Em branco.

1.08.2011 -



Tira do armário o vestido branco, passado, lavado e fora de uso. Rasga a etiqueta, e deixa a peça única sobre a cama, à espera do banho demorado de sal grosso, ritual de limpeza e purificação da alma, da mente, do corpo e do ser. Toca no cabeça, máscara nos fios dourados, para rituar com os fios brilhantes, dourados. Com calma, banho demorado, temperatura morna e ambiente. O sal desce as curvas, grosso, eliminando os encostos, as almas ruins que grudaram, aderiram à pele e devastaram com stress, deixando a derme com aspecto de cansaço, fisionomia abatida. Promessa de sorte, de leveza na vivência, dia-a-dia longe dos ladrões de caráter, essência. Retirar de perto gente medíocre e sem perspectiva. Sobe a fumaça, e a tosse seca, garganta carregada. As temidas relações tóxicas, pensa. Alimentada pela água mais quente do que o normal, pela época fresca e acalorada do ano? Evidente. alérgica como de costume, tosse compulsivamente, e volta a idéia que lera. Tudo indo pelo ralo? Talvez seja a hora. Desprender os laços que ainda abafam, fazem mal. Ligam os fios já um pouco eletrocutados, desemcapados e sim - tantos choques, horas de inconsciência e machucados que passam, mas viciam. Adicta de bater portas e aceitar perdões tão sem jeito nem cara, em cima de desculpas montadas com pressa e sem nexo algum. Sempre o discurso inexato do quanto era importante, tudo o que representava e as promessas mil de melhoria, reconstrução e uma paz improvável. Caía, caiu diversas vezes, e hoje não tinha mais vontade de acreditar. Resolve que deixará então a vida guiar, que as coisas aconteçam, e não esquecer apenas num canto: seus princípios e valores. Mais valorosos que beijos sem paixão, e algumas mentiras sinceras. Tão descaradas que mais tarde deixam sem chão, fazem sofrer em dobro.
Seca-se com a toalha que elimina os resquícios ainda existentes de qualquer passado inconveniente, fricciona o tecido atoalhado afim de tirar o peso das costas, as marcas de sofrimento e tudo que não serve mais, e insite em grudar. Como uma música de propaganda na boca, um chiclete sem gosto entre os dentes e a saliva seca nos lábios; mais tarde, rachaduras, cáries e a mesma canção de rima pobre rodando entre a mente e a prosperidade que almeja, todo o futuro que quer viver, e tem pressa, necessidade.
Um creme no corpo, pernas para segurar das ventanias emocionais sem deixar abater, ombros para deixar pescoço ereto, cabeça erguida e orgulho das ações, sejam errôneas ou totalmente assertivas. Mãos macias, segurar cordas com força, cabo-de-guerra contra todo esse mau-olhado, urucubaca desgostosa. Brincos nas orelhas, colar entre as saboneteiras protuberantes, o colo bonito e o vestido branco, roupa de baixo vermelha, rosa e roxa. Paixão, amor e luxúria! Respectivamente..E na ordem das aspirações, desejos urgentes. Um sapato de salto para dar equilíbrio e auto-confiança, figura de mulher que não se abstêm, não se deixa abater e continua na guerra diária, aconteça o que seja..
Terminado o ritual, pós carnavalesco, o ano começa agora! O que antes vivíamos e era uma ilusão tão doce e perigosa, essa alegoria de sentimentos que pairavam e não encontravam raíz, placa mãe. O esquecimento do plano real que hoje regressa à casa, como um filho pródigo e aclamado, sendo pedido por todos já cansados de girar nesse carrosel de sentimentos que apenas circula, volteia e não pára nunca para as tomadas de decisão, a realidade nua e crua, tal como deve ser a vida. Imaginação viva, e os pés no chão. Sem deixar-se voar ou levar pela ventania das frases de efeito, e das atitudes floreadamente cortês, falsas intenções, segundas, terceiras..Peço muito um amor verdadeiro e duradouro, real. Depois, saúde para mim e para aqueles que amo, que zelo. Dos que não me querem bem, apenas o bem deles, e sua ausência, seu esquecimento e afastamento. Fé, para que mesmo com os desafios à vista, não pare de remar, navegar; desistir. Coragem para seguir em frente, um pouco nos bolsos sempre é bom - precaução. Alguns ideais, e umas metas para não tornar-se alienada, vencer a inércia com êxito. E nos lábios, um sorriso. Aproxima quem deseja um abraço, uma felicidade. E deixa longe quem inveja sente, quem o mal deseja.
Isso basta, e o ritmo a partir de amanhã muda. Resoluções postas à mesa, no papel com caneta azul esferográfica, torcer para que algum santo ou deus tenha lido ou escutado, visto. Com fé, muita fé e o mesmo sorriso tímido apenas de dentes superiores. And a happy new year, relembra um dos hinos natalinos e olhando pela janela, fala baixo apenas para ela mesma: feliz ano novo. Vai até a janela, e deixar o grito sair do corpo. Feliz ano novo!

(A novidade do ano, quem faz é você. Pode ser hoje, amanhã, ontem, ou dia primeiro. Feliz ano novo, quando a mudança estiver entre suas prioridades. Inovando é que se inicia um ciclo totalmente em branco. Happy new year!)

20 Comentários:

  1. É tão comum a gente fazer essas promessas no fim de ano,desejar coisas boas e elaborar todo um ritual pra expulsar de si as coisas ruins que acumularam.Pena que durante o passar do ano esquecemos de muitas coisas e deixamos rolar solto demais,né Flor ? E mais uma vez o ciclo se repete ao final dos 12 meses.É vicioso sim,mas não custa sempre inovar.E como vc disse 'Feliz ano novo,quando a mudança estiver entre suas prioridades' .E que não seja da boca pra fora.
    Adorei o texto menina .

    Beeijos !

    ResponderExcluir
  2. Isso q é descrever um 31 de dezembro...

    "Aponta pra fé e rema"


    O que há mais pra dizer.?!
    Sei lá o que tu escreve as vezes nem dá pra comentar.

    dizer que te adoro é mto falso.

    mas com o passar do tempo tô criando um carinho especial por ti guria.

    Nunca pare de escrever!

    bj

    "araraquara"
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Eu adorei o seu texto. Principalmente pelo fato, de você sempre ver a possibilidade de renovação, não só por causa da época do ano que remete a isso, mas sempre que necessário. Eu, com certeza, posso dizer que adoro você viu! Sou grata pelos conselhos que ando recebendo através das tuas palavras. Um beijo pra ti flor!

    ResponderExcluir
  4. Com certeza, um texto que eu gostaria de ter escrito.
    Você tem esse dom de fazer as pessoas penetrarem nos seus textos.

    Beijos e abraços brancos!

    http://chiclettesandcigarrettes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. De que adianta fazermos todos os rituais, se não conseguimos estabelecer que queremos mudança? Todos os dias eu olho para o meu mural e leio: é tempo de novas mudanças, é tempo de largar tudo aquilo que ainda dói...
    mas está sendo tão dificil, Camila.

    Beijão, querida

    ResponderExcluir
  6. Temos q lutar pela nossa felicidade, o comeco do ano mostra renovacao, mas nao adianta comecar o ano se vc nao quer mudar pra ser feliz
    hehe

    Otimo texto

    beijoss

    ResponderExcluir
  7. Todas as promessas e todos os rituais que o ano novo traz renova as nossas esperanças. Adorei 'Aproxima quem deseja um abraço, uma felicidade. E deixa longe quem inveja sente, quem o mal deseja.' e é isso mesmo que devemos fazer. Como sempre, maravilhoso! :*

    ResponderExcluir
  8. Fico admirada com o jeito que tu consegues passar pros textos tudo o que sente e quer de uma forma tão doce.
    Tu és uma guerreira sempre!

    Beijão flor!

    ResponderExcluir
  9. Muito mais do que todo esse ritual de renovação, é perceber a mudança que veste nosso interior. Essa fé, esperança e felicidade que vi aqui, no seu texto. Mais que desejo, um grito que acorda o adormecido na gente. E o que posso dizer? Que te entendo bem. Que como você, quero deixar não ao breu, mas apenas longe tudo o que já não tem feito de mim a menina luz, com brilhos e sorrisos. Deixar o que tem sido fosco, ir embora. Para assim sermos mais que apenas mais um aqui, nessa multidão tão apressada e às vezes, egoista.
    Renovar, renascer! E por que não florescer?
    Eu espero que esse novo ano seja mais leve e bondoso conosco. Como você sempre me diz: merecemos! Mas que seja intenso também, para não deixar na boca aquela ânsia vazia, incompleta. Apenas gosto vívido, tão imerso como somos.
    Ja está na hora de recobrirmos a pele com tudo o que temos de novo, talvez já conhecido, e deixar que ele transforme não só a quem reflete, mas a nós também.
    Você é um anjo, Camila. Obrigada por tudo. Torço tanto por ti e desejo que esse ano seja transformador. Completo e cheio de amor. Ficaremos bem, você sabe disso, não sabe?
    Um beijo para você.

    ResponderExcluir
  10. 2011 é o nosso ano Cá! Estou torcendo por ti.
    Beijo, guria.

    ResponderExcluir
  11. que bonito Camila. sempre evidente a sua inspiração, e a forma boa como conduz um texto. espero que em branco, você consiga colorir a seu modo, e apagar a gosto. beijos!

    ResponderExcluir
  12. Renovação, tranformação e uma carga de sentimentos auxiliares pra regar um novo ano e fazê-lo novo de fato! Gostei Camila!

    *obs.: obrigada pelo carinho em seus comentários no meu blog!

    ResponderExcluir
  13. achei engraçado pq acabei de fazer isso, tomei aquele banho com sal grosso e coloquei aquele vestidinho branco, sem ler tudo isso, agora estou me sentindo ainda melhor..

    ResponderExcluir
  14. QUE LINDO, QUE LINDO, QUE LINDO, PQP QUE LINDO

    ResponderExcluir
  15. QUE LINDO, QUE LINDO, QUE LINDO, PQP QUE LINDO

    ResponderExcluir
  16. Camila, é tanta informação e tanta criatividade que tive que ler algumas boas vezes. Lindo, inteligente e, como sempre, significativo pra muitas outras pessoas que não você.
    Admiro muito seus textos, você é uma ótima escritora.

    Beijos e feliz ano novo para nós!

    ResponderExcluir
  17. Oi, senti um pouco de Clarice com Guimarães, algo de Euclydes tb; afinal, adorei td isso que forma algo ainda maior, o seu estilo. Parabens e abraços

    ResponderExcluir
  18. vim conhecer seu cantinho e amei, por isso ate deixo um selinho para seu blog no meu! Espero que goste! bjinhus

    ResponderExcluir
  19. Peço tudo isso também... Pra fazer DIFERENÇA no novo ano, já que pedimos tantas outras coisas que no fundo nem tem tanta importância! =)

    BjO

    ResponderExcluir