cansa qualquer um. São sim os defeitos que marcam uma pessoa. E que apaixonam.

    As diferenças que distinguem você de mim, eu e ela, você e ela. É maravilhoso saber que se é único.

    Beijo! *=)

    ResponderExcluir
  19. Me assustei, pelo visto eu tenho um pouco da Camila Paier HAHA
    é ótimo ter manias, elas mostram a nossa individualidade. eu também sempre busquei ser diferente, acho que marca muito mais do que quem segue todo mundo.
    que bom que tu estás conseguindo escrever sobre temas diferentes. isso é muito bom. beijos e parabéns como sempre, tu já sabes que vais longe.

    ResponderExcluir
  20. Eu também passo o rímel com a boca aberta, mas eu nunca tinha parado pra pensar nisso!rs
    Show de bola o texto. Parabéns!

    ResponderExcluir
  21. Faço o mesmo ritual com o bis, não me agrada também esses papos prolongados por tel. Andar devagar me tira do sério. Gosto de falar e me ouvir, sozinha. Ajuda a refletir, a perceber certas verdades que silenciam-se aqui dentro.(...)Manias e mais manias que refletem alguma similaridade. Mas na verdade a essência de cada um de nós diversifica a maneira com que ela é se realiza e atuada em nós. Por mais que aparentemente algumas dessas descrições nos encaixe, há sempre diferenças. Muito bom seu texto Camila, como sempre não é? :)
    Ah, fiquei em puro êxtase com as suas palavras no meu cantinho. Obrigada por tudo que dissestes, de coração. Vindo de você, escritora espetacular além de ser pura sensibilidade, com certeza significa muito. Fico feliz que tenhas gostado! Volte sempre que quiser.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  22. 'Ensaio diálogos que quase nunca se concluem, ao telefone. E muito menos ao vivo. Quase chuto pessoas que caminham devagar, quando na minha frente.' me identifiquei demais. adoreei *-*

    ResponderExcluir
  23. Eu tbm não consigo durmir se a porta do armario estiver aberta :O
    Eu tenho tiques com tapetes, não posso ver dessarumado S: E não bagunço as cobertas pra durmir.

    Amei o texto Camila *-*

    ResponderExcluir
  24. Tbm ando falando só demais:x
    E sem exagero, nunca te vi cara á cara; mas como acredito na verdades das palavras, das tuas inclusive, gosto de vc!=))
    :**

    ResponderExcluir
  25. Acho que fomos separadas na maternidade, rs. Temos muitas coisas em comum... Mas brincadeiras a parte, está espetacular, mais uma vez, como tudo que tu escreve.
    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  26. Admiro a forma como voce consegue descrever as coisas tão naturalmente!
    Me indentifiquei bastante com o teu texto!
    Estás de parabéns!
    Beijo

    ResponderExcluir
  27. amei muito cada palavra que tu escreve, e me identifiquei também com cada texto. Parabéns!
    vou te seguir rs


    http://wellitscool.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  28. Camila, que ótimo esse post. Me identifiquei com algumas coisas. É bom saber mais sobre vc, que leio e a cada dia sou mais fã. Pois é, nunca te vi,sempre leio e te admiro demais!
    Beijos, guria!

    ResponderExcluir
  29. "E não pego no sono se a porta do armário estiver aberta."
    O.o Eu juro que pensei que fosse a unica!
    Vai entender neh
    HAHAAHAHAHA
    Adorei.

    ResponderExcluir
  30. Haa concordo!
    De perto ninguém é normal! =)

    ResponderExcluir
  31. Ca-mi-la...

    Lendo seu post, me perguntei: Será que me conheço dessa forma? Não sei...
    O que sei é que me identifiquei com alguns trechos, adorei conhecer algumas de suas mânias. Mas, preciso te dizer, estou apaixonada por esse blog inspirador.


    Beijos

    ResponderExcluir
  32. me indentifiqueei muitooo... otimo texto !

    ResponderExcluir
  33. Também me identifiquei bastante. Ótimo texto. Abraço!

    ResponderExcluir