Amorfílica

5.25.2010 -



É nessas horas de raiva suprema, de ferida que não sara, casquinhas que se abrem em trechos sacolejantes, um passo e um ladrilho que balança, nunca firme, que não termina, e a vontade de escrever me toma antes de qualquer necessidade fisiológica, física ou peculiar. Falar já se tornou cansativo, e ouvir os mesmos conselhos, os avisos de "eu te avisei" é a única coisa que abomino, e não tenho necessidade, agora. Acontece que a principal pessoa a enxergar, sentir, capaz de proteger as ilusões, essas tentativas que mesmo intuitivamente sabendo furadas, acreditamos contaminadas - cheias de romances com finais felizes - somos nós; depois de percalços cheios de pedregulhos e penar como que com uma cruz nas costas, arranhando qualquer perdão voluntarioso, pesando enquanto se tenta caminhar rumo à solidez a gente acaba se dando conta de que tudo isso que sucedeu, esse tempo todo de chances, desculpas aceitas, esfarrapadas e pela metade, foram pura enganação. Iludir à si mesmo, enfeitar o real com rosa, purpurina e fita mimosa. Não notando que tudo degringola, e se deforma por conta dessa visão que não condiz à realidade.
Uma cega que exita em ver, apalpar a realidade e esquecer na estante os contos dos Irmãos Grimm ou os filmes da Disney. E que Deus propaga o perdão, a aceitação do erro, essas teorias de que rancor faz mal pro coração, na fisiologia humana. Sendo que quase todas as vezes em que disse sim, guiada pelo sentimento e a cabeça sendo esquecida, intocada, poucas foram reaproveitadas. Raras, com felizes para sempre. E cansa ser assim ingênua, fervorosa. Vontade de desaprender a digitar, ler, ou ouvir. Lembrar dos conselhos velhos de papai que homem gosta de sofrer, não presta e nem merece ser ouvido. Pisou na bola, é contra-ataque.
Uma fadiga de ser eternamente depositada de litros de uma compaixão imperecível, um estigma de bondade para voltar em triplo e me deixar ser assim molestada, usufruída, desfrutada; afetivamente. Essa auréola visível e que apóstolos de Lúcifer, Satã quem sabe, insistem em tentar retirar e me tatuar algum símbolo de maldade, pessimismo. Partícula de sanguínea, que exala no ar o cheiro da caça, da dor, e da humanidade, para que vampiros sugantes de alma, carinho e leveza me encontrem, feito GPS. Num beco sem saída, sinuca de bico, encruzilhada sem escape e passagem-secreta. E sofro, voltando a me fechar num luto interno, com demoras para recuperação de auto-estima, mil livros e sapatos, em forma de recompensa à esses traumas.
Pressentimentos inaproveitados, onde eu sabia que cairia pela trigésima vez nessa vala funda, e ainda assim quis arriscar, ver aonde ia parar, tentar sair por cima e como mulher equilibrada; todos os ensinamentos em mente, não dando vantagem ao erro, e nem sequer possibilidade. E na verdade, ou se cai bem fundo, tão fundo que não tem volta; e sim, fundição, conexão feita e sucesso êxito. Ou ainda, é apenas mais uma das chances, a tal benevolência, que precisa ser gasta e não encontra indivíduo, objeto, e tento fazer crescer: seja você, ou a nossa situação sem pé nem cabeça. Lugar preenchido, ainda na sua presença, a falta, a falta, a falta.

15 Comentários:

  1. Eu durante varias vezes me senti assim também. Nós temos muito sentimento, é incrivel como algumas pessoas não sabem dar valor a isso.
    Depois da minha ultima grande decepção eu consegui me fechar como numa ostra e ser dura e fria. Durou 3 meses, e eu ja estava rezando pra voltar a ser ingenua, doce, mas cheia de sentimento.
    Deu certo, agora encontrei mais pessoas comon eu. E vi que vale a pena ser assim... meio princesa, meio sonhadora, meio doce, meio Alice, mas completamente Feliz até a ultima gota.

    beijoo Ca, mais um post liindo

    ResponderExcluir
  2. Isso porque você estava sem inspiração hoje né? Estava pensando se um dia você namorar. Acho que vai sair lindas obras. Ah, tenho que aprovar antes heim hahaha. Parabéns querida amiga. Sucesso!
    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. nunca sei como devo te parabenizar pelos seus texto. sempre com uma linguagem culta, usando de exemplos diferentes, eu simplesmente, os adoro :D
    a gente sempre cria esperanças e eu mesma sou dona de uma imensa ingenuidade, mesmo sabendo como o mundo é. deve ser o sentimento, que nos cega e não permite ver as placas de aviso e relembrar das dores pra não errar novamente.
    beijones!

    ResponderExcluir
  4. Realmente, parece que a falta de inspiração lhe impulsiona.

    Gostei um tanto. Um bocado.
    E volto mais vezes agora.

    ResponderExcluir
  5. Dói e como dói, e nessas horas o tempo demoraaaaaaa parece que faz de propósito, mas o consolo é que passa, pode demorar muito, mas sempre passa!
    E um dia desses longe ou perto vai se pegar desejando toda essa ingenuidade outra vez, é assim que é. Somos românticas e incuráveis graças a Deus.

    ResponderExcluir
  6. Como sempre: muito belo! E pela milesima vez, encontrei-me em cada letra que escreveste.
    beijos, querida :*

    ResponderExcluir
  7. Lindo! Adorei, Camila!
    Sou muito fã e dose dependente de seus textos maravilhosos!
    Mandou ver, guria!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. Oi Camila,

    Estava vendo algumas comunidades no Orkut e encontrei algumas com frases suas. Me identifiquei com váááárias, gostaria de lhe pedir permissão para postar alguns textos/frases no blog que eu tenho onde posto textos que me identifico.

    Caso queira conhecer www.estouroempalavras.com

    Desde já agradeço!

    Beijos Mil.

    ResponderExcluir
  9. Somos humanos e erramos constantemente.Nos iludimos,somos ingênuos.Criamos fantasias por cima desse mundo real e de alguma forma acreditamos nessa nossa capacidade louca de fugir do real.Distrações como livros e sapatos são importantes nessas fases de desapontamento com nossas próprias fantasias.
    Lindo texto.Lindas palavras.E que essa seja uma fase que passe tão rápido e seja recompensada por uma fase maravilhosa em sua vida.

    Com a admiração de sempre,

    Thalita

    ResponderExcluir
  10. Falasse tudo. Me identifiquei muito com o texto, do começo ao fim. Parabéns, tu realmente é uma baita escritora.

    ResponderExcluir
  11. Lindo! Lugar preechido com a falta.

    Que dói, pesa, que faz a gente querer esquecer tudo, ou como você disse (adorei essa parte) "Lembrar dos conselhos velhos de papai que homem gosta de sofrer, não presta e nem merece ser ouvido. Pisou na bola, é contra-ataque." :D


    Eu sinceramente queria saber como contornar isso, ou controlar essa sensação... Pois me sinto exatamente assim.

    ResponderExcluir
  12. Olá, moça!

    Teu blog ganhou um selo do Blog Café Quente e Sherlock. Passe lá para pegá-lo!!!

    T.S. Frank

    www.cafequenteesherlock.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Olá, moça!

    Teu blog ganhou um selo do Blog Café Quente e Sherlock. Passe lá para pegá-lo!!!

    T.S. Frank

    www.cafequenteesherlock.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Deixando alguns errinhos de lado ("Uma cega que exita em ver" o correto é hesita e " Partícula de sanguínea" não há necessidade do "de") vc escreve muito bem! Gostei muito dos seus textos, vc sabe mesmo se expressar!

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir