Temidas pernas grossas

1.26.2010 -





Quando li o enunciado da matéria, cheguei a pensar que a palavra "epidemia" ainda que patológica, e medicinal demais, para os termos "pernas grossas", pudesse ser de alguma forma apenas o proliferamento de mulheres com os membros inferiores roliços ou protuberantes. E ao ler por completo a coluna, me decepcionei com um crítico e jornalista o qual eu lia antes de todos os demais, e todas as reportagens, diariamente no jornal mais influente porto-alegrense.
Sempre disse aqui, e não é mistério nenhum que não faço o tipo palito de dente, modelo de passarela e que sou grande e ossuda; com isso, se emagrecia um quilo, parecia que havia perdido cinco. O contrário também acontecia, quando ganhava peso. Lutei anos e anos de dietas, balança e puberdade, e hoje, só hoje às vésperas de sair da adolescência, me digo satisfeita, plena com o corpo que carrego. Com seus defeitos, e mil qualidades. Queria ser mais baixa, e ter um pouco menos de braço e bunda, um pé menor. E amo meu cabelo, adoro o meu narizinho arrebitado e o formato do meu corpo. O que me deixou mais irritada, e perplexa, foi a degeneração à esse biotipo tipicamente brasileiro, violão, com busto e "pandeiro" protuberantes, e a cintura fina. Não quero ser a mulher melancia, tudo tem seu limite. Daí, ler assim numa manhã nublada e quente, que o corpo que você jovem e querendo ser bonita, e que demorou anos para gostar, e aceitar, é um corpo feio, e não atiça, não atrai, dá um nó, uma raiva. Ainda com as críticas à beldades e suas coxas grandes, Juliana Paes e Patrícia Poeta, apenas para começar o delírio. Inaceitável.
E o que dizer de Marilyn Monroe, eleita a mulher mais sensual já viva e de beleza estonteante, que usava manequim 42-44, considerado gigante para época atual, e desfilava a silhueta 90-60-90, adorada e venerada até hoje seja por homens, crianças, mulheres e até padres? Seduzia qualquer um, independendo padrões ou esses estágios da vida. E os olhares na rua, que recebo, que as dançarinas de palco ganham e mulheres tidas como "gostosas" são alvo? Não seriam, antes de mais nada, atração? Ereção, excitação, que seja..Dizer que as pernas grossas deformam o corpo, que a malhação estraga a naturalidade feminina é loucura. Estranho é ter um corpo estilo prego ou triângulo, ou ainda, pernas tão finas que deixem com aspecto de garça. Imagino um sapo também, deixando as sobras todas para serem depositadas na região abdominal. Pena é para gente que realmente merece, e não para tipos físicos. Aliás, pena é o pior rótulo do mundo, em qualquer situação. 
A questão é que há estudos que comprovam, que mulheres de cintura fina e pernas, sim, grossas, ou quadril largos, dando a impressão de curvas, são mais férteis e despertam os impulsos de proteção e atração sob o sexo masculino. 
As mulheres voluptosas, exuberantes, muitas vezes confundidas nas ruas como "gostosas" ou "delícias", sofrem também preconceitos que acarretam muitas vezes traumas, e atrasos na vida que queriam levar. São frequentemente negligenciadas na procura de empregos, tidas apenas como um pedaço de carne incéfalo, e penam o dobro para mostrar a que vieram, seus valores, e inteligência. Coisa que vi muitas parecidas comigo, e que se encaixam no perfil, possuírem. Nos relacionamentos, os homens tem uma dificuldade imensa em ver aquela pessoa que ali se apresenta como alguém que tem sentimentos, que sofre, e chora, sensível, ao invés de uma profissional do sexo, uma dançarina de pole dança ou apenas alguém para "aliviar a pressão, e tchau". Fora a dificuldade de serem levadas à sério, mesmo vestidas de burca, ou com roupas masculinas, ainda há o machismo que impede se comprometer com alguém que vai ser constantemente galanteada, chamar a atenção e os olhares pelas avenidas, bairros e shoppings. Pernas, todo essa lógica pelas pernas que eu acho um charme hoje, e já quis que fossem de outra pessoa anos atrás.
Ao querer defender e dar vez às fininhas, acabou que feriu quem faz uso ou às vezes é geneticamente refém da grossura dos cambitos, e do estigma que tal diferença carrega. A peça chave da questão está em enaltecer as qualidades que já vieram com nosso selo, desde a concepção, e assim, alcançar de um jeito singular e sem cópias, a beleza natural e irradiante. Aceitável dentro dos padrões de cada um. Mesmo que as pernas grossas, sem discussão, saiam à frente.


(resposta às colunas dos dias 25 e 26 de Janeiro, do colunista Paulo Sant'Ana, sobre as temidas pernas grossas, no Jornal Zero Hora.)

4 Comentários:

  1. Li essa matéria e simplismente, cada um com seu corpo né? Apesar de gremista e um bom colunista, ele não foi feliz com essa coluna! E adorei a tua resposta, é isso! beijo

    ResponderExcluir
  2. Clarice Lispector esta voltando e tenho dito. me lembrou um trecho de uma entrevista do Drauzio Varella que ele diz: E nós, pessoas criativas, temos de tomar mais cuidado com nossas qualidades que com nossos defeitos’. Porque os defeitos você sabe quais são e pode se defender deles, mas, das qualidades, não. Os criativos criam tantas coisas que depois não conseguem levar adiante o que criam, e isso pode ser uma arma contra a própria pessoa.

    ResponderExcluir
  3. Sua crítica é extremamente válida. As pessoas tem que parar de observar o físico alheio e começar a entender que há assuntos que seriam muito mais participativos e não fariam uma pauta ser considerada errada por qualquer pessoa. E viva à qualquer corpo: o seu, o meu, todos. (aquelalolita.com.br)

    ResponderExcluir
  4. Achei interessante o que vc escreveu. E concordo que pernas grossas nunk foram desprezados pelos homens, talvez somente por algumas mulheres.
    Mas não concordo com sua afirmação:

    "Estranho é ter um corpo estilo prego ou triângulo, ou ainda, pernas tão finas que deixem com aspecto de garça. Imagino um sapo também, deixando as sobras todas para serem depositadas na região abdominal."

    Por que não concordei? Assim como você não gostou da crítica que foi feita às mulheres mais "carnudas", já que você tem esse mesmo estilo, outras mulheres que possuem o corpo com outros formatos não gostariam de ser chamadas estranhas.
    É apenas diferente... assim como existem milhões de mulheres com a perna grossa e o bumbum grande, existem outras milhões com perna fina, sem bunda, peito grande e pernas finissimas, barriga grande e sem peito nem bunda. Agora, o que define se essas mulheres com corpos distintos são belas ou não?

    É a mídia que impõe como devemos ser... e é complicado especificar apenas um estilo de corpo bonito. Fico muito feliz de existirem diversos formatos de corpo.

    Abraço terno

    ResponderExcluir