Rainha soberana

5.08.2011 -


Imagino que o ato deva ter sido consumado em junho, ou julho, considerando-se que, nasci prematura. Como precoce em tudo que me diz respeito, vim ao mundo com um mês de antecedência. E o melhor disso tudo: sei que fui muito desejada. Ela nunca quis ser mãe velha. Sempre deixou claro que, se possível, teria cinco, seis filhos. E o mundo anda caótico, nós sabemos. Violento, temos certeza. O dinheiro, cada vez mais batalhado - ou escasso, ou em abundância.. E por mais nova que fosse, acredito que estava preparada, sim. Não sei se completamente, porque nem que quisesse as memórias denunciariam algo de concreto e analisável, mas se não estava, aprendeu. Na marra, na base do laço. Cuidou do bebê pequeno, que logo se transformou num bebê graúdo e forte, robusto. Cabelos espetados, de tão lisos. E tão loiros, reluzentes; alvos. Um recém nascido que se tornou nenê, e depois, menina. Com a fala, a cumplicidade. Meio aos poucos, e sem querer, uma foi tecendo na outra esse sentimento que preservamos tanto, até os dias atuais. O fato é que, nos transformamos em cúmplices, amigas, quase irmãs. Pela pouca idade que nos separa, e atualmente, é fácil confundir tanto amor e dedicação, com irmandade. Mas está muito além disso. A mulher forte, que tentou a vida na cidade grande, e conseguiu mais que isso: um grande amor. Uma vida transformada, e totalmente libertadora. Família formada, hoje somos cinco. E no topo, mamãe, é claro. Alicerce
O que admiro na minha genitora, nos genes que passaram pro meu DNA, não se explica. Não tem preço. Poder ligar a qualquer hora, e falar sobre uma infinidade de assuntos, seja o que escolher. Mãe, tô com medo. Não sei o que fazer, e a minha cabeça fica perplexa, rodando entre os mesmos enredos e dilemas. Já tomei o remédio, e uma água pra acalmar, mas me ajuda. Tá, depois te ligo, e te conto. Se eu acreditasse em anjos, diria que já nasci abençoada. Creio um pouquinho, que é pra não iludir. E agradeço sempre, por ter com quem dividir toda a minha vida inconclusiva, as minhas felicidades gritantes, e minhas ansiedades de sempre. E que me escute e passe a mão pelo meu cabelo, sem passar pela cabeça os dedos - que xingue e chame atenção quando preciso, que me lembra sempre de onde vim e quem eu sou, meus valores e princípios. E que, na maioria das vezes, é minha razão, quando eu insisto em ser só coração, acelerada, pulsante; ininterrupta. Sempre pelo bem. Pelo meu bem. Lutando pela minha sanidade, cultivando os meus sonhos e alimentando minhas idéias.
Sinceramente, não sei e não consigo imaginar minha vida sem minha mãe. Mamãe, mami. Não dá; e nem quero. Melhor mesmo é ir vivendo com alguém que todos os dias me lembra em pequenas ações e palavras que existe um amor eterno, e esse é só o de mãe. Materno. Te amo! E um feliz dia das mães pra todas as musas inspiradoras desse nosso dia, nossas rainhas soberanas.

17 Comentários:

  1. Homenagem maravilhosa! Muito lindas, *.*

    ResponderExcluir
  2. Chorei lendo este post! Lindo...

    ResponderExcluir
  3. Ah Ca, assim você faz chorar até quem não é mãe!
    Linda!
    Parabéns pras mães! Todos nós temos um lado materno!
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Ain que lindo esse texto! Todas as mães merecem ouvir uma declaração dessas! Elas merecem muitoo!
    E tenho certeza que faremos jus a mães que tivemos e seremos ótimas mães!
    beeijo ;*
    Boa semana!

    ResponderExcluir
  5. Camila, esse texto é lindo do início ao fim. Um beijo para sua mamis. E outro para ti!

    ResponderExcluir
  6. que texto mais adóravel <3 ideal para um dia especial como este.
    foi daqueles texto que vem do fundo do coração e que, de uma maneira ou de outra, acaba atingindo o coração do leitor também.

    se cuida :*

    ResponderExcluir
  7. Belissímo texto, Camila! Também não consigo imaginar a vida sem a minha mãe.
    Parabéns a elas!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Impossível não se emocionar ,não se identificar.Parabéns você tem o dom da escrita.
    <3

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. que homenagem linda;
    nada melhor do que ter alguém tão especial todos os dias ao nosso lado.
    Parabéns pra você. pra mim, pra todo mundo
    e claro para minha mainha e todas as mães. rsrs

    ResponderExcluir
  12. Elas são mesmo rainhas e o melhor: nos amam como somos! E como é lindo nos ver nelas e vê-las em nós...mas uma sem a outra, realmente não dá, também não quero!
    bjs querida!

    ResponderExcluir
  13. São realmente rainhas soberanas!Que possamos ser tão maravilhosas quanto elas foram e são em nossas vidas!
    Um viva às nossas mães e um viva para as boas mães que seremos, graças, em grande parte à elas!Parabéns, Camila!

    ResponderExcluir
  14. É,esta sou eu, leitora do 'Calmila', me derramando em lágrimas.
    Não tenho palavras pra descrever o quanto a beleza de suas palavras em relação à sua mãe, me tocaram.
    Sinto falta da minha mãe a cada segundo, quando a vejo,nem me dou conta de que moro longe, tamanho amor.
    Minha ligação com ela, é bem diferente da sua com sua mãe, mas uma coisa é sempre igual: Amor materno.

    Lindo, lindo.
    Um beijo pra dona Gê. =*

    ResponderExcluir
  15. Achei linda a homenagem. Li o do ano passado, mas esse é mais pessoal. Um beijo amada

    ResponderExcluir
  16. que lindo esse texto ai linda uau gostei muito seu blog muito legal bom msm!
    http://dgosaude10.blogspot.com.br

    ResponderExcluir